Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > ENTREVISTA / TATIANA MERLO FLORES

‘As crianças têm uma relação afetiva com a televisão’

13/04/2004 na edição 272

Coordenadora do Instituto de Investigación en Medios de Buenos Aires, Argentina, Tatiana Merlo Flores pesquisa há 30 anos a relação entre mídia e crianças e adolescentes. O objetivo de seus estudos é orientar as futuras produções voltadas para este público específico. Segundo ela, o tipo de programa que as crianças querem não é aquele que os adultos produzem. ‘É preciso escutar as crianças’, destaca.

Sua última pesquisa ‘TV, como te quero?’ revela que as crianças mantêm um vínculo afetivo com a televisão. Vínculo que deve ser aproveitado e melhor utilizado. ‘Esta ponte existe e é preciso apenas utilizá-la’, diz.

Tatiana defende a criação de uma rede latino-americana de produção de mídia de qualidade para crianças e adolescentes. ‘O ponto de partida’, destaca, ‘será a realização da 4ª CMMCA. Somos criativos e temos qualidade técnica e pessoal. Precisamos nos afirmar como um novo mercado mundial exportador’.

***

Que tipo de mídia crianças e adolescentes desejam?

Tatiana Merlo Flores – Há dois anos realizamos uma ampla pesquisa com crianças argentinas, de 7 a 13 anos, chamada ‘TV, como te quero?’. O levantamento mostrou que as crianças querem que a TV inclua em sua programação conteúdos que favoreçam a construção de um mundo mais justo, solidário e igualitário. Querem também conteúdos que as auxiliem no mundo do trabalho. Querem ver suas histórias, assim como as histórias de seus pais e de seus avós. E detalhe: histórias narradas por crianças, não por adultos. Desejam que a televisão as ensine a viver melhor. A qualidade que as crianças querem não é a qualidade que os adultos falam e pensam. É totalmente diferente. Por isso devemos escutá-las, pois elas são audiência e, na minha opinião, uma audiência muito mais inteligente do que a adulta. Fico cada vez mais impressionada com a capacidade das crianças.

Como foi realizada esta pesquisa?
T.M.F. –
Realizamos uma chamada – via televisão – convocando as crianças a participarem do projeto. Nesta vinheta, a televisão perguntava às crianças como elas queriam que a TV fosse. As crianças tinham que responder a questão e enviar um desenho da televisão dos seus sonhos. Neste processo, não houve nenhum tipo de mediação, não houve nenhum adulto intermediando a pesquisa ou influenciando a resposta. Era a televisão que perguntava diretamente às crianças. A pesquisa foi realizada nos seguintes países: Itália, Canadá, Grécia, África do Sul, Índia, Chile, Argentina e Uruguai. Cerca de seis mil crianças participaram da pesquisa, da qual foram analisados 2.744 trabalhos. Chegamos à conclusão de que as crianças têm uma relação afetiva com a televisão. As crianças vêem a televisão como um mundo imaginário, como referência. Ao mesmo tempo, acreditam que a televisão possa ser também um veículo de homogeneização da comunicação, disseminando paz, solidariedade e amor.

Este vínculo emocional é positivo?

T.M.F. – Positivo ou negativo, é um vínculo afetivo que está posto. É uma ponte que já está constituída e que deve ser, portanto, utilizada. E devemos utilizá-la respondendo às necessidades das crianças e dando respostas as suas inquietações. Mas é preciso rever alguns pontos. É preciso rever conteúdos, programas e até mesmo a publicidade. É preciso que a família participe também deste debate. Recente pesquisa realizada na Argentina mostra que 95% das crianças conhecem toda a programação televisiva. Mas apenas 5% das mães destas crianças conhecem e/ou já assistiram a algum programa infantil com seus filhos. Os pais não estão preocupados. Porém, é preciso que eles participem ativamente deste processo. As escolas, na minha opinião, também deveriam aproveitar este vínculo com a TV, que existe e é real, em vez de ignorá-lo na sala de aula. Está comprovado: a televisão está desenvolvendo um novo tipo de inteligência nas crianças. Estão sendo formadas crianças mais criativas, dinâmicas e conectadas ao mundo. Neste momento, estamos desenvolvendo a 3ª etapa da pesquisa ‘TV, como te quero?’. Queremos identificar que características sobre a TV são comuns em todos as crianças que participaram da pesquisa. A idéia é apresentar estas conclusões finais durante a 4ª CMMCA.

Quais são as suas expectativas para a 4ª CMMCA?

T.M.F. – A realização da 4ª CMMCA é de fundamental importância. A Cúpula deve ser o ponto de partida para a criação de uma rede integrada latino-americana voltada para a produção de mídia de qualidade para crianças e adolescentes. Somos criativos e temos capacidade de produção. Mas precisamos trabalhar juntos. Ter experiências exitosas individuais não adianta. É necessário realizar co-produções e caminhar todos juntos na mesma direção. Desta forma, seremos exemplo para o mundo todo. Temos que ser produtores e exportadores de uma mídia de qualidade, com criatividade e ética. Se as nossas telenovelas conseguem atravessar fronteiras, por que os produtos voltados para o público infanto-juvenil também não podem?

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem