Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº954

ARMAZéM LITERáRIO > ARTES DO OFÍCIO

A arte de garimpar histórias

Por Carlos Eduardo Lins da Silva em 17/09/2013 na edição 764
Histórias que os jornais não contam mais, de Anélio Barreto, 432 pp., Belaletra Editora, São Paulo, 2013; R$ 34 # reproduzido da Folha de S.Paulo, 13/9/2013; título original “Obra reúne textos de mestre da arte de garimpar histórias”, intertítulo do OI

No prefácio de “Histórias que os Jornais Não Contam Mais” (Belaletra), de Anélio Barreto, o jornalista Sandro Vaia afirma que o título “pode servir como epitáfio dos jornais que agonizam e ao mesmo tempo como diagnóstico das razões dessa agonia”.

Ou seja: “Morrerá mais rapidamente quem esquecer que a essência mesma do jornalismo é contar –e contar bem– boas histórias”.

Vaia está certo quanto à definição da essência do jornalismo. Nem tanto, espero, quanto a constatação implícita de que os jornais agonizam por terem deixado de contar bem boas histórias.

Neste período em que o ofício tem enfrentado o desafio da internet, há mais desespero que esperança em relação ao seu futuro. Mas não há prova de que vá desaparecer.

O jornalismo terá papel relevante se fizer, como diz o texto de capa do livro, “a garimpagem das informações relevantes ao público –e de maneira palatável”.

Espaço garantido

Anélio Barreto foi, enquanto exerceu a profissão, um mestre na arte de garimpar dados e contar boas histórias. Integrou a equipe original do “Jornal da Tarde”, que, com a revista “Realidade”, fez nos anos 1960 e 1970 o melhor do novo jornalismo nacional.

Seu talento fica claro na antologia, em especial nos textos do caso da rua Cuba, uma dessas histórias que poderiam render obras-primas como “A Sangue Frio”, de Truman Capote, mas que em geral saem apenas como notas mal escritas nos jornais.

A série de reportagens sobre o caso que Anélio publicou no “Jornal da Tarde” entre 1989 e 1990 ocupa metade do livro e é seu ponto alto.

“Rua Cuba, 109, Jardim Paulistano, sexta-feira, antevéspera do Natal de 1988. O casal Bouchabki, Jorge e Maria Cecília, seria assassinado nesta madrugada, com quatro tiros. Mas quem adivinharia isso agora, logo após o Jornal Nacional’ e uma importantísssima sequência da novela Vale Tudo’?”, escreve Anélio.

Os textos reconstituem em detalhes os momentos que antecederam o crime, do qual o filho Jorginho, 18, foi o maior suspeito (“Antes de sair, Ginho programou o videocassete, na sala, para gravar o Globo Repórter’, que tinha um especial de fim de ano sobre os Trapalhões”) e avançam até um epílogo sobre o arquivamento do caso.

Há outras histórias bem contadas: policiais (o caso O. J. Simpson), internacionais (a vida em Angola, em 1999), perfis (a mãe de Dilma Rousseff, em 2006) e mais.

Todas aproximando a produção jornalística da literária, inclusive com liberdade para recriar diálogos não testemunhados sem, no entanto, perder a verossimilhança.

Pode parecer que não há mais espaço para o trabalho que Anélio fazia. Mas a história é dinâmica demais para ser prevista. O sucesso da reportagem “Snow fall”, de John Branch, que a edição digital do “New York Times” publicou neste ano, com recursos multimídia, prova que há espaço para a produção inteligente.

Leia também

O velho jornalismo feito de histórias – Matías M. Molina

A arte de contar boas histórias – Sandro Vaia

******

Carlos Eduardo Lins da Silva é editor da revista “Política Externa”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem