Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1017
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Até onde vai a bisbilhotice

Por Luciano Martins Costa em 11/08/2008 na edição 497

Os jornais dedicaram bastante espaço nos últimos dias – e as revistas de fim de semana deram destaque – às denúncias de que policiais fora de controle estariam exagerando no uso das escutas clandestinas de telefones e no monitoramento da correspondência eletrônica.


A revista Veja apresenta na capa, como material exclusivo, a reportagem intitulada ‘Espiões fora de controle’, na qual se afirma que o Supremo Tribunal Federal e a ante-sala do presidente da República foram alvos de espionagem. A revista Época também trata do assunto, sob o título ‘Cuidado, você pode estar grampeado’.


Praticamente todas as reportagens se concentraram na ação da Polícia Federal, ainda como repercussão da Operação Satiagraha, que levou à prisão do banqueiro Daniel Dantas, do especulador Naji Nahas e do ex-prefeito Celso Pitta. Mas a imprensa passou muito longe da verdadeira dimensão do problema.


A questão da espionagem, que, segundo a revista Época, está transformando o Brasil num ‘Big Brother eletrônico’, não se limita a possíveis abusos de autoridades policiais. Segundo a imprensa, em 2007 foram autorizadas pela Justiça mais de 400 mil escutas telefônicas, mas calcula-se que pelo menos 4 milhões de brasileiros já foram grampeados.


O que a imprensa não diz, nem chegou perto, é que a prática já se tornou corriqueira em muitas empresas, como instrumento de concorrência e até mesmo na coleta de informações para a avaliação de candidatos a empregos.


Beneficiários. Ou vítimas


O caso envolvendo a multinacional de investigação corporativa Kroll, acusada de espionar ilegalmente diretores da Brasil Telecom e Telecom Itália a mando do banqueiro Daniel Dantas, é parte de uma rotina com muitos protagonistas importantes.


Uma conhecida empresa israelense de segurança estabelecida no Brasil oferece serviços de espionagem até mesmo para os departamentos de recursos humanos de seus clientes, investigando a vida de candidatos a cargos de gerente e de executivos.


As reportagens de Veja e Época passaram tão longe do problema que não se deram conta de que até mesmo alguns de seus jornalistas podem ser beneficiários ou vítimas do esquema nacional de bisbilhotagem.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem