Quarta-feira, 18 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

CADERNO DA CIDADANIA > ECOS DO TERROR

Nada justifica atacar a liberdade de expressão

Por ‘OG’ em 13/01/2015 na edição 833
Editorial reproduzido do Globo, 9/1/2015; intertítulo do OI

O inominável assassinato de alguns dos melhores cartunistas franceses, na redação do jornal Charlie Hebdo, quarta-feira, em Paris, por uma dupla de terroristas islâmicos nascidos na própria França, entrou com destaque na sangrenta crônica de desatinos cometidos em nome do sectarismo religioso. Desta vez, tendo como alvo evidente a liberdade de expressão e de imprensa, algo muito caro a qualquer democracia, regime enraizado na França, país em que há mais de dois séculos foram lançadas as bases da República moderna.

O choque do atentado uniu franceses e deflagrou uma corrente de solidariedade pelo mundo expressa nos dizeres “Je suis Charlie”, “Eu sou Charlie”, estampados em cartazes e faixas difundidas pela internet, em várias línguas, a partir de incontáveis cidades, Rio entre elas.

Deve-se aproveitar a comoção para reflexões mais amplas e profundas sobre a gravidade e a natureza da tragédia francesa, e como ela afeta todas as sociedades, sempre dependentes da liberdade para funcionar de maneira saudável.

Cabe repetir: não se pode relativizar assassinatos, nada justifica o ataque ao jornal de humor. Nem mesmo, e muito menos, o seu teor satírico e anárquico.

O britânico Salman Rushdie, de origem indiana, sofreu longa perseguição dos xiitas devido ao seu livro Versos satânicos, condenado pelo aiatolá iraniano Khomeini, autor de uma sentença de morte contra o escritor. Ao se solidarizar com o jornal francês, Salman destacou a sátira como “uma força contra a tirania”. Qualquer que seja ela, gostemos ou não. A sátira está na essência do humor, a qual, como todo instrumento de expressão, não pode ter barreiras numa sociedade de fato livre. Salvo os limites previstos em lei, a título de reparo a quem se sinta atingido e decida recorrer à Justiça – sempre a posteriori.

Significado do crime

Justificar, de forma mais tênue que seja, ataques às liberdades de expressão em geral e de imprensa em particular é enveredar por caminhos em cuja ponta final está a tragédia do Charlie Hebdo.

Se na França a barbárie se sustentou na defesa de um deus – numa visão sectária, portanto doentia –, em regime autoritários latino-americanos a justificativa da censura e perseguição de profissionais é o combate à “miséria”, a redenção do “povo”.

É o que faz o chavismo bolivarianista, algoz das liberdades de expressão e imprensa. Outro símbolo desse desvio é o russo Vladimir Putin, de alma czarista, destruidor de instituições e liberdades, para alegadamente defender a Rússia de imaginários “nazistas”. Há sempre um “inimigo externo” à disposição para justificar a ação violenta de déspotas contra adversários em geral e a imprensa profissional em específico.

O choque do assassinato dos cartunistas se atenuará. Mas não pode ser esquecido o amplo significado do crime para a democracia, regime sob ameaças de diversos tipos.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem