Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > MÍDIA & EDUCAÇÃO

Cada vez mais cada vez

Por Gabriel Perissé em 02/03/2010 na edição 579

O título da matéria sobre os recentes resultados do Saresp (Sistema de Avaliação e Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) na Folha de S.Paulo (27/02), não poderia ser mais ambíguo: ‘Ensino em SP tem melhora, mas segue ruim’. Mutatis mutandis, seria o mesmo que dizer, em contexto hospitalar, que o paciente melhorou… e morrerá em breve. A melhora é irrisória. Tudo continua ruim.

No Estado de S. Paulo, no mesmo dia, matéria semelhante ostentava título diferente: ‘Ensino na 4ª e 8ª série melhora; médio piora’. No Portal Terra (26/02), a situação está cada vez melhor – ‘SP: Saresp mostra melhora generalizada nas escolas estaduais’. O UOL Educação (26/02) preferiu mostrar que o ruim ainda piorou – ‘Saresp 2009: Alunos do ensino médio vão mal em matemática e professores ficam de `recuperação´’.

Essas incongruências se devem ao modo como os resultados (fracos) foram apresentados pela Secretaria de Educação. O tom da divulgação foi de otimismo e esperança, em sintonia com o clima de campanha presidencial do governador José Serra. A pasta da Educação em São Paulo é ponto vulnerável de uma longa gestão do PSDB, e o secretário Paulo Renato Souza tenta disfarçar a inegável vulnerabilidade.

A manipulação inconvincente

Segundo Paulo Renato, estão sendo adotadas, finalmente, medidas corajosas para que a educação paulista encontre o ‘rumo certo’ e melhore cada vez mais. O rumo certo está mencionado literalmente no release que a Secretaria de Educação divulgou em seu site sobre ‘a melhora generalizada nas escolas estaduais’. Ora, se encontraram o rumo certo, que reconheçam terem, eles próprios, andado sem rumo, durante 15 anos!

A estratégia atual é simples: dizer com voz cheia de entusiasmo que tudo melhorou. Bem se vê que o ensino público em São Paulo encontra-se imerso nas águas do abandono e do descaso, mas cabe ao secretário afirmar, com grande convicção, que o dilúvio passou, que tudo está cada vez melhor, como nessa peça publicitária.

Em apenas um ano, a educação em São Paulo já melhorou, inexplicavelmente. Mas para que essa melhora tão rápida e promissora pareça convincente era preciso forçar as palavras um pouco mais. E foi o que aconteceu.

A revista Veja (ed. nº 2154), na matéria ‘A lição do mérito’, assinada por Ronaldo França, referindo-se aos mesmos resultados do Saresp, noticia que ‘só no último ano 18% dos alunos da 4ª série do ensino fundamental foram alçados, em português, do nível insuficiente para o adequado’. E aqui está a manipulação inconvincente.

Palavras para além dos números

Até 2008, ao se divulgarem os dados do Saresp, havia quatro níveis: ‘abaixo do básico’, ‘básico’, ‘adequado’ e ‘avançado’. Destes, somente o ‘adequado’ e o ‘avançado’ eram considerados satisfatórios. Neste ano, porém, surgem apenas três níveis: ‘insuficiente’, ‘suficiente’ e ‘avançado’. O ‘suficiente’ passa a englobar o ‘básico’ e o ‘adequado’ e é considerado como satisfatório.

A Veja faz uma composição da terminologia, cria uma nova tabela de valores. Afirmando que em apenas um ano tantos alunos saíram do nível ‘insuficiente’ para o ‘adequado’, dá a entender que houve progresso espetacular. O que se deu, porém, ao que tudo indica, foi um remanejamento mágico. Os números foram submetidos às palavras. E nós, sem saber ao certo o que dizem esses números, ficamos também sem palavras diante da súbita mudança de termos, no meio do jogo, em nome de interesses nada educacionais.

******

Doutor em Educação pela USP e escritor – www.perisse.com.br

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem