Domingo, 08 de Dezembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1066
Menu

ARMAZéM LITERáRIO >

Um mercado de discursos

26/06/2007 na edição 439

[do release da editora]

Os nove artigos que compõem a presente coletânea apresentam os resultados de pesquisas desenvolvidas no âmbito de acordo Capes/Cofecub, centrados na investigação de gêneros e formatos televisuais. Têm assim, em comum, não apenas o objeto empírico de estudo – os processos comunicativos televisuais –, como as tentativas de definição desses dois conceitos, tão caros a quem se interessa por esse tipo de produção midiática.

A televisão é um mercado de discursos. Deve ser considerada e examinada, antes de tudo pela sua capacidade de gerar mundos, realidades cujo caráter é discursivo. Acredita-se na existência de uma relação estreita entre essas realidades discursivas e os gêneros televisuais. A seleção do(s) plano(s) de realidade sobre o(s) qual(is) se vai operar, aliada ao regime de crença proposto e ao tom, isto é, às inflexões conferidas à realidade a ser enunciada – seriedade, humor, ironia etc. – seriam os elementos definidores da promessa de que fala Jost, veiculada pelo nome de gênero. Assim, os traços categoriais de gênero proporiam um certo tipo de relação com o mundo, colocando à disposição do telespectador um plano de realidade e modo de ser, mobilizadores de crenças e saberes e condicionadores das expectativas e do prazer dos telespectadores. Os subgêneros e formatos seriam, então, responsáveis pelos percursos de configuração dessas realidades, pelos procedimentos de colocação em discurso desses mundos, projetando sobre as categorias genéricas formas que as estruturariam, permitindo sua manifestação.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem