Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Radiobrás e a guerra entre governismos

Por Ali Kamel em 22/04/2008 na edição 482



Em Brasília, 19 horas: a guerra entre a chapa-branca e o direito à informação no primeiro governo Lula, de Eugênio Bucci, 292 pp., Editora Record, Rio de Janeiro, 2008


Eugênio Bucci presidiu a Radiobrás do início do governo Lula até abril do ano passado, um período longo. Para fazer o balanço de seus anos à frente da estatal, acaba de lançar um livro, Em Brasília, 19 horas, a guerra entre a chapa-branca e o direito à informação no primeiro governo Lula. Em 292 páginas, Bucci tenta demonstrar que, em sua gestão, a Radiobrás procurou imprimir ‘uma direção apartidária, impessoal, para servir à sociedade, atendendo o direito à informação’. Em uma das muitas avaliações que faz de seu trabalho, ele declara: ‘Alinhada com essa tendência, a gestão da Radiobrás entre 2003 e 2007 procurou exercer até o limite as suas atribuições, mantendo a devida distância entre os interesses de governo e os critérios jornalísticos que pautavam a edição das notícias’.


Não posso concordar. A Radiobrás não foi diferente do que era nas gestões passadas. Ela cumpriu fielmente o decreto que define a sua missão: ‘Divulgar as realizações do governo federal nas áreas econômica, política e social e difundir para o exterior conhecimento adequado da realidade brasileira.’ No livro, o próprio Bucci, depois de contar a história legal da empresa, conclui em relação a este decreto: ‘Não é nada maravilhoso, mas melhorou um pouco, e é o que está em vigor’.


Apesar disto, Bucci afirma por todo o livro que fez a Radiobrás produzir bom jornalismo, apartidário, ético, afastado da propaganda, com a única exceção do programa Café com o presidente. E, como prova, usa o artifício de revelar quatro ocasiões em que teria sofrido pressões contrárias à linha autônoma que diz ter seguido na Radiobrás.


A primeira delas, ainda em 2003, foi uma reprimenda do presidente Lula, irritado porque a Radiobrás divulgara uma declaração de Nilmário Miranda, então ministro-chefe da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, segundo a qual o aumento do trabalho infantil naquele ano fora conseqüência do ‘arrocho econômico’. Depois, em junho de 2004, vieram dois bilhetes que José Dirceu, então ministro-chefe da Casa Civil, enviara a Luiz Gushiken, que ocupava a chefia da Secretaria de Comunicação, a que a Radiobrás estava subordinada. No primeiro, Dirceu discorda de Bucci, que defendia o fim da obrigatoriedade da Voz do Brasil, e desabafa: ‘Já não basta a Radiobrás e sua `objetividade´, que na maioria das vezes significa um misto de ingenuidade e na prática mais uma emissora de `oposição´?’ No segundo, Dirceu repete a reclamação, e pergunta: ‘Você tem acompanhado o conteúdo do noticiário da Radiobrás?’


Um ano depois, Ricardo Berzoini, então ministro da Previdência Social, reclamou com Gushiken de uma nota que a Radiobrás divulgara sobre uma paralisação de servidores. No bilhete, ele diz: ‘Tem coisas na Radiobrás que eu não entendo. Tudo bem que a agência não deva ser um Diário Oficial ou ser submetida à censura prévia. Mas fazer propaganda de um movimento minoritário puxado pelo PSTU e PFL, claramente em oposição ao governo, e que apregoa mentiras sobre a política de RH de nosso governo, é demais para meu espírito democrático.’ Em meio ao relato desses bilhetes, Bucci diz a seu favor que durante o escândalo do mensalão, a Agência Brasil, da Radiobrás, teria publicado 3500 ‘reportagens’ sobre o assunto e que ‘não sofreu uma única acusação de sonegação de dados.’


‘Apartidário e impessoal’


Comecemos pelo fim. Como todos nós, jornalistas, estamos acostumados ao padrão chapa-branca da Radiobrás, não chega a surpreender que não tenha havido uma só acusação de sonegação de dados. Aceite Bucci ou não, jornalistas não julgam o trabalho da Radiobrás por este prisma, simplesmente porque ela não tem importância. Ninguém segue o noticiário da Radiobrás à cata de furos nem cobra dela que vigie o poder, ela que é subordinada ao poder.


É preciso ressaltar também outro aspecto da questão. Se a intenção de Bucci era dar autonomia jornalística à Radiobrás, por que motivo não atuou no sentido de mudar o decreto que, ainda hoje, faz a empresa ser legalmente chapa-branca? Se o seu projeto era sincero, por que não propor mudanças legais que livrassem a estatal da influência de governos? Dizer que o decreto que rege as atividades da empresa ‘não é maravilhoso, mas melhorou’ é expressar conformismo com o status quo. É falar de mudanças, mas sem o desejo real de implementá-las.


Sobre os bilhetes e a reprimenda do presidente, eles suscitam em primeiro lugar uma pergunta: se representavam uma pressão inaceitável, como agora quer fazer crer Bucci, por que ele os aceitou? Por que não denunciou na hora, por que não se demitiu? Por que ficou ali até abril de 2007? Só encontro duas respostas: ou Bucci foi enquadrado, e por isso ficou, ou os bilhetes foram tentativas vãs de pressão e, por isso, não deveriam ter sido revelados por quem serviu o governo calado durante cerca de 1600 dias. Eu fico com a primeira hipótese.


O que os bilhetes revelam é uma guerra entre governismos, um mais chapa-branca do que o outro, mas todos chapa-branca. Aos olhos dos que acreditam num jornalismo livre, a Radiobrás continuou subserviente ao poder como sempre; aos olhos dos que têm alergia a jornalismo e sonham com medidas extremas (como censura prévia), o jornalismo dela, mesmo objetivamente subserviente, pode ter parecido ‘objetivo’ ou ‘de oposição’. Isso não quer dizer que tenha sido uma coisa ou outra.


A questão fica ainda mais clara quando Bucci discute as ‘Cartas Críticas’, uma análise diária sobre mídia que Bernardo Kucinski, então assessor de Lula, escrevia para o presidente. Bucci se indignou com duas referências negativas de Kucinski à Radiobrás. A primeira coisa a notar é que a reação de Bucci foi imediata: ele, que se diz um democrata, tratou de propor o afastamento de seu crítico do Conselho da Radiobrás logo depois da primeira crítica, uma atitude típica do discurso autoritário que ele diz denunciar.


A primeira manifestação de Kucinski foi em dezembro de 2004 e criticava a Radiobrás por não ter mandado ninguém ao Haiti cobrir o envio de novas tropas brasileiras àquele país: ‘Se não desenvolvermos e não disseminarmos a nossa visão dos fatos, perderemos a batalha da informação’. Bucci, em vez de se orgulhar de não ter posto a Radiobrás a serviço do governo, esforça-se no livro para provar que a crítica era injusta, afirmando: ‘[Kucinski] escondia de seus leitores a grande cobertura realizada por nós nos meses anteriores’.


Bucci teve a mesma reação quando, seis meses depois, Kucinski, em um relatório enviado ao chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, criticou a hierarquização das manchetes na página da Agência Brasil e propôs uma nova redação para elas, bastante governista, para destacar ‘quatro pautas positivas para o governo’. Bucci entendeu que ele acusava a Radiobrás de omissão e, no livro, mais uma vez se esmera para provar que não houve omissão alguma, a Radiobrás dera todas as notícias reclamadas por Kucinski!


Para provar o que diz, Bucci detalha todos os títulos. A leitura deles é constrangedora: ‘Ministro do trabalho toma posse prometendo lutar por salário mínimo’, ‘Lula diz que Marinho tem capacidade de negociar para defender os trabalhadores’, ‘Lula afirma que Berzoini volta à Câmara para ser um defensor do governo’, ‘Recuperação do salário mínimo é meta do novo ministro do Trabalho’, ‘Silas Rondeau descarta risco de apagão até 2009’, ‘Produção industrial cresce em todo o país’ e ‘Lula anuncia nova etapa da reforma ministerial.’


Esse é o jornalismo ‘apartidário e impessoal’ que Bucci diz ter praticado na Radiobrás. Na verdade, esses títulos demonstram o que eu quis dizer ao falar em guerra de governismos.


Crítico de mídia


Bucci, porém, se apega num ponto da crítica de Kucinski para provar o seu apartidarismo: o assessor de Lula reclamara também do título da nota ‘CGU: prejuízo dos Correios passa de R$ 54 milhões’. Para mostrar que Lula investigava a denúncia de corrupção, Kucinski preferia a palavra ‘Governo’ em vez de ‘CGU’, uma sigla que o povão não conhece. Trata-se, mais uma vez, de uma discussão semântica entre governistas, pois, nos dois títulos, a intenção é a mesma: mostrar que o governo agia. Bucci, feliz com a oportunidade que a crítica de Kucinski lhe dá, garante que a Agência Brasil cobriu, intensamente, tudo o que se referia às CPIs e às denúncias de corrupção. Mas, acrescenta, ‘sem se dobrar nem ao governismo, nem ao sensacionalismo’. Pelos títulos que citei anteriormente, dá exatamente para se ter uma noção do que, para ele, esse caminho do meio representava.


Não, a Radiobrás cumpriu sempre as suas atribuições de ‘divulgar as realizações do governo federal’, como ainda manda o decreto que rege suas atividades. Embora o propósito do livro seja provar o contrário, aqui e ali Bucci deixa os fatos à mostra. É chocante o relato que ele faz de 2006. Ele diz com todas as letras: ‘Nos cinco primeiros meses do ano eleitoral de 2006, o presidente Lula pôs o pé no avião e girou o país de um lado para o outro, dobrando o número de viagens em relação ao mesmo período do ano anterior: viajou 65 vezes, para 53 destinos diferentes, contra 32 vezes e 27 destinos nos cinco primeiros meses de 2005.’


Com atividade eleitoral tão frenética, Bucci conta que o dinheiro acabou, ficaram ‘lisos, sem um tostão’. O que fez Bucci? Esforçou-se pessoalmente, de maneira intensa, para liberação de mais recursos. No fim, conseguiu mais R$ 200 mil, dinheiro que ‘daria para mais um mês, se tanto.’ No livro, ele conta: ‘Assim foi: de gota em gota, de mês em mês, um sufoco em prestações.’ Novamente pergunto: é assim que deve agir alguém preocupado com uma gestão ‘apartidária e impessoal’? Jamais. O certo era esclarecer a quem de direito que atividades de presidente são atividades de presidente e que campanha eleitoral é campanha eleitoral. Uma coisa deve ser coberta pela Radiobrás, a outra, não.


Bucci não percebe isso ou finge não perceber? Eu creio que não percebe e atribuo o fato à sua falta de experiência na linha de frente do jornalismo. Ao longo de sua carreira, ele esteve sempre fora do que se convencionou chamar de hard news. Foi editor da Playboy, diretor de redação da Quatro Rodas, diretor de redação da Superinteressante, uma revista de curiosidades, e ocupou o cargo de secretário editorial da Editora Abril, mas sem influência alguma em Exame e Veja, principais veículos do grupo. Essa lacuna em sua biografia, aliada ao seu partidarismo, contaminou sempre a sua capacidade de análise nas vezes em que vestiu a camisa do crítico de mídia. No livro, ao analisar a si próprio, sofre do mesmo mal, mas em sentido contrário. Antes, onde havia bom jornalismo, via oposicionismo. Agora, onde há governismo, vê bom jornalismo.


História a limpo


Isso talvez explique confissões surpreendentes, como a que ele faz no capítulo sobre o Café com o presidente, um programa que ele mesmo admite não ser jornalismo, mas propaganda: ‘Quando o governo começou, dei um jeito de me meter nas conversas sobre o projeto de um programa de rádio do presidente Lula. Sabia que aquilo era comunicação de governo, que não figurava na lista de atribuições da Radiobrás, mas enxerguei ali uma oportunidade de nos credenciar aos olhos do presidente.’


Como é que é? Então o jornalista que passa o livro inteiro dizendo que seu objetivo era fazer jornalismo ‘apartidário e impessoal’ chama para si a tarefa de fazer propaganda para se ‘credenciar aos olhos do presidente’? Não, não era credenciar a Radiobrás, como ele quer fazer crer ao usar o ‘nos credenciar’. É credenciar Eugênio Bucci. Por que digo isso? Porque na página 19, ele deixa claro que usará sempre a primeira pessoa, explicando os motivos: ‘Usar o `nós´ para encobrir o `eu´ seria apenas um protocolo demagógico e desinformativo, mais que majestático.’ De acordo.


Na última parte do livro, como prova de que de fato fez um jornalismo ‘apartidário e impessoal’ à frente da Radiobrás, Bucci cita editoriais e comentários de vários jornalistas e de vários jornais, inclusive O Globo, em que é elogiado. Como isso se deu? No fim de 2006, Bernardo Kucinski, já fora do governo, escreveu um artigo à agência Carta Maior, repetindo as restrições que fazia à Radiobrás em suas ‘Cartas Críticas’. Em resposta, Bucci deu uma longa entrevista ao Estado de S.Paulo, pregando o apartidarismo da Radiobrás. A imprensa o apoiou, mas baseando-se menos no que ele fez e mais no que ele pregou.


Não, não tenho nada contra Eugênio Bucci na Radiobrás. Creio que ele fez ali o que seus antecessores fizeram. Mas não acho ético, não acho correto que alguém que tenha decidido servir a um governo, a um partido, e que tenha feito isso com esmero e dedicação, venha, tanto tempo depois, dourar sua biografia, passar a sua história a limpo, vendendo-se como vestal do jornalismo apartidário quando, na verdade, fez exatamente o que aqueles que o convidaram para o cargo queriam que ele fizesse.

******

Diretor executivo de jornalismo da Rede Globo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem