Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

ARMAZéM LITERáRIO > MÍDIA, LÁ E CÁ

A importação indevida

Por Alberto Dines em 29/01/2010 na edição 574

Hugo Chávez está radicalizando, este é o mote que percorre os editoriais dos nossos jornais, as análises dos comentaristas políticos e a blogosfera palpiteira. É fato: o caudilho venezuelano apostou no confronto e agora está colhendo a safra de ressentimentos que plantou ao longo de quase uma década.


Autoritário, desperdiçou alianças, fechou as portas para a formação de blocos democráticos, perdeu fiéis companheiros, cada vez mais solitário. Sua obsessiva cruzada antimídia trabalha contra os seus próprios interesses porque, ao apertar as roscas da repressão, torna quase impossível lembrar que a conspiração para derrubá-lo em 2002 nasceu num poderoso grupo midiático hoje convertido em aliado de seu governo (ver ‘Chávez e a mídia, raízes do conflito‘).


Cedo ou tarde


Este quadro delirante, porém, não deve servir de pretexto para que a corporação midiática brasileira transfira para cá as tensões do país vizinho. Cada caso é um caso: o furor ‘bolivariano’ contra a imprensa não é uniforme. O casal Kirchner conviveu muito bem – bem demais – com a mesma estrutura midiática que resolveu pulverizar quando percebeu o seu desgaste político.


Forçar semelhanças na base de etiquetas generalistas é um recurso antijornalístico, culturalmente reacionário, porque converte o cidadão num escravo das simplificações.


Da mesma forma, a vitória de Sebastián Piñera no Chile não significa o nascimento de uma ‘nova direita’ no continente. O poderoso empresário dificilmente derrubará a sólida estrutura estabelecida ao longo das duas décadas de social-democracia. Nem está interessado nisso.


Chávez não está conseguindo acabar com os últimos resquícios de liberdade de expressão em seu país, o chavismo está desabando como acontece mais cedo ou mais tarde com todos os regimes discricionários Mas estes são dados circunscritos à Venezuela e não podem ser extrapolados nem exportados para outros ambientes. Pode parecer provocação.


Obama


Também é visivelmente artificial a impressão construída na mídia brasileira de que a administração Barack Obama está sendo um fracasso. O presidente americano está na Casa Branca há cerca de 370 dias, tem no mínimo outros 1460 para completar as mudanças que iniciou.


Na terça-feira (26/1), Obama teve a coragem de afirmar numa entrevista à rede ABC que prefere ser um presidente muito bom de apenas um mandato do que ser um medíocre de dois mandatos. Sua cruzada contra o capitalismo selvagem praticado pelos conglomerados financeiros já o coloca no grupo dos chefes de Estado excepcionais.

Todos os comentários

  1. Comentou em 18/03/2011 edson Mineiro

    18/03/2011 – 09h02
    Governo petista dá proteção a delator do mensalão do DEM
    Publicidade
    FERNANDA ODILLA
    DE BRASÍLIA
    LETÍCIA SANDER
    DO PAINEL

    O governador petista Agnelo Queiroz (DF) mantém sob proteção da Polícia Civil Durval Barbosa, que denunciou o mensalão do DEM.

    Barbosa delatou o esquema de pagamento e cobrança de propinas, que foram registradas em vídeos. Uma das gravações mostrava o ex-governador José Roberto Arruda, um dos principais adversários políticos de Agnelo.

    Corregedor da Câmara recebe processo contra filha de Roriz
    Conselho de Ética defende processo contra filha de Roriz
    Barbosa autoriza inquérito contra Jaqueline Roriz no Supremo
    Jaqueline Roriz admite caixa dois na campanha de 2006
    Filha de Roriz aparece em vídeo recebendo dinheiro

    Filmado recebendo dinheiro, Arruda foi preso por suspeita de atrapalhar a investigação e acabou cassado. Ele era o favorito à reeleição, mas não pôde concorrer.

    O próprio Agnelo, então pré-candidato a governador, teria sido filmado quando foi convidado por Barbosa para ver as cenas com os casos de corrupção, mas esse vídeo nunca foi tornado público.

    Este é o tipo de imprensa que temos super clara em suas manchetes sem intenção alguma de manipular a compreensão do texto

  2. Comentou em 01/02/2010 Cristiana Castro

    Com relação ao que o Ibsen escreveu, tem um texto, acho que do Chomsky, que fala, exatamente, sobre produzir em cada um de nós essa sensação de incompetência. Os modelos criados são inatingíveis para que nós nos sintamos deslocados, é como se a realidade fosse aquela e a vida real, a nossa, é que fosse a fantasia e fantasia por conta de nossa incapacidade, se fossemos capazes seríamos iguais àqueles da TV. Nós somos o mundo real e no mundo real homens não são = a carro 0KM e mulheres não são = bunda. No mundo real, a gente trabalha muito, ganha mal e tem que sobreviver, ou seja, não sobra tempo para disputar carro com o vizinho e nem bunda com a cunhada.
    Fora Mídia Gorda! ( aprendi hoje aqui no OI )

  3. Comentou em 01/02/2010 Zé da Silva Brasileiro

    ‘Se a globo não disser o que é moderno, o sujeito fica perdido’. Parabéns Cristiana. Muito bem dito. Só acho que nessa comédia a Globo é a atriz principal mas não é a única. A ‘Veja’, por exemplo, usa e abusa desse discurso ‘moderno’ para seus milhões de leitores. Recordo-me que eles sempre comparavam o Brasil com o México. O Brasil, relapso, sentado nas últimas fileiras da classe sem nunca fazer os tais ‘deveres de casa’. Já o México era o aluno bem comportado, estudioso, sentado na primeira fileira da classe e aluno preferencial dos mestres do neoliberalismo…

  4. Comentou em 01/02/2010 C. Brayton

    Noutras palavras, samba não e rumba …

  5. Comentou em 30/01/2010 Marcio Dreux

    A cobertura que a nossa grande imprensa comercial faz da Venezuela é absolutamente tendenciosa, mentirosa. Infelizmente o Dines (ingenuamante?) acredita em tudo o que lê na mídia e confunde liberdade de informação com liberdade de empresa, que é o que de fato temos aqui. Um presidente eleito e reeleito democraticamente, cumprir uma lei aprovada por um Congresso democraticamente eleito agora é coisa de ditador!?
    Faltam coragem e senso crítica para os ‘analistas da realidade venezuelana’, que não raro já apoiaram golpes militares e agora posam de democratas.

  6. Comentou em 30/01/2010 Marcelo Ramos

    Mandaram muito bem o Wendel, o Alberto Francisco, a Cristiana, o Carlos Mendes. Faço minhas as palavras destes, que representam muito bem uma visão de realidade não toldada pelo maniqueísmo esquerda-direita, mas que não perde de vista que a direita ainda está incrustada em mecanismos de poder ilegítimos que, embora fora do governo, se comportam como um partido. Infelizmente, uma das minhas críticas ao governo Lula, foi não ter feito como Obama fez, de declarar certas redes como inimigas do Palácio do Planalto. E não venham dizer que no Brasil não há liberdade. Nos USA, onde há muita liberdade, há liberdade para o governo dizer que a Fox é ‘opinião mascarada de notícia’. E isso não se trata de autoritarismo. Aqui no Brasil não há menos liberdades do que no USA. Então, o governo poderia sim fazer o mesmo. Na Venezuela, a briga não pode ser comparada com o Brasil, e isso não quer dizer que Chavez seja autoritário, assim como Obama não é classificado como autoritário. O que está em curso, tanto nos USA quanto na AL, é que as direitas, em face da crescente perda de poder, estão mentindo, distorcendo, e caluniando. O blogs de esgoto no Brasil são uma comparação válida com o que há de pior com a direita americana. Entrem e olhem.

  7. Comentou em 30/01/2010 Cristiana Castro

    ‘Acaso são independentes as mídias no planeta? Acaso as Agências de notícias, não são controladoras do que devem ou não notíciar os canais a elas filiadas?’ Wendel, arrasou!!!!!!!! Tá todo mundo aqui careca de saber que são pouquíssimos grupos que controlam o que vai ser divulgado no planeta, só se pensa, se enxerga e se é o que está programado para se pensar, enxergar e ser. O modelo é imposto, globalmente. Eu não poderia escrever isso aqui pq já ando com o filme mais queimado que o do Chavez. A única coisa que ainda me deixa um pouco confusa é o apoio ou não reação a esse tipo de dominação pelos que tem certeza absoluta dessa produção em série de seres humanos. Tô de alma lavada.

  8. Comentou em 30/01/2010 wendel Anastacio

    É Dinis, fazem hoje, exatamente 30 dias em que voce nos deixou sem seus preciossímos comentários sobre o
    ‘ISTO É UMA VERGONHA .
    No aguardo!

  9. Comentou em 29/01/2010 Angela Santa Clara

    Atílio, caro
    Não é que possa haver comparação entre Venezuela e Brasil. O que sempre se alardeou – ou pelo menos alguns procuraram evidenciar- no tocante à trajetória do Chavez foi o perigo do efeito orloff sobre o Brasil. É inegável que muitos da esquerda incensaram as ações chavistas, caracterizando-as como exemplos perfeitos e acabados do ‘outro mundo possível’. E fora da liberdade, seja da imprensa, seja da economia, seja do indivíduo (lógico que com os devidos limites legais e morais) NENHUM mundo é possível…
    N

  10. Comentou em 29/01/2010 Marcelo Ramos

    Prezado Andre, seu enfoque é o famoso enviezado. Você vê apenas o que quer. Só pra pontuar, ele fez, sim, 4 ou mais plebiscitos. Só por isso, já cabe o que eu disse antes, sobre a democracia. Ademais, não tem ninguém aqui dizendo que Chavez é perfeito, longe disso. Ele só não é como a midia nacional tenta nos fazer crer. A imagem do Chavez criada pela mídia de direita parece roteiro de novela mexicana. E, claro, a salvadora da pátria, como sempre, é a liberdade de imprensa. Não que eu ache que liberdade não deva existir, ela apenas não suplanta outros direitos e liberdades, por exemplo, como o direito à informação.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem