Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

ARMAZéM LITERáRIO > LIVROS & LEITORES

O pleonasmo redundante

Por Gabriel Perissé em 17/02/2004 na edição 264

Martin Eden, excelente romance de Jack London, ajuda a entender a gênese de um autodidata, perfil que todo jornalista ou escritor deve ter, se quiser criar um estilo próprio.

Num dos diálogos entre o protagonista (um marinheiro semi-analfabeto) e a mulher da alta burguesia pela qual ele está apaixonado, surge, quase que por acaso, a condição principal para alguém assumir o controle remoto da sua formação:

‘Tomei conta de mim próprio desde os onze anos… isto é, desde que perdi minha mãe. Desconfio que terei de estudar por minha própria conta; o que eu queria saber era por onde devo começar.’

A pergunta é essa: por onde começar? E a resposta não poderia ser mais redundante: começa-se pelo início.

O começo começante é conhecer os alicerces da linguagem, como a linguagem se organiza. E isto supõe contato com o esqueleto, as vísceras, o sangue das palavras. Supõe a leitura.

Não se pode ler se não se pode ler. Repitamos o óbvio redundante. Só assim redundará em ação atuante. O autodidata precisa encontrar na leitura o combustível da sua viagem. Mas antes necessita que alguém lhe dê o começamento começado.

No início é a leitura, mas a leitura leitora, a leitura lida, a leitura que lida com o texto, e o torna letra legível, e torna o leitor um legente legítimo.

Leitura de preler, de perler, de reler, de transler, leitura, enfim, que não tem fim, porque o leitor sempre está a fim.

A leitura é o leite inicial que nós, eternos lactentes, buscamos no livro lactante.

Ler é tomar este leite, quente, frio ou morno, saber saboreado no seio da cultura.

O autodidata sempre viverá na lactância, voando na via láctea dos livros estelares.

No começo do começo tudo começa. E não termina. Pois é preciso verificar se quem sobe sobe mesmo para cima, e se quem insere dentro dentro realmente inseriu. A leitura é constatação crítica, porque nem sempre quem empilhou empilhou o que está na pilha um em cima do outro. Nem sempre quem garantiu que falaria com cada um individualmente individualmente com cada um falou.

E por isso o pleonasmo redundante é a leitura releitura do mesmo, que nunca é sempre o mesmo.

E por isso a redundância pleonástica reaparece de novo e diz, como as crianças que nunca se cansam do novo: ‘de novo!’

******

Doutor em Educação pela USP e escritor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem