A culpada é a vítima | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1000
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > CASO UNIBAN

A culpada é a vítima

08/11/2009 na edição 562

Quando parecia que as mulheres vítimas de violência não seriam mais tratadas como culpadas – como ocorreu quando Doca Street matou a socialite Ângela Diniz – acontece o caso de Geisy Arruda, a estudante da Uniban, em São Paulo. A universitária foi expulsa da escola porque ‘buscou chamar atenção para si por conta de gestos e modos de se expressar, o que resultou numa ação coletiva de defesa do ambiente escolar’, conforme expresso no comunicado da Uniban com o título ‘A educação se faz com atitude e não com complacência’, publicado nos jornais paulistas no domingo (8/11) [ver abaixo a íntegra do comunicado e a nota da União Nacional dos Estudantes sobre o episódio].


Os agressores – apenas seis estudantes e um funcionário foram identificados (embora mais de 600 tenham participado do tumulto) – foram suspensos temporariamente. Eles, ao contrário da moça, não foram acusados de ‘flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade’, ainda segundo o comunicado oficial.


No seu manifesto, a Uniban condena a moça e acaba encontrando mais um culpado. Quem? A mídia:




‘A Uniban reafirma seu compromisso com a responsabilidade social e a promoção dos valores que regem uma instituição de ensino superior, expressando sua posição de apoio aos seus 60 mil alunos injustamente aviltados. Nesse sentido, cabe aqui registrar o estranhamento da Uniban diante do comportamento da mídia, que, uma vez mais, perde a oportunidade de contribuir para um debate sério e equilibrado sobre temas fundamentais como ética, juventude e universidade’.


Pauta urgente


A mídia pode ser culpada por ter demorado a divulgar a história ou de perder a oportunidade de fazer uma longa matéria com esses estudantes que se transformaram numa turba disposta a massacrar a moça só porque ela usava um vestido curto. Mas, neste caso, a imprensa fez sua parte: divulgou a história, ouviu a vítima e, depois da decisão da Uniban, divulgou a repercussão do fato com educadores e entidades de defesa da mulher, que foram unânimes em condenar a atitude da universidade.


A Folha de S.Paulo ouviu também alguns universitários. Dos nove jovens entrevistados, só dois foram a favor da decisão de expulsar a moça, argumentado:




‘Há locais e locais onde a gente pode usar certas roupas. Então, acho que a expulsão se justifica. A menina abusou.’ (Vestibulanda de 25 anos)


‘É radical, mas tem que expulsar mesmo. Aquilo não é roupa para ir à aula. É um ambiente de respeito.’ (Vestibulanda de 23 anos).


Se os favoráveis à expulsão são em pequeno número, ainda assim merecem um estudo. Afinal, os agressores da moça na escola também eram minoria. O que esse episódio revela é o sintoma de alguma doença da sociedade que merece ser estudado. O que está acontecendo com os jovens para que eles se sintam tão agredidos pela colega que usa roupas curtas ou ‘provocantes’, na opinião escola? Por que, ao se sentirem ‘ofendidos’, esses mesmos jovens partem para uma atitude agressiva? Por que uma instituição universitária condena a vítima e premia os agressores com uma suspensão temporária?


Dizer que a agressão a uma jovem que usa roupas curtas é ‘defesa do ambiente escolar’ abre um precedente perigosíssimo. Se a roupa curta incomoda a alguns, as preferências sexuais incomodam a outros, assim como a cor da pele ou a obesidade podem ser considerados inconvenientes – como mostra a matéria ‘A vida muito acima da média’ (Veja nº 2138, de 11/11/2009).


O que a mídia precisa discutir, e com urgência, é o que este episódio tem de mais revelador – a volta da intolerância. Intolerância que abre caminho para comportamentos agressivos, censura, autoritarismo e todas as suas consequências.


***


Nota da Uniban


A educação se faz com atitude e não complacência


A Universidade Bandeirante – UNIBAN BRASIL – dirige-se ao público e, especialmente, à sua comunidade acadêmica para divulgar o resultado da sindicância no campus de São Bernardo do Campo sobre o episódio ocorrido no dia 22 de outubro, fartamente exibido na internet e divulgado pelos veículos de comunicação.


A sindicância consoante com o Regimento Interno nos termos do artigo 216, parágrafo 5, e do artigo 207, da Constituição Federal, colheu depoimentos de alunos e alunas, professores, funcionários e da estudante envolvida, além de analisar vídeos e imagens divulgadas.


Os fatos:


Foi apurado que a aluna tem frequentado as dependências da unidade em trajes inadequados, indicando uma postura incompatível com o ambiente da universidade, e, apesar de alertada, não modificou seu comportamento.


A sindicância apurou que, no dia da ocorrência dos fatos, a aluna fez um percurso maior que o habitual aumentando sua exposição e ensejando, de forma, explícita, os apelos dos alunos que se manifestavam em relação à sua postura, chegando, inclusive, a posar para fotos.


Novamente, a aluna optou por um percurso maior ao se dirigir ao toalete, o que alimentou a curiosidade e o interesse de mais alunos e alunas, tendo início, então, uma aglomeração em frente ao local.


Depoimentos de colegas indicam que, no interior do toalete feminino, a aluna se negou a complementar sua vestimenta para desfazer o clima que havia criado.


Foi constatado que a atitude provocativa da aluna, no dia 22 de outubro, buscou chamar a atenção para si por conta de gestos e modos de se expressar, o que resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar.


Em seu depoimento perante a comissão, a aluna demonstrou um comportamento instável, que oscilava entre a euforia e o desinteresse, e estava acompanhada de dois advogados e uma estagiária vinculados a uma rede de televisão.


Decisão do Conselho Superior da Universidade:


Diante de todos os fatos apurados pela comissão de sindicância, o Conselho Superior, amparado pelo relatório apresentado e nos termos do Regimento Interno, decidiu, com base no Capítulo IV – Regime Disciplinar, artigos 215 e seguintes:


1 – Desligar a aluna Geisy Villa Nova Arruda do quadro discente da Instituição, em razão do flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade;


2 – Suspender das atividades acadêmicas, temporariamente, os alunos envolvidos devidamente identificados no incidente ocorrido no dia 22 de outubro.


A UNIBAN reafirma o seu compromisso com a responsabilidade social e a promoção dos valores que regem uma instituição de ensino superior, expressando sua posição de apoio aos seus 60 mil alunos injustamente aviltados. Nesse sentido, cabe aqui registrar o estranhamento da UNIBAN diante do comportamento da mídia que, uma vez mais, perde a oportunidade de contribuir para um debate sério e equilibrado sobre temas fundamentais como ética, juventude e universidade.


Para tanto, convida seus alunos e alunas, professores, funcionários, a comunidade e a mídia para um ciclo de seminários sobre cidadania em data a ser oportunamente informada.


Universidade Bandeirante – UNIBAN BRASIL


***


Nota da União Nacional dos Estudantes (UNE)


Episódio de violência sexista acaba em mais uma demonstração de machismo


No dia 22 de outubro, o Brasil assistiu cenas de selvageria. Uma estudante de turismo da Universidade Bandeirante (São Paulo) foi vítima de um dos crimes mais combatidos na sociedade, a violência sexista, que é aquela cometida contra as mulheres pelo fato de serem tratadas como objetos, sob uma relação de poder desigual na qual estão subordinadas aos homens. Nesse episódio, a estudante foi perseguida e agredida pelos colegas, hipoteticamente pelo tamanho de vestido que usava, e só pôde deixar o campus escoltada pela polícia. Alguns dos alunos que a insultaram gritavam que queriam estuprá-la. Desde quando há justificativa para o estupro ou toleramos esse tipo de violência?


Pasmem, essa história absurda teve um desfecho ainda mais esdrúxulo. A Universidade, espaço de diálogo onde deveriam ser construídas relações sociais livres de opressões e preconceitos, termina por reproduzir lamentavelmente as contradições da sociedade, dando sinais de que vive na era das cavernas.


Além de não punir os estudantes envolvidos na violência sexista, responsabiliza a aluna pelo crime cometido contra ela e a expulsa da universidade de forma arbitrária, como se dissessem que, para manter a ordem, as mulheres devem continuar no lugar que estão, secundárias à história e marginalizadas do espaço do conhecimento.


É naturalizado, fruto de uma construção cultural, e não biológica, que os homens não podem controlar seus instintos sexuais e as mulheres devem se resguardar em roupas que não ponham seus corpos à mostra. Os homens podem até andar sem camisa, mas as mulheres devem seguir regras de conduta e comportamento ideais, a partir de um padrão estético que a condiciona a viver sob as rédeas da sociedade, que por sua vez é controlada pelos homens.


Esse desfecho, somado às diversas abordagens destorcidas do fato na mídia, demonstram a situação de opressão que todas nós, mulheres, vivemos em nosso cotidiano. Situação em que mulheres e tudo o que está relacionado a elas são desvalorizados e depreciados. A mulher é vista como uma mercadoria – ora utilizada para vender algum produto, ora tolhida de autonomia e direitos, ora violentada, estigmatizada e depreciada. É essa concepção que acaba por produzir e reproduzir o machismo, violência e sexismo, próprios do patriarcado. Tal concepção permitiu o desrespeito a estudante.


Nós, mulheres estudantes brasileiras, em contraposição a essa situação, estamos constantemente em luta até que todas as mulheres sejam livres do machismo, da violência, do desrespeito e da opressão que nos cerca.


Repudiamos o ato de violência dos alunos contra a estudante de turismo, repudiamos a reação da mídia que insiste em mistificar o fato e não colocar a violência de cunho sexista no centro do debate e denunciamos a atitude da universidade de punir a estudante ao invés daqueles que provocaram tal situação.


Exigimos que a matrícula da estudante seja mantida, que a Universidade se retrate publicamente e que todos os agressores sejam julgados e condenados não somente pela instituição, a Uniban, mas também pela Justiça brasileira.


Somos Mulheres e Não Mercadoria!


Diretoria de Mulheres da UNE – União Nacional dos Estudantes


Leia também


Esses jovens merecem um estudo – Ligia Martins de Almeida

******

Jornalista

Todos os comentários

  1. Comentou em 09/11/2009 Antonio Carlos Pinheiro

    Longe de mim ser moralista. Todavia, a parcialidade da imprensa, e a falta de representatividade (11 pessoas num universo de 600) dos pesquisados, me leva a questionar a condenação à instituição. Estive num clube público de Brasília (água mineral) há alguns meses e presenciei cena semelhante: uma moça decidiu fazer ‘top less’ no que foi logo seguida por dezenas de rapazes alvoroçados e loucos para lev-a´la para o matagal próximo… A reportagem da Record leva a entender isto, uma colega da turma da garota em questão afirmou que ela provocava pelos gestos e olhares. Vejo diariamente em lugares públicos mulheres com menos roupas do que a estudante expulsa num clima de normalidade, mas vá elas se masturabem ou mesmo se tocarem insinuosamente com olhares chamativos… a resposta da rapaziada certamente será mesma.

  2. Comentou em 09/11/2009 Antonio Carlos Pinheiro

    Longe de mim ser moralista. Todavia, a parcialidade da imprensa, e a falta de representatividade (11 pessoas num universo de 600) dos pesquisados, me leva a questionar a condenação à instituição. Estive num clube público de Brasília (água mineral) há alguns meses e presenciei cena semelhante: uma moça decidiu fazer ‘top less’ no que foi logo seguida por dezenas de rapazes alvoroçados e loucos para lev-a´la para o matagal próximo… A reportagem da Record leva a entender isto, uma colega da turma da garota em questão afirmou que ela provocava pelos gestos e olhares. Vejo diariamente em lugares públicos mulheres com menos roupas do que a estudante expulsa num clima de normalidade, mas vá elas se masturabem ou mesmo se tocarem insinuosamente com olhares chamativos… a resposta da rapaziada certamente será mesma.

  3. Comentou em 09/11/2009 Carlos N Mendes

    Sábia é minha avó. Ela costuma a dizer ‘quanto mais se mexe em porcaria, mais fede’. A direção da UNIBan, em vez de procurar o ‘low profile’, fez o inverso, e voltou-se contra a parte mais fraca da questão – o que triplicou a ferocidade e a quantidade de críticas. Passarinho que está na pior não pia. Agora, aguenta…

  4. Comentou em 09/11/2009 Jose Albino

    O grupo que se manisfestou agredindo verbalmente e ameaçando a estudante, não reflete o perfil de comportamento de um cidadão universitário. Aquilo não é um grupo de universitários. Aquilo é um grupo de indivíduos que comprou ( sabe-se lá como) o direito freqüentar uma faculdade, a qual deveria ter um compromisso com a sociedade de formar novos cidadãos com pensamento voltado à tolerância, ao vanguardismo de pensamentos e costumes, à universalidade de idéias, ao respeito, enfim, a tudo o que a universalidade de pensamento e idéias significa. Aquele ambiente, no qual ocorreram as agressões, me parece apenas um reduto de pessoas interessadas em adquirir um título de curso superior e se divertir em meio ao ambiente pseudo-universitário. Aquilo foi um retrocesso. Retrocesso aliás que vem se refletindo na atual geração de jovens, com o aumento inexplicável do pensamento reacionário entre estes. No mundo todo,constata-se o crescente reagir negativo às manifestações mais humanitárias com relação aos povos e costumes. Hoje reage-se sem o menor pudor contra qualquer pensamento progressista, de forma conservadora. Tornou-se comum ser conservador e retrógrado, pois a sociedade parece tolerar e apoiar mais este tipo de cidado que os progressistas e modernos. É um retrato da sociedade atual, infelizmente. Do final dos anos 80 para cá, não por coincidência, a humanidade comporta-se assim.

  5. Comentou em 14/05/2008 Flaviana Damasceno Alves

    Estou fazendo um trabalho e preciso conhecer o perfil de Vannildo Mendes, jornalista do Estadão. Vocês podem me ajuda?
    É URGENTE.

  6. Comentou em 14/05/2008 Flaviana Damasceno Alves

    Estou fazendo um trabalho e preciso conhecer o perfil de Vannildo Mendes, jornalista do Estadão. Vocês podem me ajuda?
    É URGENTE.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem