Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Planalto altera perfil de jornalistas na Wikipédia

Por Paulo Celso Pereira em 12/08/2014 na edição 811

A rede de internet do Palácio do Planalto foi usada para fazer alterações nos perfis dos jornalistas Míriam Leitão, colunista do GLOBO, e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo, na Wikipédia, com o objetivo de criticá-los. O IP 200.181.15.10, da Presidência da República, foi usado na enciclopédia colaborativa virtual para fazer alterações em maio do ano passado. O IP é uma espécie de identidade digital que permite saber de onde partiram as modificações. No entanto, apenas os administradores da rede do Planalto têm como saber exatamente qual equipamento do local foi usado.

As mudanças ocorreram em uma sexta e uma segunda-feira, dias 10 e 13 de maio. A primeira alteração no perfil de Míriam Leitão, feita dia 10, às 16h43m, foi para qualificar análises suas como “desastrosas”. Três dias depois, às 18h32m, a rede da Presidência voltou a ser usada para incluir trechos contra a jornalista, desta vez associando-a ao banqueiro Daniel Dantas: “Míriam Leitão fez a mais corajosa e apaixonada defesa de Daniel Dantas, ex-banqueiro condenado por corrupção entre outros crimes contra o patrimônio público. A forma como Míriam Leitão se envolveu na defesa de Dantas chamou a atenção de Carlos Alberto Sardenberg, seu companheiro na CBN, para quem a jornalista estava diferente naqueles dias. Para Míriam Leitão, apesar do vídeo que flagrava o suborno a um delegado da Polícia Federal, a prisão de Dantas não se justificava, posto que se tratava de coisas do passado”. Confira infográfico com detalhes das mudanças.

Por fim, às 18h50m, o mesmo IP fez uma última alteração no perfil da jornalista:

 “Um dos maiores erros de previsão ocorreu durante a Crise Financeira Internacional. Em 29/06/2009, Míriam Leitão escreveu o seguinte sobre a previsão de crescimento do Ministro Guido Mantega de 4,5% do PIB de 2010: ‘Ele fez uma afirmação de que em 2010 o Brasil está preparado para crescer 4,5%. É temerário dizer isso’. Contrariando o pessimismo de Míriam Leitão, o Brasil cresceu 7,5% naquele ano”.

Procurada pela reportagem, Míriam mostrou-se surpresa com o uso da estrutura do Palácio e desmentiu as acusações:

– É mentira que eu tenha defendido Daniel Dantas. Acho que é espantoso que um órgão público, ainda mais o Palácio do Planalto, use recursos e funcionários públicos para fazer esse tipo de ataque a jornalistas, quando deveria estar dedicado às questões de Estado.

‘É imoral, é antiético’

Com Carlos Alberto Sardenberg, a disposição foi semelhante. No dia 10, às 12h51m, quatro horas antes das alterações no perfil de Míriam, o IP do Planalto começou a fazer mudanças no perfil do jornalista. O texto anteriormente publicado já dizia que o âncora da CBN e da Rede Globo era um forte crítico das políticas econômicas de Lula e Dilma, então o equipamento no Planalto adicionou: “… principalmente em relação aos cortes de juros promovidos nesses governos. É irmão de Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban, instituição que tem grande interesse na manutenção de juros altos no Brasil, uma medida geralmente defendida também por Carlos Alberto Sardenberg em suas colunas. Já cometeu erros notáveis em suas previsões, como afirmar que ‘(…)a economia mundial segue em marcha de sólido crescimento. Sólido porque não é nenhuma bolha financeira (…)’ um ano antes de estourar a crise mundial de 2008”.

Três dias depois, às 14h31m, o IP do Planalto foi então usado para criticá-lo explicitamente: “A relação familiar denota um conflito de interesse em sua posição como colunista econômico”.

Procurado, Sardenberg reagiu:

– Minhas opiniões são sempre muito claras. A política do Banco Central tem sido muito errática e sem uma lógica, tanto é que fizeram uma redução de juros forte e, depois, tiveram que subir, então, é óbvio que está errado. É evidente que minha posição é claramente crítica a esse governo. Esse é um debate de ideias, agora dizer que, porque meu irmão trabalha na Febraban, sou lacaio dos bancos é uma canalhice, uma baixaria. É imoral, é antiético, porque você coloca no perfil uma ilação. Usando um equipamento do governo, se faz uma ilação que não pode ser feita – afirmou.

Ao longo dos três anos e meio do governo Dilma, o IP da Presidência foi usado para realizar cerca de 170 alterações na Wikipédia. Muitas modificaram verbetes relativos a órgãos ligados à Presidência e de ministros e ex-ministros como Moreira Franco, Antonio Palocci, Thomas Traumann, Ideli Salvatti e Alexandre Padilha, além do assessor especial da presidente, Marco Aurélio Garcia, e do vice-presidente, Michel Temer.

O Palácio do Planalto afirmou que “o número do protocolo de internet (IP) citado pela reportagem é o endereço geral do servidor da rede sem fio do Palácio do Planalto. Isso significa que qualquer pessoa que utilizou essa rede via internet móvel terá como endereço de saída este número geral de IP. Por isso, não é possível apontar com segurança a identidade de quem alterou os textos citados pela reportagem a partir deste número de IP em maio de 2013”.

***

Janot diz que MP deve apurar denúncia sobre alteração de perfil de jornalistas no Wikipédia

André de Souza e Isabel Braga # reproduzido do Globo.com, 8/8/2014

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse nesta sexta-feira [8/8] que não cabe a ele atuar em eventual investigação sobre o uso da rede de internet do Palácio do Planalto para fazer alterações nos perfis de dois jornalistas na Wikipedia. Os perfis de Miriam Leitão, colunista do GLOBO, e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo, foram mudados com o objetivo de criticá-los. Segundo Janot, isso deverá ser analisado pela Procuradoria da República no Distrito Federal.

– O fato não desperta atuação direta do procurador-geral da República. Então o fato deverá ser apreciado pelos colegas da Procuradoria da República no Distrito Federal. E deve ser enfrentado também no âmbito disciplinar próprio da previsão do serviço público – afirmou Janot.

O procurador-geral evitou avaliar a gravidade dos fatos:

– Fica difícil fazer uma avaliação sem conhecer os fatos. Emitir um juízo de valor agora seria leviano. O Ministério Público não fala o que vai fazer, mas se pronuncia sobre fato concreto.

Líderes da oposição irão cobrar explicações do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República sobre denúncia. O IP 200.181.15.10 da Presidência foi usado para fazer alterações nos textos em maio do ano passado com o objetivo de criticá-los. A oposição criticou o uso de IP da Presidência para esse tipo de medida.

– Não conseguiram, de maneira institucional, controlar o conteúdo da mídia e agora partem para atitudes criminosas na busca de descredenciar conceituados e acreditados jornalistas da imprensa nacional. E a gravidade é tamanha, que o Palácio do Planalto lava as mãos, dizendo que é impossível localizar os responsáveis. Uma omissão condenável e que mostra que a presidente Dilma (Rousseff) perdeu o controle sobre seus subordinados que estão agindo partidariamente – afirmou o líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy (BA).

O líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE) disse que apresentará requerimento de informações, na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Casa, pedindo ao Gabinete de Segurança Institucional que investigue e informe de onde foram feitas as alterações:

– É a sanha intervencionista e manipuladora do PT, os aparelhos petistas dentro do próprio Planalto. Nem a instituição Presidência da República fica à salvo. Se o Gabinete de Segurança Institucional não descobrir, mostra o nível de despreparo e de incompetência. O Gabinete é responsável por informações relacionadas à Presidência e não pode ser instrumento para acobertar esse tipo de ato condenável.

O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR), endossa as críticas a esse tipo de procedimento.

– Quando a gente observa esse tipo de denúncia, entende o porquê da pressão do PT pelo controle da mídia. Se tratam dessa forma a informação na internet, quando o controle da mídia vier será censura a toda prova. A Miriam é uma comentarista muito equilibrada, tem artigos favoráveis ao governo. E o Planalto, manda fazer a coisa, sabem como fazer e tentam apagar o rastro. É um ato condenável sob todos os aspectos. Uma estrutura funcional tem que ter seus limites. O Palácio do Planalto não pode ter computadores e ferramentas à disposição de militantes do PT. É mais um exemplo do aparelhamento do Estado pelo PT. Vamos pedir informações e explicações – disse Rubens Bueno.

Uma das alterações no perfil de Miriam Leitão, associou a colunista ao banqueiro Daniel Dantas, afirmando que ela teria feito “a mais corajosa e apaixonada defesa de Dantas”, ex-banqueiro condenado por corrupção, entre outros crimes. No caso de Carlos Alberto Sardenberg, o texto dizia que o âncora da CBN e da Rede Globo era um forte crítico das políticas econômicas de Lula e Dilma. Também foram incluídos comentários para atacar o jornalista pelo fato de ele ser irmão do diretor Federação Brasileira dos Brancos (Febraban), Rubens Sardenberg. “A relação familiar denota um conflito de interesse em sua posição como colunista econômico”, publicaram na enciclopédia colaborativa virtual.

***

Planalto diz que vai investigar mudança de perfis de jornalistas na Wikipédia

Luiza Damé # reproduzido do Globo.com, 8/8/2014

A Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) condenou, nesta sexta-feira, o uso de equipamento do Palácio do Planalto para modificar os perfis do Wikipédia dos jornalistas Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg. Matéria publica pelo GLOBO mostra que os perfis dos dois jornalistas foram alterados a partir da rede de internet do Planalto. Também nesta sexta-feira, o ministro ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou, em um evento na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que as alterações nos perfis são ‘abomináveis’.A Secretaria Geral da Presidência, responsável pela gestão do Planalto, informou que “será instalado no âmbito da Secretaria de Administração o procedimento apuratório adequado”. O prazo de apuração é de 60 dias, mas não há garantia de que o responsável será identificado.

– O IP do Planalto é usado por muita gente, mas vamos fazer uma investigação para localizar de qual máquina partiu essa bobagem. Esse tipo de ação é abominável. Faremos de tudo para punir duramente. Isso não é aceitável em uma democracia – disse Gilberto Carvalho.

Ele negou a participação do governo no episódio:

– Temos agora que localizar a responsabilidade e lamentar este episódio. Nossa rede de wi-fi é usada por muita gente, em reuniões. Fomos surpreendidos e jamais apoiaríamos uma situação dessas. É nefasta e reprovável.

Apesar da investigação, mais cedo, em nota, a Secom disse ser “tecnicamente impossível identificar os responsáveis pelas modificações nos perfis dos jornalistas”.

Segundo a Secom, “a liberdade de expressão na internet é um direito de todos. Mas é absolutamente condenável a utilização de equipamentos públicos com o intuito de atacar a imagem de qualquer cidadão”.

Diz a Secom, depois de consulta à Secretaria de Administração da Presidência, que não é possível identificar os responsáveis, porque “os conteúdos da rede de internet de computadores do Palácio do Planalto, até julho deste ano, eram arquivados por no máximo seis meses”, e as mudanças nos perfis foram feitas em maio de 2013.

A nota diz ainda ser possível acessar a rede do Planalto por wifi. “Ou seja, qualquer pessoa, mesmo que estivesse em visita ao Palácio do Planalto, poderia, em tese, ter realizado as alterações”, afirma a nota. Porém o acesso à rede do Planalto é precedido de alterações no equipamento e de senha.

Leia a íntegra da nota do Planalto, divulgada mais cedo:

“É lamentável que o endereço IP do Palácio do Planalto tenha sido usado para modificar os perfis do Wikipédia dos jornalistas Míriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg.

A liberdade de expressão na internet é um direito de todos. Mas é absolutamente condenável a utilização de equipamentos públicos com o intuito de atacar a imagem de qualquer cidadão.

Após consulta à Secretaria de Administração da Presidência, constatou-se que é tecnicamente impossível identificar os responsáveis pelas modificações nos perfis dos jornalistas. Isso porque os conteúdos da rede de internet de computadores do Palácio do Planalto, até julho deste ano, eram arquivados por no máximo seis meses. As alterações nos perfis dos jornalistas, citadas pela reportagem de O Globo, foram feitas em maio de 2013. Diante disso, não é possível identificar as máquinas utilizadas para estas alterações.

Informamos que, desde julho deste ano, um novo software foi instalado e triplicou a memória do servidor do Palácio do Planalto, o que permite arquivar por mais tempo todas as operações dos mais de 3,7 mil computadores vinculados à Presidência.

Outro dado técnico que dificulta a identificação de quem fez as modificações na Wikipédia é o fato de elas terem sido realizadas por um número de rede de internet do Palácio que também funciona para a rede wifi. Ou seja, qualquer pessoa, mesmo que estivesse em visita ao Palácio do Planalto, poderia, em tese, ter realizado as alterações.

Ressaltamos que este governo sempre se pautou por uma relação respeitosa com a imprensa. A liberdade de imprensa é um dos pilares da nossa democracia.”

***

Perfil de Míriam Leitão sofre nova alteração de computador do governo

Danilo Motta # reproduzido do Globo.com, 9/8/2014

O verbete de Wikipédia da jornalista Míriam Leitão, colunista do GLOBO, sofreu nova alteração a partir de um computador do governo ontem. Desta vez, a sigla “LOL”, que na internet conota risos e zombarias – laugh out loud, em inglês –, foi inserida antes do título do livro “Convém sonhar” na lista de obras escritas pela jornalista. A mudança foi feita a partir de um computador da rede do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), conforme divulgou o perfil @brwikiedits no Twitter, que monitora alterações feitas na Wikipédia a partir de Senado, STF, Câmara, Serpro, Procuradoria Geral da República, Dataprev, Petrobras, Banco Central, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. De acordo com a Wikipédia, o IP – identidade digital que permite saber de onde saíram as publicações – que realizou a alteração foi o de número 189.9.20.51.

O Serpro informou que não divulga o órgão público que utiliza um de seus IPs. Segundo a assessoria, sua divulgação seria caracterizada como quebra de confidencialidade, uma vez que o artigo 8º da Lei 5.615/1970 obriga servidores da empresa a “guardar sigilo quanto aos elementos manipulados”.

Míriam, que já havia tido seu perfil modificado a partir de um computador do Palácio do Planalto, se disse indignada com a situação:

– Fico muito indignada, como cidadã que lutou pela democracia, de ver o aparato público sendo usado para atacar quem quer que seja.

O @brwikiedits, que divulga no Twitter quando um verbete na Wikipédia é alterado por um computador do governo, não está sozinho na empreitada. O @parliamentedits, por exemplo, presta serviço semelhante, entregando as vezes em que um computador do Parlamento inglês faz alguma modificação. O mesmo faz o @congressedits, mas com o Congresso americano.

Foi este que serviu de inspiração para o desenvolvedor Pedro Felipe Melo Menezes, de 18 anos, que criou a versão brasileira do serviço no início de agosto. Morador de Natal, ele explica que buscou o registro dos provedores do governo e, a partir daí, encontrou os IPs. Sempre que há uma alteração, é seu robô que publica no Twitter.

– O programa em si já existia, e seu código de programação é livre. Só precisei adaptar com os IPs brasileiros. Sou da área de TI, mas gosto muito de acompanhar a política – conta o estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal do Rio Grande do Norte.

Segundo Menezes, todos os órgãos federais já são monitorados pela ferramenta.

***

Dilma abre investigação para apurar alterações de perfis de jornalistas na Wikipédia

Julianna Granjeia e Cristiane Jungblut # reproduzido do Globo.com, 9/8/2014

A presidente Dilma Rousseff pediu a órgãos da Casa Civil e de outros três ministérios para investigar o envolvimento do Palácio do Planalto nas alterações feitas nos perfis dos jornalistas Míriam Leitão, colunista do GLOBO, e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo, na Wikipédia, com o objetivo de criticá-los. Reportagem publicada pelo GLOBO revelou que o IP 200.181.15.10, da Presidência da República, foi usado na enciclopédia colaborativa virtual para fazer alterações em maio do ano passado.

Durante caminhada em Osasco acompanhada do candidato petista Alexandre Padilha ao governo de São Paulo, a presidente repudiou a ação e informou que foram acionados para investigar o caso o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, o Ministério da Justiça, a Secretaria Geral da Presidência e a Controladora Geral da União.

– A minha opinião é que isso é absolutamente inadmissível por parte do Planalto e do Governo Federal ou por parte de qualquer governo. Repudio integralmente esse tipo de ação, como fiz diante de todos os vazamentos. Nesse caso específico, é algo que se alguém quiser fazer individualmente que faça. Mas não coloque o governo no meio – disse Dilma, considerando ser possível descobrir o responsável pelas alterações nos perfis dos jornalistas.

PF participará da comissão

A Casa Civil divulgou nota oficial informando a “constituição da comissão de sindicância”. Segundo a Casa Civil, a investigação será feita por quatro órgãos: Casa Civil/Instituto Nacional de Tecnologia da Informação; Ministério da Justiça/Polícia Federal; Controladoria Geral da União (CGU) e Secretaria Geral da Presidência.

Segundo assessores da Casa Civil, a presidente Dilma fez a determinação em conversa com o ministro da Pasta, Aloizio Mercadante. Pela legislação, esse tipo de sindicância tem prazo de 60 dias. “A presidente Dilma Rousseff determinou à Casa Civil a constituição imediata de comissão de sindicância para apurar a utilização de computadores do Palácio do Planalto para alterações no Wikipédia”, diz a nota.

******

Paulo Celso Pereira, André de Souza, Isabel Braga, Luiza Damé, Danilo Motta, Julianna Granjeia e Cristiane Jungblut, do Globo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem