Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1051
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Um jornalista brasileiro na China

24/04/2007 na edição 430

[do release da editora]

‘De cara, deixemos de lado o papo zen. A primeira coisa que o viajante observa quando chega à China é o superlativo absoluto. Tudo é grandioso’, escreve o jornalista Gilberto Scofield Jr. nas primeiras páginas deste livro-reportagem. Em mais de 50 capítulos, que abordam cultura pop, economia, política, drogas, medicina, culinária, estética, entre outros assuntos, o autor, correspondente de O Globo em Pequim, desde 2004, relata suas impressões e experiências durante as andanças pelas províncias de um país que fica literalmente do outro lado do planeta.

Um brasileiro na China inaugura a série ‘O Globo Livros’ em parceria com a Ediouro. O objetivo é reunir textos e imagens de profissionais do jornal O Globo, que dividem com o leitor experiências e histórias acumuladas no dia-a-dia da busca de notícias. Uma iniciativa que contribui para levar o universo do jornal a leitores de todo o Brasil.

O livro é um mosaico curioso e surpreendente de uma cultura complexa que se transforma em proporções colossais. A clareza jornalística do autor atrai para o livro não apenas os que já sabem algo sobre a China, mas também os que estão fazendo sua iniciação em um país de cinco mil anos de história. Com a elegância típica dos cronistas e o agudo senso de humor que os caracteriza, Gilberto traça um amplo painel de uma nação que se agiganta no Oriente e redimensiona a idéia de contrastes: de um liberalismo crescente quando o tema é economia e de um autoritarismo absoluto quando o assunto muda para política ou direitos individuais.

Séculos de forte hierarquia confuciana e décadas de tirania comunista deixaram sua marca na China. Pessoas que oscilam entre os valores morais da década de 1950 (‘Mulher divorciada? Gay na família? Discutir sexo em casa? Que horror!’) e questionamentos sobre sexo na adolescência, hipervalorização do consumo, da aparência e da celebridade.

O ontem e o hoje na China se fundem num presente multifacetado: chuppies – ou yuppies chineses – desfilam de carros importados e jovens se candidatam a populares concursos de miss. E as filas ? São uma abstração em Pequim. – ‘Furar fila é uma instituição nacional que não provoca nem a indignação de quem está na frente, nem a esperada repreensão de quem vende o bilhete’. E se o assunto é quantidade, a China vem se preparando para as Olimpíadas com um orçamento de mais de US$ 34,6 milhões e fala-se numa receita de US$ 600 milhões com a venda de produtos licenciados (não incluídos os piratas). Há 3.240 canais de TV e 137 milhões de internautas – ‘Controlar a internet é como segurar água, mas a censura é feroz’, registra o autor.

História, comportamento, o mood chinês e os temas mais variados revelam neste livro a complexidade de um país de 9,6 milhões quadrados que concilia a herança comunista com a nova realidade do mercado capitalista. Um brasileiro na China é um retrato impressionante apoiado em sólido trabalho de pesquisa. É o olhar de um jornalista estrangeiro e, como ele mesmo acrescenta: ‘Obviamente pessoal, ainda que viciadamente acostumado a ouvir o outro lado da moeda.’

O autor

Gilberto Scofield Jr. nasceu no Rio de Janeiro em 1965. É correspondente do jornal O Globo em Pequim, além de colaborador do canal de notícias Globonews e autor do blog ‘No Oriente – diários de um ocidental no coração da Ásia’, hospedado no website Globo Online. Formou-se em Comunicação Social em 1986 pela Universidade Gama Filho, onde também cursou Economia. Escreveu para o Jornal do Commércio, Jornal do Brasil, O Estado de São Paulo, revistas Exame e Época e para o IG Finance.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem