Domingo, 18 de Novembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1013
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Jornalista detido compara Caracas a ditadura

Por Sylvia Colombo em 16/10/2012 na edição 716

O jornalista argentino Jorge Lanata e sua equipe foram detidos anteontem [8/10] no aeroporto de Caracas ao retornarem da cobertura das eleições na Venezuela. “Retiveram nossos passaportes, apagaram gravações e os contatos dos nossos celulares. Não é muito diferente o que está acontecendo lá com o que aconteceu na Argentina durante a ditadura”, disse Lanata, uma das principais vozes críticas da imprensa argentina e desafeto de Cristina Kirchner, aliada de Hugo Chávez.

O jornalista acusou o embaixador argentino, Carlos Cheppi, de conivência com o governo chavista e de não ter prestado ajuda ao grupo. Cheppi declarou que a ação dos oficiais venezuelanos foi um trâmite rotineiro.

Lanata comanda hoje o principal programa que se opõe ao kirchnerismo. Periodismo para Todos vai ao ar nas noites de domingo por um canal aberto do grupo Clarín (opositor ao governo) e é uma mistura de show humorístico com jornalismo, com reportagens sobre denúncias de corrupção e imitações da presidente e outros políticos.

Leia, abaixo, os principais trechos da entrevista que Lanata concedeu à Folha em sua casa, em Buenos Aires.

“São feudos, governados por famílias”

Há semelhanças entre o que ocorre na Venezuela e na Argentina hoje?

Jorge Lanata – Lá a situação é muito pior e Chávez é um militar. Aqui há a sociedade crítica e menos ações de expropriações. Mas as diferenças param aí. A relação com a imprensa é muito parecida. Tanto lá como aqui o governo define os jornalistas como agentes de perturbação social. Também vejo semelhança no modo como se encara a democracia. Nos dois países está uma ideia de revolução, de governo fundacional. Nesse contexto, muitas coisas parecem lógicas, como controlar o dólar, restringir as viagens, calar a imprensa opositora. Além disso, Cristina pode não ser militar, mas seu discurso é militarizado, fala-se de soldados, bandos, sociedade dividida. Isso gera um clima de violência social.

Você tem viajado muito para as províncias do interior e mostrado os casos de corrupção regional. Como vê a Argentina a partir dessas viagens?

J.L. – Para o interior do país, não houve evolução na história da democracia, o país está igual a 1983. São feudos, governados por famílias, com estados paralelos, onde a política tem pouca força. No programa que fizemos sobre Jujuy, pode-se ver isso. A agrupação Tupac Amaru, ligada ao governo, confiscou nosso equipamento e nos intimidou, cercando o edifício em que estávamos aos gritos: “Nós somos bons, nós somos bons.”

“Com fanatismo, não há lugar para o humor”

Seu programa hoje é a principal arma do Clarínpara enfrentar o governo. Como vê a perspectiva do 7-D (7 de dezembro, data em que, segundo a Ley de Mediosaprovada em 2009, o grupo terá de abrir mão de um de seus canais)?

J.L. – O governo está falando tanto no 7-D como um ultimato que algo terá de acontecer. Não acho impossível que entrem com a polícia no canal. Cristina quer recuperar a mística do kirchnerismo, que vem sendo perdida desde o início do ano por conta da economia, do escândalo de corrupção do vice-presidente, do acidente de trem do Once. De certa forma, ela conseguiu um pouco disso com a nacionalização da YPF, que teve ampla aceitação. Mas agora não é mais assim e a Lei de Meios é sua próxima aposta.

Como o kirchnerismo está impactando o jornalismo argentino?

J.L. – Está transformando nossa profissão em questão de fé. Já não importa se um fato é verdade ou não, mas sim, quem o disse e por que. Isso é um absurdo, assim se negam coisas evidentes, como o fato de Amado Boudou (o vice) estar envolvido num esquema de corrupção e de Cristina Kirchner ter enriquecido 800% em oito anos. Se digo isso, sou golpista, mas está em sua própria declaração de renda.

Seu programa é um show político nos moldes do que fez nos anos 90, misturando humor com jornalismo. O que mudou de lá pra cá?

J.L. – Nos anos Menem (1989-1999), eu fui muito duro com o governo, tanto no Pagina12 (jornal que fundou) como na televisão. A diferença é que Menem tinha senso de humor e ria do que transmitíamos. Esse grupo não tem isso e é mais fanático. Com fanatismo, não há lugar para o humor.

***

[Sylvia Colombo, da Folha de S.Paulo, em Buenos Aires]

***

Argentina minimiza detenção de repórter do Clarín

Reproduzido do Estado de S.Paulo, 10/10/2012

O embaixador da Argentina em Caracas, Carlos Cheppi, deu uma nova versão para a prisão do jornalista Jorge Lanata, no aeroporto de Maiquetía, na segunda-feira. Segundo o diplomata, o repórter foi só retido em uma operação de rotina da polícia venezuelana. Lanata relatou que foi interrogado pelos agentes do governo do presidente Hugo Chávez, sob a acusação de ser um “espião”. O Serviço de Inteligência, que também deteve toda a equipe de produção e cinegrafistas do jornalista, copiou e apagou o conteúdo dos vídeos gravados por Lanata na Venezuela e dos computadores e tablets da equipe.

Durante sua estadia, o jornalista havia revelado em seu programa que a polícia venezuelana tinha ordens de vigiá-lo. Ao desembarcar ontem em Buenos Aires, Lanata afirmou que conteúdo de seu computador foi copiado pelo serviço de inteligência e na sequência apagado do laptop. Ele foi liberado uma hora e meia depois.

Lanata, que nos anos 80 fundou o Página 12, comanda desde o início deste ano o programa Jornalismo para todos, transmitido pelo Canal Trece, do Grupo Clarín. O programa, com ironia, disseca os casos de corrupção do governo argentino e seus aliados, fato que o transformou em inimigo da presidente Cristina Kirchner.

“Cheppi é mais embaixador de Chávez”

Cheppi – homem de confiança dos Kirchners desde os anos 90 – disse que sua fonte era o próprio Ministério do Interior da Venezuela. Segundo o embaixador, os integrantes da equipe de Lanata teriam “provocado” as forças de segurança venezuelanas, exibindo uma pasta. Os policiais venezuelanos teriam retido Lanata para saber o conteúdo.

“O fato de que o embaixador argentino não nos defenda é uma vergonha”, declarou Lanata ao desembarcar ontem no aeroporto de Ezeiza em Buenos Aires. “Cheppi é mais embaixador de Chávez do que dos argentinos”, lamentou o jornalista.

Claudio Paolillo, do Comitê Executivo da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), disse ontem ao Estado que o governo Kirchner, ao relativizar a detenção de Lanata, “deixa claro que considera esse tipo de coisa como algo normal, já que é sócio político do líder bolivariano”.

***

[Ariel Palacios, correspondente em Buenos Aires do O Estado de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem