Terça-feira, 26 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº959

CADERNO DA CIDADANIA > CULTURA BRASILEIRA

A bruxa celebra o folclore em Finados

Por Rafael Motta em 31/10/2005 na edição 273

– Por favor, gostaria de autorização pra fazer umas imagens no Cemitério do Paquetá.

– É matéria pro Halloween?

– Não, é por causa do Dia de Finados…

O curto diálogo foi travado na quinta-feira (27/10) entre a produtora do telejornal do qual sou repórter e um integrante da assessoria de imprensa da Prefeitura de Santos (SP).

No cemitério do Paquetá, o mais antigo da cidade, estão os restos mortais de pessoas destacadas em seu tempo, como o governador paulista Mário Covas (1930-2001, santista), o médico e poeta Martins Fontes (1884-1937, também da terra) e o pintor Benedicto Calixto (1853-1927, nascido em Itanhaém, na Baixada Santista). A matéria não teria a visitação a seus túmulos como enfoque. Entretanto, a curiosidade motivada pelo pedido para filmagem (‘É matéria pro Halloween?’) é de causar desgosto.

Nada de sentimentos antiamericanos. A mídia colaborou, sim, para transformar 31 de outubro, o Dia das Bruxas, em acontecimento. Até nas escolas particulares e públicas. Na mesma quinta em que se ouviu a indagação do(a) assessor(a), um dos títulos principais da página na Prefeitura de Santos na internet era ‘FSS [Fundo Social de Solidariedade] promove Halloween para crianças do Caruara’ – bairro da Área Continental próximo à vizinha Bertioga, cercado por parte do que resta de Mata Atlântica no estado de São Paulo e onde mais provavelmente se acharia o Saci-Pererê ou o Curupira do que uma bruxa numa vassoura ou um esfaimado vampiro. Ah, o que havia para comer na festa? Cachorro-quente (‘hot dog’)…

Tem razão o assessor

O artigo 221 da Constituição Federal expressa que ‘A produção e a programação das emissoras de rádio e televisão atenderão aos seguintes princípios: (I) preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; (II) promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação: (III) regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei (…)’.

Ainda há aldeias na Baixada Santista. Só se mencionam os nativos ali residentes quando alguém se lembra de que o poder público mal os vê ou, como numa rara e recente ocasião, mantêm reféns funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai). Jamais ouvi falar neles entre 1985 e 1996, época em que estudei da pré-escola ao antigo segundo grau. E nenhum jornal lhes deu destaque, nem à sua cultura, que me marcassem a infância e a juventude.

As mídias local e nacional, que quase exaltam o 31 de outubro, praticamente sepultaram o 22 de agosto, o Dia do Folclore. Esse conjunto de usos e costumes nacionais não é tão celebrado com festa como há uma ou duas décadas. Antes dele, as festas juninas, tão desanimadas nos dias de agora, a ponto de ‘quadrilha’ ter virado coisa de bandido.

Sem querer, parece ter razão o(a) jornalista da assessoria de imprensa da Prefeitura: cemitério é coisa de ‘Halloween’. E o folclore brasileiro deveria ser lembrado em 2 de novembro – Dia de Finados.

******

Repórter do jornal Diário do Litoral, de Santos (SP), e do telejornal Band Cidade, na TV Bandeirantes

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem