Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

ARMAZéM LITERáRIO > MÍDIA & GEOPOLÍTICA

A questão judaica na mídia

Por Luís Olímpio Ferraz Melo em 31/07/2012 na edição 705
Antissemitismo – a intolerável chantagem. Israel-Palestina, um ‘affaire’ francês?, de Etienne Balibar et al, Rony Brauman e Judith Butler, Anima Editora, 2004

O livro Antissemitismo — a intolerável chantagem. Israel-Palestina, um ‘affaire’ francês?, escrito a várias mãos por intelectuais judeus franceses, mostra as injustas acusações contra a mídia, especialmente a francesa, em relação à questão judaica e a manutenção do Estado de Israel e a estratégia de intimidação contra os que divergem publicamente acerca do sionismo – os judeus divergentes são rotulados maldosamente de “maus judeus”. O livro faz alerta para a confusão feita em relação à questão dos judeus e a do sionismo – criação do Estado de Israel. Ou seja, nem todo judeu é sionista, bem como se propõe a esclarecer a causa do aumento do antissemitismo e a tentativa velada de setores da mídia de rotular de antissemita, antissionista, negacionista e/ou racista quem critica o sionismo – o rótulo da moda é “judeofobia”.

A partir de 2001, foi notado na França o aumento do antissemitismo e os jornais estamparam em manchetes o tema. O alarmismo acerca da nova onda de antissemitismo levou o jornal Libération de 2 de abril de 2002, numa entrevista, a compará-lo a uma “nova Noite de Cristal” – em referência aos dias 9 e 10 de novembro de 1938 dos pogroms nazistas que pilharam as lojas judaicas na Alemanha. Outros jornais entraram no debate: “Antissemitismo: o que não se ousa dizer”, Le Nouvel Observateur, 6 de fevereiro de 2003; “Antissemitismo faz estragos!”, Marianne, 7 de abril de 2003; “O quadro negro do antissemitismo”, L’ Express, 10 de abril de 2003; “Antissemitismo, um mal francês?”, L’ Express, 17 de abril de 2003, entre outros tantos.

No Brasil, a mídia prefere silêncio

O livro em epígrafe auxilia na compreensão de como a boa mídia, no caso concreto, o jornal francês Le Monde, pode e foi injustamente acusado de ir contra Israel por conta de uma frase pinçada de um artigo de opinião que nada tem a ver com a linha editorial do jornal; outro caso foi o Libération que, equivocadamente, publicou uma legenda numa foto, mas que em seguida pediu desculpas pelo erro – porém, mesmo assim, foi tachado maldosamente de “diabolizar” Israel.

Os intelectuais autores do livro mostraram para o mundo que o sionismo está longe de ser unanimidade entre os judeus e, com denodo, denunciaram a perseguição que sofrem os críticos da manutenção do Estado de Israel e do conflito com os palestinos. A liberdade de expressão é colocada em segundo plano quando o tema é a questão judaica, pois quem falar, dependendo do país, é “intimidado”, como se o tema fosse um tabu…

No Brasil, a mídia parece preferir o silêncio a entrar no debate da questão judaica, do Estado de Israel e o conflito com os palestinos, como se o tema não dissesse respeito a toda a civilização…

***

[Luís Olímpio Ferraz Melo é advogado e psicanalista, Fortaleza, CE]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem