Segunda-feira, 23 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1055
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Aumenta violência contra a imprensa

Por Comitê para a Proteção dos Jornalistas em 04/08/2009 na edição 549

As autoridades mexicanas encontraram, na tarde de terça-feira (28/7), o corpo brutalmente espancado e parcialmente enterrado de um jornalista perto da cidade balneária de Acapulco, informou a imprensa local. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) instou hoje as autoridades mexicanas a realizarem uma investigação completa sobre o assassinato e a colocarem um fim à violência contra a imprensa.

O corpo de Juan Daniel Martínez Gil, apresentador dos programas W Acapulco, na emissora nacional W Radio, e Gerrero en vivo, na emissora local Radiorama Acapulco, foi encontrado enterrado em um terreno baldio do povoado de La Máquina, no estado de Guerrero, informou a imprensa mexicana. O jornalista havia sido espancado, seus pés e mãos estavam amarrados e sua cabeça estava envolta com um cinto marrom, informaram as autoridades à imprensa local.

Enrique Silva, coordenador de notícias da Radiorama Acapulco, disse ao CPJ que Martínez era extremamente cuidadoso com as informações divulgadas e não abordava temas sensíveis, como o tráfico de drogas ou as atividades do exército e da polícia em Acapulco. Silva acrescentou que Martínez não o havia informado sobre nenhuma ameaça. Vários colegas que falaram com o CPJ disseram acreditar que a morte de Martínez esteja vinculada ao seu trabalho, embora não tenham conseguido especificar uma matéria em particular. O procurador estadual revelou a jornalistas locais que a Procuradoria pretende revisar as gravações das últimas transmissões de Martínez para tentar estabelecer algum motivo.

Dez mortos e sete desaparecidos

‘Este crime é particularmente cruel, mesmo para o já brutal padrão de assassinatos de jornalistas no México’, declarou Carlos Lauría, coordenador sênior do Programa das Américas do CPJ. ‘As autoridades estaduais e federais devem investigar este crime de forma completa e pôr fim à violência contra a imprensa mexicana.’

Nos últimos anos, o estado de Guerrero se converteu em uma zona de guerra entre poderosos cartéis de droga e as forças de segurança mexicanas. Em abril de 2006, um pistoleiro matou Amado Ramírez, jornalista da Radiorama e correspondente da Televisa – a maior rede de televisão do país –, logo após o jornalista deixar os estúdios da rádio. Em abril, um juiz de Guerrero sentenciou Genaro Vásquez Durán a 38 anos de prisão pelo assassinato de Ramírez. As autoridades afirmaram que se tratou de um crime passional, mas não forneceram uma explicação clara, segundo a imprensa. Em um relatório especial divulgado em 2008, ‘Três Assassinatos sem Justiça‘, o CPJ concluiu que, por causa da má qualidade do trabalho policial, do medo e da pressão política, a investigação não obteve avanços importantes.

De acordo com o relatório anual do CPJ, Ataques à Imprensa, o México é um dos países mais perigosos do mundo para exercer o jornalismo. Desde 2000, 28 jornalistas – incluindo Martínez – foram assassinados. Ao menos 10 deles foram mortos em represália direta por seu trabalho informativo. Além disso, sete jornalistas desapareceram desde 2005. A maioria cobria crime organizado ou corrupção governamental. Em 2008, uma delegação do CPJ se reuniu com o presidente Felipe Calderón, que expressou seu apoio a uma legislação para proteger a liberdade de expressão. Um projeto de lei, aprovada pela Câmara mexicana em abril, encontra-se parada no Senado.

******

O CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, que se dedica a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem