Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ARMAZéM LITERáRIO > LITERATURA REVISITADA

Traições literárias

Por Hélio Schwartsman em 20/05/2014 na edição 799
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 14/5/2014; intertítulo do OI

Na polêmica entre simplificar ou não Machado de Assis para que ele seja mais lido, marco coluna do meio.

A boa crítica literária combina mais com iconoclastia do que com sacralização. Não há necessidade de endeusar cada uma das frases lapidadas pelo autor, especialmente se elas estão a criar uma barreira que afasta potenciais leitores do texto. Se é lícito fazer adaptações de Homero, Cervantes e Shakespeare, não há por que considerar Machado intocável.

No mais, palavras envelhecem. Por idiossincrasias do desenvolvimento de português e dos autores que elegemos como canônicos, é raro ver aqui edições bilíngues da versão arcaica do idioma para a moderna, mas elas são comuns em inglês ou francês. Um texto como Beowulf, composto entre os séculos 8º e 11º, é ininteligível para o falante de inglês atual, daí que as edições são “traduzidas”, isto é, adaptadas para que possam ser compreendidas.

Nota de rodapé

Aos puristas resta buscar edições bilíngues e estudar as declinações do inglês antigo, que desapareceram.

De modo um pouco menos dramático, um autor tão importante e nem tão antigo como Rabelais (c. 1483-1553) também costuma ser contemplado com edições modernizadas ou bilíngues. A barreira linguística entre o francês renascentista de Rabelais e o moderno não é intransponível como no caso de Beowulf, mas o respeito ao original tornaria a leitura um processo penoso e não prazeroso. Entre o Beowulf, Rabelais e Machado a diferença é muito mais de grau do que de natureza.

Resta saber se o projeto de modernização de Machado que gerou toda a controvérsia vale a celeuma. Tenho dúvidas. Se os exemplos de intervenções mostrados na reportagem da Folha de sábado [10/5] são representativos, trocar reproche por “censura” é muito mais serviço para uma nota de rodapé do que para uma “tradução”, especialmente uma que consome R$ 1 milhão em verbas públicas.

Leia também

Machado no machado – Norma Couri

******

Hélio Schwartsman é colunista da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem