Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

ARMAZéM LITERáRIO > LEITURAS DE BRAVO!

Não houve apenas Machado. Houve Rosa. E Graça

Por Deonisio da Silva em 19/02/2008 na edição 473

O estro que o transformaria no maior escritor brasileiro do século 20 já pode ser detectado nas anotações que João Guimarães Rosa, então cônsul-adjunto do Brasil em Hamburgo, fazia sobre a Segunda Guerra Mundial.

Palavras de Guerra é o título da reportagem de capa, assinada por Mariana Delfini na revista Bravo! (fevereiro de 2008). As chamadas de capa, ao lado da foto do escritor, destacam a importância da matéria: ‘A 2ª Guerra vista por Guimarães Rosa’ e ‘Uma impressionante crônica do nazismo no diário inédito do escritor’.

Na Carta do Editor, João Gabriel de Lima, diretor de Redação, diz que ‘Bravo! teve acesso a um dos segredos mais bem guardados da literatura brasileira’.

Eis faísca do repúdio exalado pelo escritor, ao testemunhar a perseguição aos judeus em meio aos registros de bombardeios:

’26 de setembro de 1941, sexta-feira: passeei de automóvel com Ara. Passamos na Grindelberg. A venda dos judeus. Até crianças de quatro anos, ou menos, com distintivo amarelo. Infamante. 22 de outubro de 1941: judias chorando no Consulado, por terem recebido a ordem de evacuação de Hamburgo para o dia 24. Horrível.’

Sem ressentimento

O autor do romance Grande Sertão: Veredas, sua obra de referência capital, escreveu o diário, ainda inédito em livro, entre 1939 e 1941, de fato, como lembra a reportagem, vários anos antes da publicação do primeiro livro, Sagarana (1946). Mas o livro já tivera uma primeira versão em 1938!

A propósito de Sagarana, observadores descuidados gostam de lembrar um terrível engano de Graciliano Ramos, que, num concurso, teria, por inveja e outros sentimentos mesquinhos, votado contra Sagarana. Ao contrário, ensejou um momento de grandeza entre dois escritores igualmente talentosos, pois o episódio do concurso foi esclarecido numa conversa que os dois tiveram em 1944, quando o mineiro foi apresentado ao alagoano. Eis o relato de Graciliano, em crônica intitulada Conversa de Bastidores:

‘– O senhor figurou num júri que julgou um livro meu em 1938.

– Como era o seu pseudônimo?

– Viator.

– Ah! O senhor é o médico mineiro que andei procurando.(…) Fiz camaradagem rápida com o secretário de embaixada. Sabe que votei contra o seu livro?

– Sei – respondeu-me sem nenhum ressentimento.’

Destaque indevido

E prossegue:

‘Achando-me diante de uma inteligência livre de mesquinhez, estendi-me sobre os defeitos que guardara na memória. Rosa concordou comigo. Havia suprimido os contos mais fracos (…). Vejo agora, relendo Sagarana (Editora Universal – Rio – 1946), que o volume de quinhentas páginas emagreceu bastante e muita consistência ganhou em longa e paciente depuração. Eliminaram-se três histórias, capinaram-se diversas coisas nocivas.’

A transcrição é necessária, pois de vez em quando Graciliano Ramos, que foi perseguido e preso justamente por suas convicções, tem seu nome trazido à baila na evocação do tal concurso, em comentários injustos, que ignoram o entendimento que os dois escritores tiveram acerca do episódio.

Que nossas efemérides literárias não nos sirvam para lembrar uns poucos e esquecer todos os outros.

Neste 2008, lembramos o centenário da morte de Machado de Assis e os 400 anos do Padre Vieira, mas não nos esqueçamos da verdadeira mina de ouro que é a literatura brasileira, que tem no escritor que é matéria de capa da revista Bravo! um de seus mais altos valores. Parabéns à Bravo!, que deu capa a um escritor brasileiro, coisa muito rara em nossa mídia!

Infelizmente, nossas riquezas são mal exploradas, por motivos mais do que conhecidos, sendo o principal a mania de a mídia dar destaque indevido a quem acha que tudo o que vem de fora é melhor do que o que fazemos.

À semelhança do que ocorre no turismo, há sempre quem descubra um lindo lugar no mundo. E nenhum no Brasil!

Há vários séculos, quem descobre o Brasil são os estrangeiros. Inclusive na literatura!

******

Escritor, doutor em Letras pela USP e professor da Universidade Estácio de Sá, onde é vice-reitor de pesquisa e pós-graduação e coordenador de Letras; seus livros mais recentes são Os Segredos do Baú (Peirópolis) e A Língua Nossa de Cada Dia (Novo Século)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem