Sábado, 26 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº988
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > (IN)SEGURANÇA PÚBLICA

Barbárie no Rio

Por Sylvia Debossan Moretzsohn em 20/03/2014 na edição 790

Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 19/3/2014

Todos nós vimos as cenas chocantes da mulher pendurada do lado de fora de um camburão da PM, sendo arrastada pela rua.

Cláudia Silva Ferreira tinha 38 anos e quatro filhos, mas cuidava também de quatro sobrinhos. Era servente em um hospital, morava numa favela no subúrbio carioca de Madureira. Na manhã de domingo (16/3), saiu de casa com 6 reais para comprar pão. Levou dois tiros, quando policiais iniciaram uma operação no morro. Talvez já estivesse morta quando foi jogada como um saco de batatas na caçamba do camburão. Foi enterrada na terça-feira (18), num clima de forte emoção e revolta.

Moradores dizem que a polícia chegou ao morro atirando. O viúvo de Cláudia diz que os policiais atingiram a mulher de propósito: teria sido uma execução. A polícia diz que foi recebida a tiros e revidou. “Reagiu à injusta agressão”, como reza o manual.

É claro que importa saber o que aconteceu exatamente, e talvez esse caso seja devidamente apurado porque ganhou repercussão internacional. Mas a pergunta essencial é outra: por que a polícia continua a fazer “operações” em favelas, sabendo que isso põe em risco a vida dos moradores?

Talvez porque a vida desses moradores não valha nada, a ponto de poderem ser jogados como um saco de batatas na caçamba de um camburão.

Operações policiais em favelas costumam ser noticiadas de maneira rotineira. Costumam produzir mortes, mas os mortos não comovem: são sempre traficantes ou suspeitos. É o que a polícia afirma, e é essa a história que fica valendo.

Desta vez a história foi diferente porque alguém filmou a cena chocante da mulher sendo arrastada pela rua. A câmera de segurança de uma loja também registrou a imagem. Era um escândalo evidente, incontestável, incontornável.

 

 

A dimensão da tragédia

O jornal O Globo de quarta-feira (19) expõe na capa uma reprodução ampliada da carteira de identidade de Cláudia e abre espaço para a repercussão do caso. Mas talvez seja mais significativo acompanhar as edições do jornal Extra, que é da mesma empresa que edita O Globo mas se dirige a um público popular.

Foi o Extra que divulgou, em seu site, o vídeo que mostra a mulher sendo arrastada pelo carro da polícia. É muito interessante verificar como esse jornal se comportou nos últimos dias. Foram dias conturbados, por causa das sucessivas mortes de policiais lotados nas UPPs do Complexo do Alemão. No sábado, o Extra põe na capa as fotos dos policiais mortos, ao lado da imagem enorme de um PM de costas, e pergunta: “Quantos mais vão ter que morrer?” No domingo, a manchete levanta a suspeita de que traficantes estejam pagando moradores para protestar contra as UPPs: é sempre assim, moradores de favela, quando protestam, são apenas massa de manobra dos criminosos. Mas então, na manhã de domingo, aquela mulher é arrastada pela rua e o jornal imediatamente se lembra do caso João Hélio.

João Hélio foi arrastado por bandidos que levaram o carro da mãe dele, num subúrbio do Rio, em 2007. Ele estava no banco traseiro e ficou preso ao cinto de segurança, pelo lado de fora do carro. Todos se recordam dessa história, que causou enorme comoção pública.

João Hélio era um menino branco, lourinho, de classe média. Cláudia era preta. Muito preta, como seu marido, seus filhos e sobrinhos. É cedo para dizer se sua história terá a mesma repercussão.

Mas uma comparação que circulou nas redes sociais talvez dê uma dimensão ainda maior da tragédia que vivemos. A foto de Cláudia foi publicada ao lado da de Leidson Alves da Silva, o mais recente policial morto em ataque às UPPs. Leidson também era preto e pobre, chegou a morar na rua quando era adolescente. Quem vê as duas imagens assim, lado a lado, a foto de Cláudia na carteira de trabalho e a de Leidson, com cara de menino, abraçado à mulher tão jovem, talvez perceba melhor quem são as maiores vítimas dessa violência.

É o caso de refazer a pergunta: quantos mais vão ter de morrer?

******

Sylvia Debossan Moretzsohn é jornalista, professora da Universidade Federal Fluminense, autora de Repórter no volante. O papel dos motoristas de jornal na produção da notícia (Editora Três Estrelas, 2013) e Pensando contra os fatos. Jornalismo e cotidiano: do senso comum ao senso crítico (Editora Revan, 2007)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem