Domingo, 20 de Maio de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº987
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > REPRISE

Bem-vindo ao Observatório, Monsieur Ramonet (2)

Por Alberto Dines em 16/09/2008 na edição 503

O artigo ‘O crescimento dos observatórios no Brasil‘, publicado neste Observatório, contém dados que precisam ser contestados. O mais importante refere-se ao registro da primeira concepção dos observatórios da imprensa de formato ‘fiscal’ dentro e fora da comunidade científica.


Segundo seus autores esta inédita concepção deve ser atribuída a Armand Matttelart e Ignacio Ramonet, especialmente a este, que ‘em artigo de ampla repercussão propõe que os observatórios de imprensa sejam caracterizados como `Quinto Poder´ (…) um novo núcleo de poder cujo protagonista seria a sociedade civil (…) apresentando-se ao mesmo tempo como uma instância que ultrapassa as figuras do ombudsman e do defensor do leitor ou os códigos deontológicos das empresas jornalísticas’ etc., etc.


Embora assíduo freqüentador de eventos na América Latina, Ignacio Ramonet não tem obrigação de saber português e de acompanhar com a devida atenção as discussões e inovações que ocorrem no universo midiático brasileiro.


Os autores do texto, altamente qualificados nos meios acadêmicos, não poderiam desconhecer um texto publicado com destaque em 2007 neste Observatório da Imprensa onde se demonstra que Ramonet utilizou no seu badalado artigo e aulas magnas conceitos amplamente discutidos neste Observatório e no Labjor da Unicamp desde 1994.


Calças rasgadas


Ramonet fala em Quinto Poder – numeração errada já que o lugar pertence ao Ministério Público – e este OI foi mais amplo e até mais dialético ao afirmar que cada poder cria automaticamente um contrapoder – e o legítimo contrapoder da imprensa é representado pela crítica aos meios de comunicação (media-criticism).


Ramonet foi rigorosamente corporativo imaginando organizações semi-abertas, destinadas apenas a jornalistas, pesquisadores e usuários. Este OI foi mais social, mais público e mais democrático ao propor que o contrapoder da mídia deve ser exercido por todos aqueles que se consideram mal servidos por ela.


Se os autores do trabalho acionassem o mecanismo de busca deste OI teriam encontrado em poucos minutos o farto material que segue abaixo. Não foi por preguiça que deixaram de fazê-lo (o minucioso texto que assinam é recheado de quadros, remissões e referências – commme il faut). Simplesmente não queriam dar a impressão que refutavam o eminente e emérito Ramonet ou impugnavam suas primazias. Era mais cômodo passar ao largo do que fazem seus compatriotas.


Ramonet é o exemplo perfeito do franco-centrismo contemporâneo: descobriu a América e quer ser festejado por lá. Já seus denodados admiradores em Pindorama não se importam em repetir aquela velha situação dos cortesões que preferem o rei nu a adverti-lo de que suas calças estão rasgadas.


Este é o texto que deveriam ter lido antes de escrever o seu: ‘Bem-vindo ao Observatório, Monsieur Ramonet‘.


 


Leia também


Um compromisso, uma história, um saldo – A.D. (2/5/2006, documentos fundadores do OI)


A crítica da mídia, poder e contrapoder – A.D. (Intervenção no painel ‘Imprensa, Poder e Sociedade’, no encerramento do X Fórum Nacional do Instituto de Altos Estudos – BNDES, Rio, 11/5/1998)


Quem fica no Quarto Poder? – A.D. (12/8/2000)


Cartel embrulhado para presente – A.D. (20/9/2000)


Sistema totêmico e sistema mediático, uma provocação – A.D. (Conferência pronunciada em 1/10/2000 no simpósio ‘Freud: Conflito e Cultura’ – Masp, São Paulo)


O olhar cidadão – A.D. (16/5/2001)


A mídia e o Brasil do século 21 – A.D. (Intervenção no painel ‘O papel da mídia na preparação do Brasil para o século 21’, no Centre for Brazilian Studies da Universidade de Oxford, 21-22/5/ 2001)


Festa com sentido, o sentido de uma festa – A.D. (8/5/2002)


Ombudsman é avanço, não é a solução – A.D. (15/5/2002)


Críticos são mais livres – nem sempre – A.D. (15/5/2002)


Conselho instalado, silêncio ostensivo – A.D. (3/7/2002)


85 anos de crítica da mídia – A.D. (20/11/2002)


Deputados do PT devem desconfiar da mídia – A.D. (22/1/2003)


O professor que lê jornais do nosso jeito – A.D. (12/2/2003)


Crítica da mídia como solução de conflitos – A.D. (7/5/2003)


A sociedade deve exercer algum controle sobre a mídia? – A.D. (4/5/2004)


Do totalitarismo à democratização dos meios – A.D. (27/7/2004)


Contra o denuncismo, o peleguismo – A.D. (10/8/2004)


Despedida do Conselho de Comunicação Social – A.D. (19/10/2004)


Conceitos de serviço público: media estatais e privados – A.D. (Comunicação apresentada em 11/1/2005 ao 6º Congresso Internacional de Jornalismo de Língua Portuguesa reunido em Lisboa, Portugal)


Veja escorregou de novo. Agora com Severino – A.D. (6/9/2005)


A crítica da imprensa é exigência da sociedade – A.D. (2/5/2006)


Um compromisso, uma história, um saldo – A.D. (2/5/2006)


O público como elemento ativo. E consciente – A.D. (12/9/2006)


Como a mídia cobre a mídiaOI na TV, 28/3/2007


A boa nova não foi notícia – A.D.


Dois escândalos simultâneos – A.D. [5/1/1997]


Editorial do OI na TV nº 57 (1/6/1999) [rolar a página] – A.D.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem