Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº974

ARMAZéM LITERáRIO > CARLOS MARIGHELLA (1911-1969)

Livro desconstrói alguns mitos, mas reafirma outros

Por Denise Rollemberg em 29/10/2012 na edição 718
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 27/10/2012; intertítulo do OI

Para o pesquisador do tempo presente, seja ele historiador ou jornalista, o desafio de escrever uma biografia de um personagem como Carlos Marighella é enorme.

As razões são muitas. A principal envolve as confusões que embaralham história e memória, como diria o historiador Henry Rousso. Vencidas as ditaduras e restabelecida a democracia, a tendência da sociedade é lembrar o passado recente buscando, por um lado, afastar-se de qualquer relação com o regime anterior; por outro, glorificar aqueles que lutaram contra ele.

Nesse percurso, as contradições e as ambivalências próprias a indivíduos e sociedade desaparecem e as versões mitificadas prosperam, apaziguando consciências, idealizando aqueles que não se submeteram.

Nos dois casos, a memória construída pouco tem a ver com a história.

Mário Magalhães enfrentou o desafio. As mais de 700 páginas do livro são resultado de uma pesquisa de notável fôlego. Entre história e memória, desconstruiu alguns mitos, reafirmou outros.

Um avanço considerável quanto à tendência da maior parte dos estudos acerca da luta armada e de seus revolucionários refere-se à natureza do combate: ao enfrentar a ditadura teriam lutado pela democracia ou visavam à reconstrução de outra ordem que não àquela existente desde o fim do Estado Novo?

Foco ajustado

A trajetória de Marighella é preciosa para compreendê-la. Ex-militante do PCB, rompeu com o partido e somou-se aos revolucionários.

Propunha, então, o enfrentamento armado, não somente para pôr fim à ditadura, mas, substantivamente, para construir uma outra ordem. Nela, a democracia era a ditadura do proletariado.

Essa é a ruptura essencial entre o PCB aliado do trabalhismo do pré-64 e as mais de 40 organizações revolucionárias, dentre as quais a ALN, criada e liderada por Marighella. Uma vida com um pé no comunismo das alianças institucionais e outro no comunismo revolucionário. Marighella foi um e outro.

O salto de Marighella foi também o de outros antigos militantes do PCB como Jacob Gorender, Apolônio de Carvalho, Mário Alves, Joaquim Câmara Ferreira, entre outros.

Se a memória os tem recuperado como engajados na luta democrática, é preciso recuperá-los como militantes da ruptura, da revolução.

O enfrentamento que assumiram não foi para retomar a ordem interrompida com o golpe, mas para construir algo novo. Nas últimas décadas, a memória conseguiu fazer do revolucionário, antes de tudo, um democrata.

Um dos méritos do livro de Mário Magalhães é retomar a história, situar as opções dos agentes históricos em seu tempo e não em função de valores e referências do presente.

Nesse acerto do foco, não se está manchando o personagem histórico; ao contrário, trata-se de compreendê-lo, respeitá-lo, num esforço para se conhecer o nosso passado recente.

***

[Denise Rollemberg é professora de história contemporânea da Universidade Federal Fluminense e autora de O Apoio de Cuba à Luta Armada no Brasil (Mauad)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem