Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

ARMAZéM LITERáRIO > REPÓRTER NA CHINA

Dois anos no outro lado do planeta

29/07/2008 na edição 496

[do material de divulgação da editora]

Uma história divertida, intensa e delicada, que provoca risos e lágrimas, sem apelações ou pieguices. Uma aula, um guia de viagem, um álbum de família. Laowai (estrangeiro) – histórias de uma repórter brasileira na China, de Sônia Bridi, com fotos de Paulo Zero, não é só mais um livro, é um documento indispensável.

Misto de reportagem e diário de viagem, Laowai narra a permanência do casal Sônia Bridi e Paulo Zero na China entre 2005 e 2006. Sem falar o idioma e com um filho de apenas três anos, encararam o desafio de montar a primeira base da TV Globo no Oriente.

Sônia conta, com estilo inconfundível e humor peculiar, como foi viver dois anos num país literalmente do outro lado do planeta, com costumes completamente diferentes dos vivenciados até então – apesar de ambos serem cidadãos do mundo, os dois experientes jornalistas sofreram um grande choque cultural.

A partir dos acontecimentos do cotidiano, como alugar apartamento, liberar equipamentos na aduana, fazer exame para obter carteira de motorista, encontrar escola para o filho, descobrir onde comprar roupas para o seu tamanho ou abrir conta em banco, Sônia vai construindo um retrato pitoresco, emocionado e extremamente requintado da sociedade chinesa, em todos os seus aspectos, sob o ponto de vista de uma laowai, com olhar perspicaz de repórter e viajante experiente e uma perspectiva feminina que dá ao relato um sabor especialíssimo.

TRECHOS

Lijiang

‘Neste pedaço da China, o verão só se diferencia do inverno por causa das chuvas. De junho a agosto, elas são fartas. O céu fica sempre encoberto e as nuvens impedem a vista das montanhas. Mas aqui, aos pés do Himalaia, Lijiang – a cidade da eterna primavera – desabrocha. Lijiang significa rio bonito. Um rio de água clara, transparente, usado com abençoada sabedoria. Não há um papel, um pedacinho de plástico, uma sujeira sequer, nos vários quilômetros de rio que cortam esta cidade histórica.

No fundo da água avistam-se algas e peixinhos. A água é muito gelada, mesmo agora no verão, e os restaurantes poupam energia botando a cerveja para gelar no riacho, os engradados pendurados por uma corda para não serem levados pela correnteza. A fonte do Rio Bonito é uma geleira lá no alto das montanhas, agora escondidas.

(…) As casas do centro histórico da linda cidade de Lijiang são de madeira e pedra. Têm lanternas vermelhas na iluminação, pátios internos com jardins bem cuidados, esculturas em pedra, pequenos aquários de carpas coloridas.’

Guilin

‘É mais do que a paisagem chinesa como a vemos nas aquarelas. É a paisagem perfeita na definição artística chinesa. O rio Li desce preguiçosamente, suas curvas parecem encenar os movimentos de tai chi chuan. Os blocos de granito sobem aos céus, em formas dramáticas, pontas de lanças ao mesmo tempo gentis e agressivas. Suas margens são emolduradas por bambuzais. Shan-shui, montanha e água, é um estilo da pintura tradicional chinesa. É a interpretação de Guilin. E nós começamos o dia entrando nessa paisagem.

Cedo, antes que os turistas comecem a descer o rio, embarcamos num barco alugado. Queremos a imagem limpa, como nas aquarelas clássicas. Há uma neblina no ar matinal, mas ela não vai sumir com o sol – é a poluição que cobre boa parte do território chinês e com sua chuva ácida ameaça este paraíso oriental. As árvores que crescem entre as pedras estão morrendo e os desmoronamentos são cada vez mais freqüentes. Mas não paramos para pensar nisso. O capitão desliga o motor do barco, e permite que ele deslize na correnteza suave. Silêncio… e sinto como se a beleza gritasse.

Algas crescem no fundo do rio de água límpida. É como uma grama aquática, pasto para os búfalos que afundam a cabeça na água e saem com a iguaria escorrendo pelos lados da boca. Um barco pequeno, parecendo uma jangada sem vela, feito de bambus colados uns aos outros, se aproxima. O velho pescador tem os pés descalços. Na cabeça, um chapéu com abas grandes. (…) Agora cedo, ele pesca. Mais tarde, vai posar com turistas, um yuan por foto.’

Templo do Céu

Sônia Bridi entrou ao vivo – da China para o Brasil – no Templo do Céu no dia 26 de abril de 2005 (manhã do dia 27 em Pequim), na festa de 40 anos da Rede Globo.

‘O Templo do Céu é um conjunto de construções redondas, seguindo uma linha do Sul para o Norte. No tempo do Império, uma vez por ano uma procissão liderada pelo próprio imperador vinha desde a cidade proibida, para que ele prestasse contas aos seus superiores: os deuses do céu. Uma das construções é como uma escadaria levando a um palco redondo, no centro do qual há uma pedra mais elevada. Até hoje os turistas repetem o que o imperador fazia: sobem na pedra e se dirigem aos céus.

– Daqui sua voz atinge o cosmos – diziam os chineses naqueles tempos.

De certa forma, é o que pretendemos fazer, mandando minha voz para o espaço, que numa rota envolvendo dois satélites, será rebatida até chegar ao Brasil. Sua alteza, o imperador, era todo-poderoso, mas graças à tecnologia nós fizemos mais. Mandamos também a imagem para o espaço.’

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem