Domingo, 22 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

A CRISE NA SEGURANçA PúBLICA >

Mas onde está Amarildo?

Por Genisson Santos em 06/02/2016 na edição 888

E quando a polícia, que deveria zelar pela segurança do cidadão, opta pelo outro lado? A polícia, que deveria ser legítima, deixa transparecer sua banda podre, sombria e cruel. A polícia, que deveria assegurar o direito de ir e vir, sequestra. A polícia que deveria proteger, tortura e mata… E quando esta mesma polícia é levada ao banco dos réus…

Após quase três anos, policiais envolvidos no caso Amarildo foram condenados. Eles são acusados de sequestrar, torturar e assassinar o ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, em 13 de julho de 2013. Os PM’s integravam a Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha (UPP). Detalhes da sentença da Justiça do Rio de Janeiro foram apresentados no Fantástico, da Rede Globo, no último dia 31/01. Entre os condenados está o major Edson Santos, então comandante da UPP, e o tenente Luiz Felipe de Medeiros, considerado o mentor do sequestro. Cerca de 25 agentes respondem pelos crimes de tortura, ocultação de cadáver, fraude processual e formação de quadrilha.

Amarildo Souza / Foto circuitomt. com.br

Amarildo Souza / Foto circuitomt. com.br

Na época do desaparecimento do ajudante de pedreiro, a colunista da edição online do jornal O Globo Eliane Brum, em seu maravilhoso artigo “Onde está Amarildo?”, definiu: “Amarildo era ajudante de pedreiro e criava os seis filhos num barraco de um único cômodo, num ponto da favela em que o esgoto serpenteia pelas vielas e tuberculose é doença corriqueira. Não sabia ler, só escrevia o próprio nome.” […] A realidade da vida de Amarildo descrita pela jornalista é tão triste e atroz quanto sua morte misteriosa.

Um silêncio devastador

O caso Amarildo tornou pública a sordidez de uma parte da polícia, que em sua essência é uma instituição séria. No entanto, não é apenas isso. A morte brutal de Amarildo escancara para o Brasil crimes cometidos diariamente por um Estado omisso, ineficiente e atroz. Um Estado assassino.

Naquela noite de julho de 2013, na comunidade da Rocinha, a polícia era o Estado. E o Estado, que deveria garantir a integridade física do cidadão, não cumpriu o seu dever. Talvez por julgar indigno aquele Amarildo. Afinal, tratava-se de um mero ajudante de pedreiro, um iletrado, que não mereceu sequer ter seu corpo enterrado.

A história deste Amarildo Dias de Souza comoveu todo o país, ganhou as ruas e as redes sociais. A pergunta que ecoou em todos os lugares, ainda se mantém sem resposta: “Onde está Amarildo?” O silêncio é devastador e nefasto.

Que a punição dos policiais, que também foram expulsos da corporação, sirva de alento aos corações inquietos por justiça.

***

Genisson Santos é jornalista e comunicólogo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem