Terça-feira, 18 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Mistério resolvido

Por Marinilda Carvalho em 05/04/2005 na edição 323

O Diário Catarinense, de Florianópolis, publicou, na capa do caderno Variedades de segunda-feira 4 de abril, matéria de Felipe Lenhart com a verdadeira autora da crônica Quase, atribuída por dois longos anos a Luis Fernando Verissimo. A tal ponto que uma escritora francesa reuniu numa coletânea textos e versos de brasileiros, entre os quais Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira, e lá estava o Quase ‘de Verissimo’, que na tradução virou Presque. O cronista gaúcho ganhou o volume da própria autora no Salão do Livro de Paris, em março. Na coluna ‘Presque’, publicada em 24/3 em vários jornais do país, Verissimo diz: ‘Eu gostaria de encontrar o verdadeiro autor do ‘Quase’ para agradecer a glória emprestada’.

A estudante Sarah Westphal Batista da Silva, de 21 anos, escreveu então a Verissimo, contando ser a verdadeira autora. O repórter Felipe Lenhart, 25 anos, formado pela Unisul em 2002, que trabalha no Diário Catarinense (e também no clicRBS, o portal da RBS) há dois anos, descobriu a jovem estudante depois de muitas navegadas pela internet.

‘Apenas segui as pistas que o próprio Verisssimo deu nas duas últimas colunas dele, às quintas-feiras, em Zero Hora‘, contou Felipe ao Observatório. Ele diz que teve ‘muita sorte’ também, o que tornou a história toda mais curiosa. Primeiro, ele procurou na internet, e nada. ‘Fucei na Universidade Federal de Santa Catarina, na Medicina (que a garota cursa), e nada também’. Mas Felipe voltou ao Google e associou na busca o texto ao nome da autora, que Verissimo tinha dado ‘de lambuja’. Encontrou então o blog de uma certa Sarah, com a mesma idade da Sarah do Quase (21 anos), e que tinha publicado o texto.

‘Puxa, pensei: taí. Mandei um e-mail, e nada. Mais tarde, voltei ao blog e fui conferir os arquivos (posts antigos). Vi uma nota que comentava matéria do Diário Catarinense, onde trabalho, de um fato que teria ocorrido numa ‘cidade vizinha’, em SC. O fato ocorrera em Jaraguá do Sul, no Norte do estado. Consultei cursos de Medicina ali perto, e pimba: achei a Furb, de Blumenau. Daí foi fácil’. Quando conversou com a Sarah do texto, Felipe perguntou: ‘E o seu blog?’ E ela: ‘Mas que blog?’.

Em jornalismo, a sorte geralmente ajuda a quem trabalha com afinco.

A matéria de Felipe Lenhart está abaixo, como também as crônicas de Luis Fernando Verissimo que tratam do assunto.

***

Jovem escritora ‘quase’ famosa

Felipe Lenhart

Catarinense de 21 anos é a verdadeira autora de texto que correu mundo como se fosse de Luis Fernando Verissimo

Quem usa o correio eletrônico com freqüência já pode ter recebido um texto que começa com a frase ‘Ainda pior que a convicção do não e a incerteza do talvez é a desilusão de um quase’ e é assinado por um certo Luiz Fernando Veríssimo. Os erros de ortografia e acentuação no nome do cronista denunciam a falsa autoria. De fato, quem redigiu a crônica Quase, que rodou o mundo com o ‘selo de qualidade’ do escritor gaúcho e acabou em uma antologia de prosa e versos brasileiros traduzidos para o francês, foi a florianopolitana Sarah Westphal Batista da Silva, 21.

A garota, que foi publicada em um livro na França em meio a textos de Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e outros craques, só que com o nome de Verissimo, mora na Capital, estuda Medicina em Blumenau e gostaria mesmo é de passar o resto da vida escrevendo.

– Não sou muito de ler, não. Como também não vejo televisão, fico meio alienada. Mas o tipo de literatura de que gosto é bem o do Verissimo, como em As Mentiras que os Homens Contam – afirma.

O périplo de seu texto começou em abril de 2002, numa sala de aula em Florianópolis. E a ‘inspiração’ para a escrita não foi das melhores: ‘um grande fora’ de um rapaz com quem ficava havia três semanas. No dia seguinte à separação, durante uma aula de Português no cursinho, a professora escreveu no quadro a transcrição fonética da palavra quase: /kwaze/.

– Na hora em que olhei aquilo escrito no quadro-negro pensei: ‘meu Deus! eu odeio esta palavra!’ – afirma.

Um segundo depois, pôs-se a escrever a crônica Quase, como um desabafo e para expurgar a palavra maldita. Afinal, quase houvera um namoro, quase tudo dera certo. Terminado o texto, Sarah passou o caderno às amigas, que leram e gostaram. Um mês depois, encorajada por elogios, deu o mesmo caderno para o professor de redação ler a crônica em voz alta para a turma. Foi um sucesso. As pessoas começaram a pedir o texto. Sarah o enviou por e-mail. A partir daí, não se sabe mais nada.

– O que eu sei é que um ano depois, mais ou menos, uma amiga apareceu lá em casa com o texto com a assinatura do Verissimo! Achei aquilo esquisitíssimo. Em seguida, um monte de gente veio dizer que tinha recebido um e-mail com o Quase assinado pelo Verissimo – afirma.

Sarah conta que ficou envergonhada, pois depois de um certo tempo já não gostava mais do texto e não o achava digno de um escritor do talento de Luis Fernando Verissimo. Hoje, mantém a opinião, com arroubos de autocrítica, apesar do elogio que o próprio cronista fez à redação na coluna do dia 24 de março.

– Acho o texto primário, previsível e o fim é meio brega. O português é muito caseiro, breguinha. Mas, quando o escrevi, fez muito sentido para mim. Era muito bonito – diz Sarah.

Certo dia, entrou na comunidade do escritor gaúcho no Orkut e viu o relato de uma leitora. A internauta dizia que só passara a acompanhar Verissimo na imprensa depois de ter lido o Quase. Sarah respondeu ao comentário afirmando ser ela a autora do texto. A maioria não acreditou.

O fato é que ela já nem liga mais por não receber os elogios do famoso texto. Há poucos meses, caiu-lhe em mãos o diploma de formatura de 2004 do antigo colégio, o mesmo em que tempos atrás escrevera Quase. A crônica estava impressa no diploma, com a assinatura de Verissimo.

– O pior é que continuo encalhada. Eu já poderia ter escrito uma Bíblia sobre os foras que já recebi – brinca.

Ela tem talento e deveria escrever, diz o mestre

Para Luis Fernando Verissimo, Sarah tem talento e deveria começar a escrever a sério.

– Acho o texto bem escrito. Tem assim um estilo auto-ajuda, de motivação. Ela tem talento e deveria escrever mesmo, a sério – disse, em entrevista por telefone ao Diário Catarinense.

Vítima contumaz de falsos textos na internet, Verissimo garante que lhe incomoda quando a crônica causa situações constrangedoras ou não tem nada a ver com ele ou seu estilo de escrita.

– Não há nada a fazer. Internet é uma terra de ninguém – afirmou.

Em 24 de março deste ano, Verissimo escreveu sofre o famoso Quase, de Sarah Westphal Batista da Silva, na sua coluna do jornal gaúcho Zero Hora: ‘Tenho sido elogiadíssimo pelo Quase. Pessoas me agradecem por ter escrito o Quase. Algumas dizem que o Quase mudou suas vidas. Uma turma de formandos me convidou para ser seu patrono e na última página do caro catálogo de formatura, como uma homenagem a mim, lá estava, inteiro, o Quase. Não tive coragem de desiludir a garotada. Na internet, tudo se torna verdade até prova em contrário, e como na internet a prova em contrário é impossível, fazer o quê?’.

***

‘Presque’

Luis Fernando Verissimo

24/3/2005 – Zero Hora

A internet é uma maravilha, a internet é um horror. Não sei como a Humanidade pôde viver tanto tempo sem o e-mail e o Google, não sei o que será da nossa privacidade e da nossa sanidade quando só soubermos conviver nesse syberuniverso assustador. O mais admirável da internet é que tudo posto nos seus circuitos acaba tendo o mesmo valor, seja receita de bolo ou ensaio filosófico, já que o meio e o acesso ao meio são absolutamente iguais. O mais terrível é que tudo acaba tendo a mesma neutralidade moral, seja pregação inspiradora ou pregação racista — ou receita de bomba — já que a linguagem técnica é a mesma e a promiscuidade das mensagens é incontrolável. Não temos nem escolha entre o admirável e o terrível, pois acima de qualquer outra coisa a internet, hoje, é inevitável.

Uma das incomodações menores da internet, além das repetidas manifestações que recebo de uma inquietante preocupação, em algum lugar, com o tamanho do meu pênis, é o texto com autor falso, ou o falso texto de autor verdadeiro. Ainda não entendi o recato ou a estranha lógica de quem inventa um texto e põe na internet com o nome de outro, mas o fato é que os ares estão cheios de atribuições mentirosas ou duvidosas. Já li vários textos com assinaturas improváveis na internet, inclusive vários meus que nunca assinei, ou assinaria. Um, que circulou bastante, comparava duplas sertanejas com drogas e aconselhava o leitor a evitar qualquer cantor saído de Goiânia, o que me valeu muita correspondência indignada. Outro era sobre uma dor de barriga desastrosa, que muitos acharam nojento ou, pior, sensacional. O incômodo, além dos eventuais xingamentos, é só a obrigação de saber o que responder em casos como o da senhora que declarou que odiava tudo que eu escrevia até ler, na internet, um texto meu que adorara, e que, claro, não era meu. Agradeci, modestamente. Admiradora nova a gente não rejeita, mesmo quando não merece.

O texto que encantara a senhora se chamava ‘Quase’ e é, mesmo, muito bom. Tenho sido elogiadíssimo pelo ‘Quase’. Pessoas me agradecem por ter escrito o ‘Quase’. Algumas dizem que o ‘Quase’ mudou suas vidas. Uma turma de formandos me convidou para ser seu patrono e na última página do caro catálogo da formatura, como uma homenagem a mim, lá estava, inteiro, o ‘Quase’. Não tive coragem de desiludir a garotada. Na internet, tudo se torna verdade até prova em contrário e como na internet a prova em contrário é impossível, fazer o quê?

Eu gostaria de encontrar o verdadeiro autor do ‘Quase’ para agradecer a glória emprestada e para lhe dar um recado. No Salão do Livro de Paris, na semana passada, ganhei da autora um volume de textos e versos brasileiros muito bem traduzidos para o francês, com uma surpresa: eu estava entre Clarice Lispector, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e outros escolhidos, adivinha com que texto. Em francês ficou Presque.

***

Novos ódios

Luis Fernando Verissimo

31/3/2005 – Zero Hora

O racismo cresce e assusta na Europa, onde estive durante o último mês e pouco. Acontece um tétrico torneio de violência entre etnias e grupos – brancos contra negros e árabes, árabes contra negros e judeus, neonazistas contra negros, árabes, judeus e o que estiver pela frente. Racismo não é novidade no continente, e nem é preciso invocar a velha tradição anti-semita e o seu paroxismo nazista. Na Europa desigual que emergiu da II Guerra Mundial, portugueses, espanhóis, italianos, gregos e outros em fuga das regiões mais pobres eram discriminados onde procuravam os empregos que não tinham em casa, e o problema dos magrebinos na França é anterior à II Guerra. Mas todos integraram-se de um jeito ou de outro no país escolhido ou voltaram aos seus próprios países economicamente recuperados, e o velho racismo foi solucionado, ou pelo menos amenizado, pelo tempo e o progresso. O que assusta no novo racismo é a ausência de qualquer solução parecida à vista. Ele é econômico como o outro, claro. Existe na sua grande parte entre jovens marginalizados e sem perspectiva. Mas envolve cor e religião e ódios culturais novos, ou – no caso de judeus e muçulmanos – ódios antigos importados. E o tempo só piora o novo racismo. Caso curioso é o do futebol, que deveria estar contribuindo para o entendimento racial, mas ajuda a deteriorá-lo. Não há grande clube europeu que não tenha um bom número de jogadores negros, que são ídolos das suas torcidas, mas alvos dos insultos raciais das torcidas adversárias – que esquecem seus próprios ídolos negros na hora do xingamento. É nos estádios de futebol que tem havido os piores incidentes raciais. Na França fazem campanhas contra o preconceito e a violência, e contra as novas manifestações do anti-semitismo, que tem sido uma infecção recorrente na história da Europa cristã. A luta parece em vão num mundo que, quanto mais cosmopolita fica, mais se retribaliza.

***

Apareceu a autora do ‘Quase’, o texto que rola na internet atribuído a mim e que eu, relutantemente, tenho que repetir que não é meu. Ela se chama Sarah Westphal Batista da Silva, tem 21 anos, é de Florianópolis, escreveu o texto ‘inspirada por um menino que não me namorou, mas quase…’, mandou o texto por e-mail a várias amigas e dois anos depois teve a surpresa de vê-lo impresso com a minha assinatura. A Sarah está no quarto semestre da Medicina mas sonha em largar a faculdade e começar a escrever. Olha aí, editores. Ela nem começou e já foi traduzida na França.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem