Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº969

CADERNO DA CIDADANIA > EDUCAÇÃO & VIOLÊNCIA

A TV anda ensinando o quê?

Por Deonísio da Silva em 26/09/2011 na edição 661

Os brasileiros vivem um grande dilema na educação. De algum modo todos educamos uns aos outros, mas pais, professores e profissionais da mídia de maneira muito especial influenciam mais na formação do semelhante.

Por motivos óbvios, a televisão, assim como o rádio e o cinema, não seria o que hoje é, não fosse a Segunda Guerra Mundial. Ainda durante aquele conflito, e muito mais depois, o Brasil recebeu enxurrada de investimentos norte-americanos e com eles veio o modo de viver dominante nos EUA. Nelson Rockfeller cunhou expressão memorável: onde entrarem nossos filmes, entrarão também nossos produtos. E foi o que aconteceu, não apenas com os filmes.

Naturalmente, também a Europa, com exceção do Leste, foi invadida de outros modos pelos EUA. Mas se a Europa tinha defesas contra esta outra invasão e o Brasil, não.

Exemplificando. Uma pessoa bem formada assiste a um desses enlatados da televisão, hoje digitalizados, e percebe que a solução para os conflitos apresentados é sempre o braço armado. É raro que haja outro tipo de desfecho. Depois é que entram o Direito, o fórum, os promotores, os advogados, os juízes, a cadeia, a punição. Mais raro ainda é um tratamento preventivo.

Editores desatentos

Em encontros com juízes em nossa universidade perguntamos a eles por que absolvem ou condenam, como fazem isso e por que agem do modo como agem. Eles precisam da sociedade e nós deles, para prevenir, para educar, de tal modo que a punição seja, não o primeiro, mas o último recurso.

O cidadão bem educado é capaz de discernir que muitas vezes a TV está entortando o modo de viver, mas os indefesos, não. Para eles, a TV é a única escola que têm. E o que aprendem? Que o bandido, faça o que faça, ganha espaço na mídia. Mas para aquele que escreve um livro, grava um cedê, faz um filme, destaca-se na música, na pintura, no teatro ou em outras manifestações artísticas, o espaço dedicado é um cantinho na mídia, quando ela se digna a dar esse cantinho, porque em geral não dá nada ou dá pouco.

E poucos se queixam disso. E por quê? Porque somos poucos os que damos atenção a isso. Sai um livro ou uma publicação importante em qualquer área, quem fica sabendo, quem dá atenção? Poucos. Somos poucos.

Faz tempo que os tiros deixaram a TV e agora se multiplicam, não mais no espaço imaginário da telinha, mas na rua, na escola, dentro de casa, e com a velha roupagem que ali vestira: a solução para os conflitos passou a ter o braço armado como ferramenta quase exclusiva ou pelo menos dominante.

Toda semana sabemos de mais uma tragédia. Em todo o Brasil, proliferam os exemplos tomados, consciente ou inconscientemente, das lições ministradas pela televisão. Todo mundo vê TV. É preciso levar em conta, sem censura, o que ela anda ensinando, talvez sem que seus editores percebam ou sem que levem em conta a situação daqueles aos quais se dirige.

O cenário inteiro

Em resumo, outra vez a solução passa por uma educação diferente, não mais exclusiva da escola, onde os alunos, aliás, passam muito pouco tempo.

Talvez sem querer, muitos programas de televisão ensinam e proclamam que é melhor ser jogador badaleiro, prostituta disfarçada e o que se entende vagamente por celebridade, sem esquecer que político corrupto é também uma boa escolha, pela quase absoluta falta de punição, do que ser um profissional qualificado e pessoa de bem.

Vejamos o que se paga a uns, o que se paga a outros, a atenção que a mídia dá a uns e outros – e temos o quadro completo.

***

[Deonísio da Silva é escritor, doutor em Letras pela Universidade de São Paulo, professor e um dos vice-reitores da Universidade Estácio de Sá, do Rio de Janeiro; autor de A Placenta e o Caixão, Avante, Soldados: Para Trás e Contos Reunidos (Editora LeYa)]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem