Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº962

CADERNO DA CIDADANIA > MÍDIA E TECNOLOGIA

A informação e a filtragem, tempos assimétricos (II)

Por Ivo Lucchesi em 28/08/2007 na edição 448

Com o propósito de desdobrar aspectos intrínsecos ao tema central em torno do binômio tecnologia / educação, cuja prefiguração inicial remete ao artigo publicado na edição anterior do OI, seguem ponderações de quem, há quase quatro décadas, lida, diariamente com o encargo de tentar estender ao próximo o conhecimento. Para tanto, não caberia, no espaço de um artigo, recorrer a observações críticas de reconhecidos pesquisadores do porte de Derrick Kerckhove, Fredric Jameson ou Pierre Bourdieu, entre outros, com o intuito de alicerçar fundamentos com os quais procuraria convencer eventuais leitores para as idéias aqui expostas.

A parceria entre tecnologia audiovisual e educação, que aos olhos tecnocráticos de políticas governamentais e setores privados inseridos no sistema educacional se apresenta como dadivosa e apetitosa fórmula, precisa de substancial contra-discurso, antes que o mal irreversível tome conta, em nome da fórmula tentadora a associar a maximização de lucros e a minimização de custos. No tocante aos irresistíveis apelos que, em nome da redução de custos, a tecnologia se possa tornar agente protagonizador do processo transmissor do conhecimento, por meio do novo modelo de ‘educação à distância’ (mantenho o acento grave que a maioria retira), contra o paradigma tradicional do que, atualmente, nomeiam de ‘educação presencial’, se faz necessário apontar alguns fatores complicadores, fato em relação ao qual a mídia não parece disposta a tematizar.

Lógica perversa

Em princípio, fique claro que nada há contrário à utilização de recursos como televisão, vídeo, DVDs, computador, ‘videoconferência’, e outros suportes. Uma coisa é reconhecer o que a tecnologia audiovisual oferece como soma e outra é constatar a ameaça do mesmo benefício que se converte em subtração. É esse ponto atinente a subtrações que a mídia não parece tentada a abordar. Há razões para esse silêncio um tanto cúmplice. Afinal, a mídia (tanto impressa quanto eletrônica) é beneficiária dos novos suportes tecnológicos da informação. Assim, fica a suposição de que tal benefício se estende, em igual medida, para o sistema educacional, o que é, absolutamente, um equívoco.

Mesmo no campo da mídia, já se observam deformações preocupantes. Enquanto, outrora, os principais jornais investiam em correspondentes internacionais que, por missão, elaboravam coberturas in loco, agora se limitam a consultas via internet, o que amplia o risco de deformações, ao mesmo tempo em que julgam ganhar em velocidade e economia de gastos. A mesma lógica perversa que vem deformando a nobre atividade jornalística é aquela que, em tempos próximos, desvirtuará a eficácia do que chamam de ‘educação presencial’, em favor da adoção da ‘educação à distância’. Vejamos se, por via econômica de argumentação, podemos elucidar o problema em questão.

Abastardamento irreversível

O melhor caminho para alguém perceber diferenças que repercutam em âmbito subjetivo é aquele que se calca na ‘experiência’. Deste modo, sugiro que alguém assista a uma peça de teatro e, tempos depois, reviva a ‘experiência’, revendo a mesma peça pelo aparelho de TV, com as polegadas máximas disponíveis. Se efetivamente concluir que não há perdas consideráveis, nada restará para o exercício da argumentação. A conclusão será simples: o avaliador não entende nada de teatro. O avaliador não compreende nada do que seja linguagem de TV.

A lógica a reger a ‘educação à distância’ é a mesma que tenta convencer o cinéfilo de que o filme exibido no cinema é o mesmo daquele quando uma emissora de TV exibe. Bem, se chegamos a esse ponto de avaliação, então não há mais espaço residual para o construtivo exercício de um diálogo no qual a inteligência seja o vetor principal. Apenas ficará exposto o profundo abismo comunicacional entre alguém que nada entende de cinema (ou de teatro) e outro que se contenta com a radicalização da ‘cultura do simulacro’. Em predominando o segundo, a civilização caminhará celeremente para o abastardamento irreversível. Que lástima!

******

Ensaísta, doutor em Teoria Literária pela UFRJ, professor titular do curso de Comunicação das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha, Rio de Janeiro)

Todos os comentários

  1. Comentou em 28/04/2010 Márcio Luís Viviani da Cunha Cunha

    Será que o problema é só na Igreja Católica?

    1) Polícia prende pastor acusado de pedofilia no Paraná
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u125607.shtml

    2) Pastor confessa ter abusado de crianças de sua igreja em Franca
    http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/brasil/2311501-2312000/2311718/2311718_1.xml

    3) Pastor que engravidou menina diz que assume filho
    http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI918079-EI5030,00.html

    4) Polícia prende pastor suspeito de abusar de oito meninos em PE
    http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u118272.shtml

    5) Evangélico é preso acusado de estuprar 12 crianças
    http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI714233-EI5030,00.html

    6) Evangélico é preso em flagrante por abuso sexual. A vítima é a filha, de cinco anos
    http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/odia/2024001-2024500/2024348/2024348_1.xml

    7) pastor é preso acusado de estuprar adolescente
    http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI546547-EI306,00.html

    8) Preso pastor que prometia alívio em troca de sexo
    http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI546557-EI5030,00.html

    9) menina estuprada por Pastor dá entrevista
    http://br.groups.yahoo.com/group/oencostohp/message/21

    10) Pastor é preso por estuprar menina de 14 anos
    http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI542671-EI306,00.html

    11) Pastor é preso em MG

  2. Comentou em 29/08/2007 Ricardo Camargo

    Após o texto concernente à filtragem da partidarização e do rótulo (sei que estou sendo pleonástico) na semana passada, vem este sobre a própria conversão do conhecimento em mero artigo de consumo, com a susbtituição pela ingestão pura e simples de informação dos exercícios de reflexão sobre os dados trazidos à percepção. A própria agilidade de obtenção de informações que a INTERNET permite, em si, não é um mall – e isto foi salientado no texto -, mas pode-se ter certeza que o é a fuga aos livros, dado que não deixa de ser um exercício quase braçal o rastreamento de informações em meio físico. E, por outro lado, já pude observar que no modelo ainda adotado, em que a relação Professor-aluno é uma relação de autoridade – independentemente disto ser bom ou ruim, em si mesmo -, a presença do Professor infunde muito mais compromisso com a matéria do que o curso à distância. Minha única experiência como docente em curso não-presencial foi infrutífera: volta e meia, vinha a saber que ao curso, que fora organizado por Professores da UNISINOS, aportavam alunos interessados e, diante disto, costumava eu postar textos para debate. Em vão! O caminho, pelo que se vê, é este mesmo que se está desenhando, tragicamente, no comentário do Prof. Lucchesi:: o debate reduzido a achismos sobre conhecimento em pílulas, porque não se tem tempo a perder com a reflexão. Estarei certo no que percebo?

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem