Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

A TRAGéDIA DOS REFUGIADOS > Fotos chocantes

Quando os fins justificam os meios

Por Gabriel Bocorny Guidotti em 15/09/2015 na edição 868

Com apenas três anos, o menino certamente não compreendeu bem o que estava acontecendo. Seus pais o conduziram a um barco, dizendo que, após a travessia, tudo seria melhor. Como todo bom filho, obedeceu sem pestanejar. Ele mal sabia da terrível guerra que deixou para trás. Não sabia, igualmente, que a aventura de barco seria a última de sua breve vida. A história de Aylan Kurdi – o garotinho sírio encontrado afogado em uma praia da Turquia – despertou as atenções do mundo.

Na faculdade, sempre fui ensinado a registrar tudo que for possível em uma cobertura jornalística. É preciso embasar as informações coletadas com fotos, entrevistas e vídeos – para fins de comprovação. Publicar determinados conteúdos, entretanto, exige uma reflexão individual, dos jornalistas, e coletiva, das equipes nas redações. Quem estamos atingindo com a imagem de uma tragédia? É lícito expor a identidade de alguém para prender a audiência?

A fotógrafa que fez o último registro de Aylan afirmou, em entrevista, ter ficado “petrificada” com a cena. Mas, como todo bom profissional de comunicação, não deixou o inusitado passar. Ela estava correta em desempenhar seu ofício. O momento era único, marcante. O momento era traumatizante. Suponho que após pensar sobre o caso, a profissional tomou a decisão que lhe parecia adequada: compartilhou a imagem. A tragédia migratória precisava ser vista.

Crise humanitária       

Em se tratando de tragédia, o jornalista se coloca, inúmeras vezes, em dilema morais. Os veículos, adotando uma posição ponderada, normalmente não publicam imagens mortuárias. Trata-se de uma forma de autopreservação – jurídica e moral. Mas o óbito do garotinho Aylan guardava outros ingredientes, não apenas o baque de seu corpo abandonado sem vida. Em minha opinião, a foto constitui uma enorme cicatriz na história da humanidade.

A imprensa deve replicar a imagem do corpo de um suicida estatelado no chão? Cabe ao jornalista compartilhar registros de fatalidades, como acidentes de carro? Normalmente, não. Nesses casos, a individualidade e o isolamento dos sinistros não justifica a publicação. O menino sírio, por sua vez, é a ponta do iceberg de um problema muito mais latente e inédito, que deflagra uma crise humanitária de proporções dramáticas.

A migração de refugiados no Mediterrâneo não é de agora. Entretanto, foi somente após a tragédia de Aylan Kurdi que as pessoas começaram a olhar para o tema com a atenção merecida. Em 2015, morreram centenas de pessoas na travessia. As notícias ocupavam áreas de menos destaque nos veículos de comunicação. Bastou o registro de uma criança morta para o assunto pautar todas as rodas globais.

Não há regra para as publicações da imprensa. Cada fato tem as suas particularidades. Por uma razão antropológica, acredito que a veiculação da foto de Aylan está plenamente justificada. Outros registros não merecem a mesma mídia, embora o sensacionalismo os potencialize, vez que outra. Destarte, como dito, o compartilhamento de conteúdos de tragédia depende de muitos fatores. Para o momento, cumpre-nos saber que um garotinho inocente morreu. O jornalismo tem obrigação de auxiliar para que outras crianças não sigam o mesmo caminho. Se a artimanha de chocar a audiência garante este fim, que assim seja.

***

Gabriel Bocorny Guidotti é bacharel em Direito e estudante de Jornalismo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem