Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1042
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Um golpe contra a qualidade e organização da categoria profissional

Por Thaís Leite em 23/06/2009 na edição 543

Finalmente, a novela terminou. Foi aprovada a não obrigatoriedade do diploma no curso de Jornalismo. Ou pelo menos é o que parece. O dia 17 de julho de 2009 é um dia que vai ficar marcado na história e na mente de alguns estudantes e profissionais de jornalismo, que ainda se preocupam em cumprir o seu dever de honrar, valorizar e dignificar sua profissão.

A notícia, com certeza, já havia se espalhado, mas fiquei sabendo através do Jornal Nacional da Rede Globo. A informação foi noticiada como um dos destaques, mas a reportagem só foi exibida no último bloco. Se considerarmos a questão de relevância das informações e o interesse público – sinto muito –, minha nota é zero para o telejornal, que preferiu supervalorizar uma notícia sobre Barack Obama matando uma mosca.

O que me deixa mais chateada é ter que concordar com o presidente Luís Inácio Lula da Silva, se referindo a outra reportagem, a de que ‘a imprensa deveria estar preocupada em não deixar que sua reputação fique desacreditada’. E já não está?

Essa decisão me deixou indignada, por isso parabenizo o ministro do STF Marco Aurélio Mello, um dos únicos que voltou contra a não obrigatoriedade do diploma.

Muita coisa ao mesmo tempo

Também vou aproveitar para louvar a atitude da mídia, em todos os lugares do mundo, jornalistas que de alguma forma contribuíram para que essa situação chegasse ao extremo. Meus parabéns a todos que agiram com falta de ética, tripudiaram em cima de dossiês e acordos com lobistas, priorizaram o sensacionalismo, a audiência barata e sobrepuseram qualquer interesse políticos ou econômico à atividade jornalística. Esses sejam diplomados.

Diante de tudo isso, e dos interesses que estão acima de qualquer motivo já banalizado, como ferir a liberdade de imprensa, numa coisa só tenho a concordar: o que falta é um jornalismo de caráter, de ética, palavras que são tão desvalorizadas pelo ser humano.

Estudantes e profissionais de jornalismo: acordem !!! Agora, se já não passou, agora é a hora de lutar para fazer a diferença.

Sem generalizar, aplaudo aqueles que conseguiram enxergar a tempo que temos uma responsabilidade muito grande. E ficam algumas questões: será que algum dia existirá finalmente um jornalismo com o compromisso com a verdade e sem interesses? Como podemos mudar essa realidade? Será que qualquer pessoa estará preparada para repassar informações? Dúvidas e mais dúvidas.

Sinto muito, ministro Gilmar Mendes, jornalismo não é só arte e literatura. Para aqueles que levam a sério, é responsabilidade, é agir com ética, é chegar o mais próximo da verdade, é uma forma de conhecimento, é muita coisa ao mesmo tempo e hoje é mais uma atividade de incertezas.

******

Estudante de Jornalismo do 2° ano, Londrina, PR

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem