Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

ARMAZéM LITERáRIO > FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO

O escritor Rubem Alves

Por Gabriel Perissé em 10/08/2004 na edição 289

Já ouvi professores (sobretudo professoras) declararem seu amor incondicional pelos livros, artigos e palestras de Rubem Alves. E já ouvi também (embora em menor número) profissionais do mundo da educação fazerem sérias restrições ao que Rubem Alves escreve. Alegam estes que o autor não possui aquela cientificidade…

Rubem Alves não está nem um pouco preocupado com a cientificidade. Defende a magia do ato de educar, infensa à fria e precisa linguagem das ciências da educação. Talvez, em outros tempos, Rubem Alves caísse nas mãos da Inquisição. Seria queimado em praça pública, sorrindo, enigmático, sua alma subindo aos céus, e uma frase nos lábios: ‘Santa erudição…’

Inimaginável, porém, será um dia ler em site ou estampado em camisa negra com letras brancas frases como ‘Eu odeio Rubem Alves’. Odeia-se Bush, odeia-se o Papa, odeia-se Madonna, odiamos até aquelas pessoas simpáticas que, quando alguém se queixa da falta de tempo, gostam de perguntar – ‘O que você faz de meia-noite às seis da manhã?’

De fato, odiar Rubem Alves é ontologicamente impossível.

Se eu também não consigo odiar Rubem Alves, sinto dificuldade em considerá-lo (como alguns exageram, e têm razões para exagerar) um dos maiores intelectuais da educação brasileira. O próprio Rubem está do meu lado e negará queimar incenso diante dessa imagem. Rubem Alves é simplesmente um escritor. Sua filosofia da educação é não possuir uma filosofia da educação.

Como escritor, tem o dom de provocar. E o seu alvo predileto é o educador, a escola, o sistema de ensino. Recentemente, em texto publicado pela Folha de S.Paulo, lançou terríveis perguntas:

‘Os saberes que se ensinam em nossas escolas tornam os alunos mais competentes para executar as tarefas práticas do cotidiano? E eles, alunos, aprendem a ver os objetos do mundo como se fossem brinquedos? Têm mais alegria?’

Três perguntas cuja resposta pode ser uma só: não. (Vejam: eu não afirmei que a resposta só pode ser uma.) Eis aqui a não-filosofia da educação do profeta Rubem Alves. Os profetas denunciam, alertam, dramatizam, e nisso está sua condenação e redenção.

Já aqueles que, depois de lerem mais um artigo de Rubem, voltam para o campo onde semeiam aulas e outras sementes, precisam encontrar respostas diversas, recriar verdades. Sim, com erros e acertos, há professores capazes de realizar grandes milagres. Só que praticamente ninguém sabe onde eles se encontram.

******

Doutor em Educação pela USP e escritor

Todos os comentários

  1. Comentou em 20/05/2007 ligia rodrigues

    Nossa foi muito bom ler o que escreveu. Eu também admiro Rubem Alves.Em uma palestra na minha cidade eu cheguei a toca-lo para ver se ele existia mesmo, se ele é real. Homens como ele, no nosso atual mundo, são poucos mas é deles que devemos tirar exemplos de vida. e através desses exemplos tentar fazer a diferença neste mundo tão competitivo. Eu amo Rubem Alves.

  2. Comentou em 20/05/2007 ligia rodrigues

    Nossa foi muito bom ler o que escreveu. Eu também admiro Rubem Alves.Em uma palestra na minha cidade eu cheguei a toca-lo para ver se ele existia mesmo, se ele é real. Homens como ele, no nosso atual mundo, são poucos mas é deles que devemos tirar exemplos de vida. e através desses exemplos tentar fazer a diferença neste mundo tão competitivo. Eu amo Rubem Alves.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem