Terça-feira, 21 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

ARMAZéM LITERáRIO > ELEIÇÕES 2010

Seitas, partidos e penas para todo lado

Por Geraldinho Vieira em 23/02/2010 na edição 578

A disputa presidencial que já está nas ruas sinaliza tempos de intolerância à medida em que caminhamos para outubro. Há riscos de espíritos armados e baixo teor de caloria intelectual: o debate político ameaça deixar de ser ‘debate’ e ganha ares de guerra de torcida organizada em briga de galo.

Muita mesmice à venda na praça: multiplicam-se nas ruas, nos espaços do (e)leitor e também entre cronistas expressões catárticas de um fanatismo do tipo seita religiosa – ‘meu candidato faz mais milagre que o seu’, ‘o milagre que o seu santo fez, só foi possível graças à água benta produzida pelo meu’, ‘seu santo nunca foi santo e deixou isso aqui um inferno’…

Eleição à moda da casa: a ‘direita que não é direita’ disputa contra a ‘esquerda que não é esquerda’, enquanto veículos de comunicação tangenciam (se tanto) uma reflexão sobre o futuro que queremos. Muitos meios jornalísticos estão jogando para o mato os princípios básicos de uma imprensa plural para se tornaram eles também partidos. É legítimo e aconselhável que toda empresa de comunicação tenha e torne pública sua preferência política: para isso serve o editorial. Mais que isso e o meio vira o ‘jornal da candidatura de fulano’.

Gostam é de humilhar o adversário

Há um inegociável cenário de liberdade em nome da diversidade de expressões, claro; mas difícil tem sido encontrar o limite (e o equilíbrio) entre liberdade de imprensa e liberdade de empresa.

Uma lástima: depois de oito anos pra lá e oito anos pra cá, entre Lula e FH, bem que seria saudável existirem meios dispostos a um jornalismo de pluralizar debates, ampliar olhares, investigar tendências e vigiar todos os interesses. É por perseguir essa missão que a imprensa se tornou relevante para as sociedades contemporâneas. Por nada mais, por nada menos. Um pouco de exagero? Talvez, mas a imprensa brasileira parece-me plural apenas na somatória do que produzem todas as empresas de comunicação, sites e blogs (ou seja, vista como cenário, panorama).

Se observados individualmente, entretanto, muitos dos meios se mostram com cores bem próximas das partidárias – o lado que não é ouvido num meio é a única voz do outro. Mas não é a esta espécie de ‘pluralidade de cenário’ que se refere o manual do ofício. Por isso, viva as exceções!

Entretanto, (e)leitores não são apenas vítimas. Deveriam ser ao mesmo tempo consumidores exigentes e artífices de um melhor jornalismo, mas são, eles mesmos, quem diria, sensacionalistas: gostam da disputa de esporas, do cheiro de sangue das rinhas, das penas para todo lado. Quem adora a ditadura do pensamento único (o seu próprio), elege um jornalismo de pensamento único. Acostumados a fazer política como quem está torcendo, querem ganhar ainda que com gol de mão e na verdade gostam é de humilhar o adversário.

Somos co-responsáveis

Cidadãos de uma ainda muito jovem cidadania, irritam-se com a conversa democrática e partem logo pro pau, para a desqualificação do outro. Com meios mais abertos que nunca para debater, comentar e refletir, é impressionante ver como uma multidão de (e)leitores faz da liberdade participativa um exercício de reação nervosa e torna-se mais disposta a destruir do que a contribuir para a riqueza do debate. Basta navegar pela blogosfera para ver uma polarização de tendência de crescente agressividade, perspectiva nada iluminadora.

Democracia e hipocrisia: do jeito que as coisas caminham, a democracia brasileira corre o risco de virar um sarapatel de interpretações distorcidas e orgias de reflexões tendenciosas com doses cavalares de intolerância. Perde o Brasil, que fica pequeno quando os cidadãos e meios de comunicação que deveriam enriquecer a reflexão no espaço público tornam-se parecidos com os políticos. Santos de pau oco, políticos e partidos mereciam menos torcida cega e mais olhar crítico, todos eles!

Somos, todos, co-responsáveis pela qualidade da informação, do debate (não apenas quando está em jogo a disputa de poder, mas sempre e em torno de todos os temas da realidade). Na luta dos partidos, somos co-responsáveis pela prática política que patrocinamos. Depois não reclamem da política como ela é…

******

Jornalista

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem