Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > MORRO DA PROVIDÊNCIA, RIO

A obra do bispo

Por Luciano Martins Costa em 25/06/2008 na edição 491

A notícia de que a Justiça Eleitoral do Rio mandou suspender as obras na favela da Providência está presente com destaque em todos os jornais de quarta-feira (25/6). Com a decisão, o Exército retirou seus soldados da favela, onde, no dia 15 de junho, um grupo de onze militares entregou a traficantes de um morro vizinho três jovens moradores, que foram posteriormente torturados e mortos.


A medida oferece ao Comando Militar do Leste uma solução honrosa para sua retirada do Morro da Providência, onde a relação com os moradores havia se tornado extremamente tensa. De certa forma, também sinaliza que a Justiça Eleitoral está atenta aos abusos cometidos por candidatos nas eleições municipais deste ano.


Os militares trabalhavam na segurança dos operários que faziam a recuperação de 782 moradias populares. Chamada de projeto Cimento Social, a obra foi proposta pelo senador Marcelo Crivella, que faz uso desse tema em campanhas eleitorais desde 2004.


Tudo isso está bem relatado nos jornais de quarta, que registram ainda a frustração e o protesto dos 150 operários que haviam sido contratados para as reformas. O que não está bem esclarecido é que o senador Crivella, candidato anunciado a prefeito do Rio, também pode ter usado a obra – e as verbas públicas alocadas para ela – em benefício de uma organização religiosa.


Apuração inconclusa


Crivella é bispo da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho do fundador da seita, Edir Macedo. Uma nota publicada na coluna ‘Painel’ da Folha de S.Paulo informa que Marcelo Crivella mantém um cadastro dos moradores do Morro da Providência, inclusive com informações sobre orientação religiosa. Segundo o jornal, o senador alega que as informações eram necessárias para identificar potenciais beneficiários do projeto Cimento Social. Só não explica o que tem a ver com isso a escolha religiosa de cada eleitor. O Globo observa que o cadastro foi feito pela própria Igreja Universal.


O Brasil vive sob um regime laico, e é vedado aos detentores do poder público privilegiar organizações religiosas. A imprensa poderia ir mais fundo, lembrando que a Igreja Universal tem antecedentes na prática de cercear a liberdade de informação. A organização tentou calar os jornais, alguns meses atrás, com uma sucessão de processos judiciais coordenados, impetrados por seus seguidores em várias partes do Brasil.


A decisão da Justiça, de embargar a obra foi motivada por suspeita de abuso de poder econômico. Mas pode haver mais a ser apurado.


 


Leia também


Eles não têm assessores de imprensa – Sylvia Moretzsohn


O deslocamento da responsabilidade e da culpa – Fábio Koifman

Todos os comentários

  1. Comentou em 27/06/2008 Hélio Jost

    O Crivela apresentou um projeto que o Governo adotou. Essas melhorias, nunca antes nesse País, alguém pensou ou se dignou fazer. É um projeto de grande importãncia para aqueles nossos irmãos brasileiros. Não pode, porém: 1 – o Crivela faturar eleitoralmente. Pau nele. Casse-se sua candidatura; 2 – não pode o Juiz Eleitoral paralisar a obra; 3 – não pode a imprensa dizer que o exército não devia combater o tráfico porque foi o exército quem contratou as obras e os militares estavam acompanhando a execução (que no morro não se faz como em qualquer lugar); 4 – não pode, um tenente entregar os jovens à traficantes. O exército como insituição não tem culpa dessa ‘cagada’. O resto é conversa fiada da mídia, que só quer denegrir a imagem do governo federal.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem