Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > RIO DE JANEIRO

As milícias nas urnas

Por Mauro Malin em 19/07/2012 na edição 703

 

Comentário para o programa radiofônico do OI, 19/7/2012

 

A campanha eleitoral deste ano é a quarta desde que a repórter Vera Araújo denunciou no Globo a existência, em favelas e bairros pobres do Rio de Janeiro, de grupos criminosos formados por policiais civis, militares e bombeiros. São as chamadas milícias.

Na segunda-feira (16/7), Vera e o repórter Sérgio Ramalho assinaram reportagem que foi a manchete do Globo. Denunciava a participação de milicianos na campanha eleitoral para as eleições municipais. No dia seguinte, o Tribunal Regional Eleitoral fluminense reagiu. Já havia sido montada uma força-tarefa para vigiar as milícias durante a campanha. Anunciou-se, então, que esses policiais e agentes vão rastrear policiais e bombeiros candidatos, para verificar se têm ligações com milícias. Demorou, mas é uma providência que pode ajudar a liberar o eleitor dessas comunidades para votar de acordo com sua consciência. Vera Araújo falou ao Observatório da Imprensa:

“Principalmente para as pessoas não se sentirem coagidas a votar nesses candidatos. O que acontece: esses candidatos que têm seus redutos eleitorais nas comunidades pressionam os moradores a votar neles pela opressão. Nas eleições anteriores os milicianos obrigavam as pessoas a fotografar o voto com o celular. Nessas eleições de agora o presidente do Tribunal Regional Eleitoral determinou que fosse proibida a entrada de celulares dentro das sessões, isso já é uma forma de evitar [a coerção].

Agora esse trabalho de levantamento dos policiais que são candidatos, tanto policiais como bombeiros, é uma segunda etapa importantíssima, porque eles não sofriam pressão nenhuma. Isso eu consigo perceber já nas próprias comunidades onde eu tenho entrado. Percorrendo alguns locais para fazer fotos desses candidatos que são ligados à milícia, que são policiais que a gente conhece, nós não os vemos mais. O que eu percebo é que eles estão mudando de tática.

Quando você começa a fechar o cerco em relação aos celulares, começa a fechar o cerco com relação àqueles policiais que viram alvo, que de certa forma passam a ser olhados, investigados pela polícia, com certeza eles vão mudar de tática, e uma delas é essa, eles não estão mais se expondo como faziam antes, quando você encontrava um monte de propaganda de candidatos policiais ligados a milícias. Não estou dizendo que todos os policiais são ligados às milícias, mas com certeza alguns acabam tendo essa ligação por coagirem os moradores, e essa pressão em cima dos moradores é terrível, porque eles não tinham a quem recorrer. De certa forma a imprensa está fazendo o papel de fiscalização junto aos órgãos que acabam sendo pressionados.”

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem