Sábado, 21 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

CADERNO DA CIDADANIA > ECOS DO TERROR

A hipocrisia das elites

Por Wellington Fontes Menezes em 13/01/2015 na edição 833

Em meio à comoção do atentado à redação da revista francesa Charlie Hebdo, uma manifestação histórica estimada, com números mais otimistas, em quase quatro milhões de pessoas contra o fantasma criado pelas próprias elites europeias e estadunidense, a “islamofobia”, ocorreu neste domingo, 11 de janeiro, em Paris e outras cidades francesas.

É bom recordarmos que partidos de centro-direita com ares fascistas, sob a forma de uma onda conservadora reacionária, vêm inflamando o ódio nas ruas nos últimos anos, no submundo do pseudojornalismo e nas redes sociais, contra tudo que seja não-europeu. Hostilizaram povos, religiões e nações em meio a uma gravíssima crise econômica engendrada a partir do final da primeira década do século. Não existe mistério quando há dilemas entre a fabricação de pão ou canhões e, por sua vez, a escassez de recursos para ambos. A prática política vem de mãos dadas com a economia imediata. Portanto, com a rarefação da pujança econômica, os governos europeus deixaram de lado os constrangimentos eleitorais e partiram para adoções de políticas neoliberais diluindo o welfare state europeu, a política de bem-estar social tocada pelo modelo da socialdemocracia (levando em conta as pressões dos partidos de esquerda e sindicatos organizados de diferentes categorias de trabalhadores).

O coro dos abutres ecoou, vicejando o pragmatismo e o sentido umbilical do autointeresse que tomou conta do imaginário popular europeu após a desconstrução dos tempos de sonho do welfare state. O momento foi capitaneado pelos partidos mais extremos do espectro político, canalizando a insatisfação popular e, do outro lado, as esquerdas progressistas cada vez mais imóveis e fragmentadas (muitas vezes, chafurdadas em antros de corrupção e descrédito eleitoral). Neste sentido, os próprios eleitores franceses conduziram ao poder o partido de extrema-direita, o famigerado fascista Frente Nacional, de Jean-Marie Le Pen e sua filha Marine, igualmente fascista, com considerável número de cadeiras no Parlamento francês. Como uma espécie de catalizador visceral de insatisfação imediatista e narcísica, a cada eleição a Frente Nacional vem se consolidado como grupo político de forte adesão dentro da sociedade francesa.

Abraços hipócritas

Soluções mágicas e imediatistas são especialidade de grupos de extrema-direita e fascistas para ludibriar partes de uma multidão desconcertada e pontualmente sedenta para achar “culpados” pela própria derrocada material. Na crise, nada melhor que culpar o “outro”, ou seja, nada tão simplório e catastrófico. Nada é tão inocente ao ponto de fazer crer que tudo é obra do acaso e do “grande mal” que tais grupos de irracionalidade fascista tentam personificar na religião do Islamismo em meio a mais uma crise sistêmica da maquinaria capitalista mundial.

Hoje, as mesmas elites que fomentaram guerras, xenofobias e insanidades que redundaram na capitalização de jovens nativos europeus com tendências perversas e destrutivas por parte de facções terroristas, têm a cara-de-pau de ficar abraçadinhos em praça pública em meio à desgraça acometida com a morte dos jornalistas e cartunistas da revista Charlie Hebdo. Vale ressaltar que os ataques partiram de dentro do seio social francês, cujos membros executores do atentado a revista foram cooptados na liturgia insana do terror niilista e a falta de horizonte perceptível dentro da própria sociedade francesa.

Diante da crise, a Europa ficou “pequena” para sustentar todo o custo social do lamaçal que se meteu adotando, cada vez mais, medidas desestruturantes neoliberais. A hipocrisia é a rainha da mentira e da falsidade. O grupo político que sustenta a União Europeia goza de uma avassaladora hipocrisia que apenas tenderá a aumentar a dispersão dos ódios e recalques racistas e xenófobos na França, e por extensão, toda a Europa. Se existem grupos e células terroristas espalhadas pelo mundo, é necessário ressaltar a responsabilidade das grandes potências que foram (e continua sendo) direta ou indiretamente responsáveis por suas criações, manutenções e dispersões pelo globo. De forma circense, hoje em Paris, estas mesmas lideranças se abraçam perante os holofotes midiáticos e fingem que não sabem de nada e que nada é de suas responsabilidades.

Jogo senil

A tática do “quanto pior” e a “judeufobia” foi praticado pelo grupo liderado por Hitler no seu partido nazista entre os anos 1920 e 1930, quando em 1933, assume o poder de fato na Alemanha e, posteriormente, deflagrou a continuação mais sanguinária da Primeira Grande Guerra. Apostar no medo e na irracionalidade social é o passaporte assegurado para a barbárie que tanto a Europa provou seu trágico odor. Histórias macabras como o atentado a Charlie Hebdo estará longe de terminar e apenas colocam mais pólvora no barril armado pela crise estrutural no coração do histórico capitalismo mundial, o Velho Continente, e cujo mote, atualmente, é a falsa armadilha do apocalipse hollywoodiano entre Ocidente e Oriente.

Neste jogo idealista senil entre Ocidente contra Orienta, é mais uma arma que reacionários da extrema-direita e fascistas querem usar e estão ansiosos para recolocarem o mundo em mais uma insana corrida armamentista e banho de sangue gratuito contra as populações mais frágeis. A História não é cíclica, mas é recheada de fatos e circunstâncias similares com resultados catastróficos.

******

Wellington Fontes Menezes é mestre em Ciências Sociais e professor

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem