Terça-feira, 23 de Abril de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1034
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

A dialética das ruas

Por Alberto Dines em 22/06/2013 na edição 751

Tudo previsto, roteirizado. Script e cronograma infalíveis, o capítulo corria célere, o projeto era sólido: desmanchou em horas. Ninguém contava com o efeito deletério das repetições, da rotina, da fadiga, muito menos com a hipótese de impaciência e contrariedade do distinto público com os sucessivos sapos que continuamente era obrigado a engolir. Acostumados à dramaturgia simplificada das telenovelas e apoiados nos mesmos paradigmas de aferição de opiniões, imaginava-se que a fórmula era imbatível: Dilma Rousseff seria reeleita no primeiro turno.

Uma grande dose de arrogância combinada a um incrível teor de subserviência e amadorismo contagiou estrategistas e operadores, protagonistas e coadjuvantes, aliados e oportunistas. Imantada pela polarização, a oposição clonou instintivamente os movimentos do adversário. Resultado: poder e contrapoder foram varridos pela dialética das ruas.

Esta mesma dialética empurrou em poucos dias um impressionante movimento que se orgulhava do pedigree anarquista e libertário para o beco sem-saída da truculência antipartidária. Todos os nossos partidos são caricaturas políticas, sem exceção, mas representam legitimamente o pluralismo democrático que uma sociedade infantilizada, clerical e elitista foi capaz de construir nos últimos 25 anos.

A tentativa de expulsar os partidos das ruas não é apenas ridícula, contém uma forte conotação fascistóide. Remete à Itália, lembra o palhaço-facínora Benito Mussolini na sua marcha sobre Roma, lembra o seu êmulo contemporâneo, o palhaço-palhaço Beppe Grillo, do Movimento Cinco Estrelas contra políticos e política.

Tudo mudou

Os atos de violência contra equipamentos de diferentes redes de TV não são acidentais. Fortalecidos pelas mídias digitais, alguns militantes imaginam-se senhores das ruas esquecidos de que seu universo é virtual – no mundo real as verdades devem ser questionadas e as reivindicações, argumentadas. Apenas com tuítes e palavras de ordem não se constrói um país.

Além da prepotência palaciana, o trauma que vivemos resulta de uma enorme inépcia expressa tanto na incapacidade para prever o tsunami com no torpor da reação aos seus efeitos iniciais. Uma perplexidade estendida ao longo de cinco dias – da segunda (17/6) até a sexta (21) – perde seu caráter reflexivo para confundir-se com catatonia pura e simples. As platitudes pronunciadas nas solenidades são indesculpáveis. Chorar seria mais eficaz.

A ventania mudou tudo: agenda, forças, calendário, valores, vocabulário, slogans, parcerias, discursos, prioridades, elenco, dogmas e composturas. No país do futebol mudou até a ditadura do futebol.

A dialética como conflito-e-ajuste opera milagres.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem