Segunda-feira, 23 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº963

CADERNO DA CIDADANIA > PROFISSÃO PERIGO

129 jornalistas sofreram de violência no país em 2014

Por ‘OG’ em 27/01/2015 na edição 835
Reproduzido do Globo.com, 22/1/2015; título original: “Relatório aponta que 129 jornalistas sofreram algum tipo de violência no país no ano passado”

Um relatório da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), divulgado nesta quinta-feira [22/1], aponta que 129 jornalistas sofreram algum tipo de violência no Brasil em 2014. Segundo o documento, foram três assassinatos, um caso a mais do que os registrados em 2013. De acordo com o portal G1 e a TV Globo, o relatório mostra que a maioria das mortes foi registrada no estado do Rio, com dois casos.

Entre os casos está o do repórter cinematográfico Santiago Andrade, da TV Bandeirantes, morto após ser atingido por um explosivo, durante uma manifestação no Centro do Rio. Os dois réus, Caio Silva de Souza e Fábio Raposo vão a júri popular. O julgamento ainda não tem data marcada.

A outra morte ocorreu em Miguel Pereira, município no centro-sul do estado. Em fevereiro do ano passado, Pedro Palma, dono e único repórter do jornal Panorama Regional foi assassinado com três tiros, na porta de sua casa. Ele fazia denúncias de corrupção, contra políticos do sul fluminense.

A mulher do jornalista, Patrícia Palma, acompanhou a divulgação do relatório, na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no Centro do Rio. Ela cobrou justiça. “Vai fazer um ano, ele tá virando uma estatística. Então o que é que vai colaborar daqui pra frente para toda a categoria? Ele foi assassinado na porta da minha casa e eu não ter resposta nenhuma? Então, a gente tá lutando é por justiça”, disse Patrícia, em entrevista à TV Globo.

O relatório revela ainda que houve uma queda de 30% no número de agressões contra os profissionais de imprensa no ano passado. Em 2013, foram 181 casos contra os 124 registrados no ano passado.

Os dados mostram que a Região Sudeste concentrou mais da metade das agressões. A grande maioria dos casos ocorreu nos protestos nas ruas. São Paulo e Rio de Janeiro foram os estados que mais tiveram jornalistas feridos. Segundo o relatório, a maior parte da violência partiu de policiais. Em seguida, dos manifestantes, políticos e assessores.

Para o presidente da Fenaj, Celso Augusto Schroder, as agressões que vitimam os jornalistas devem ser cobradas: “Isto é um primeiro passo que nós temos que fazer. Identificar efetivamente, fazer processos eficientes, e cobrar que os processos judiciais apurem. Por isso uma federalização de investigação seria importante, ou seja, nos locais que isso não for feito, seja qual for a razão, seria importante que pudéssemos estimular um setor nacional, federal que pudesse concluir essas investigações.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem