Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

ARMAZéM LITERáRIO > GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ (1927-2014)

Vida de Gabo combina com formato pop

Por Cadão Volpato em 08/07/2014 na edição 806
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 5/7/2014; título original “Vida de Gabriel García Marquez combina bem com formato pop”; Gabo – Memórias de uma vida mágica, de Óscar Pantoja, Miguel Bustos, Felipe Camargo, Tatiana Córdoba e Julián Naranjo, 184pp., tradução de Marcelo Barbão, Editora Veneta; R$ 44,90

Gabriel García Márquez, o Gabo, morreu em abril deste ano, aos 87, depois de uma longa vida coberta de glórias, que culminaram no prêmio Nobel de Literatura, em 1982.

Antes e depois do Nobel, porém, a vida de García Márquez não foi tão fácil assim, como está relatado em diversos livros sobre o escritor, incluindo a autobiografia Viver para Contar, de 2002.

A vida do escritor é por si mesma um romance e tanto. Cabe muito bem num roteiro de cinema realista-fantástico e cai perfeitamente no formato pop de uma história em quadrinhos. Basta ler este excelente Gabo, Memórias de uma Vida Mágica, escrito e desenhado por cinco jovens artistas colombianos.

Óscar Naranjo fez o roteiro e Miguel Bustos, Felipe Camargo, Tatiana Córdoba e Julián Naranjo entraram com os traços para contar a vida de Gabo a partir do nascimento, na cidadezinha de Aracataca, passando pelas aventuras estudantis na Bogotá da década de 40, as viagens transformadoras pela Europa e por Cuba, em plena revolução, e fechando com a consagração do Nobel.

Mas é a epifania que levou o escritor à criação de sua obra-prima, o romance Cem Anos de Solidão, que funciona como força motriz da história. Tudo circula ao redor desse momento decisivo, mostrando como o autor combinou a inspiração e a transpiração baseado nos acontecimentos decisivos da infância passada na casa dos avós.

O roteiro de Pantoja vai direto ao ponto, deixando entrar uns clarões fantásticos que têm tudo a ver com o universo de Cem Anos…

O resultado é de um frescor literário que as graphic novels não cansam de perseguir, às vezes batendo demais nas teclas da pretensão. Esta aqui é despretensiosa e cheia de devoção jovem pelo escritor colombiano que é um clássico universal.

******

Cadão Volpato é escritor, ilustrador e músico, autor do romance Pessoas que Passam pelos Sonhos (Cosac Naify)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem