Terça-feira, 19 de Junho de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº991
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > MÉXICO

Despejo violento de funcionários de jornal

Por Comitê para a Proteção dos Jornalistas em 25/07/2005 na edição 339

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) está indignado pelo violento despejo de 31 funcionários do matutino mexicano Noticias de Oaxaca. Os trabalhadores estavam retidos nas instalações do diário há mais de um mês, após um bloqueio organizado por militantes de um sindicato pró-governamental.

Por volta das 20h de segunda-feira (18/7), dezenas de pessoas irromperam nos escritórios do diário, retiraram àforça os jornalistas e outros trabalhadores do jornal, e destruíram computadores e móveis, segundo a imprensa local. Raciel Martínez, jornalista do Noticias, disse ao CPJ que alguns indivíduos estavam encapuzados e carregavam paus, garrafas e varetas metálicas. Alguns empregados sofreram contusões, informou o jornalista, mas ninguém foi gravemente ferido.

Os agressores chegaram ao diário com funcionários da Procuradoria-Geral do Estado de Oaxaca, segundo indicou Noticias. A polícia, presente durante o desalojamento, não interveio, informou o matutino Reforma, da Cidade do México.

Sem alimento

Héctor Pablo Ramírez Puga Leyba, coordenador-geral de comunicação social do governo de Oaxaca, afirmou ao CPJ que o conflito é uma disputa trabalhista e insistiu que o governador Ulises Ruiz Ortiz não intervirá.

O diário continua sendo publicado em gráfica de uma cidade vizinha. Noticias denunciou que a polícia confiscou exemplares do jornal e agrediu seus vendedores.

Integrantes da Confederação Revolucionária de Trabalhadores e Camponeses, sindicato vinculado ao partido do governo, Partido Revolucionário Institucional (PRI), haviam se reunido nas imediações do Noticias em 17 de junho, bloqueando os acessos às instalações. Os funcionários do Noticias não puderam abandonar o edifício.

Os simpatizantes do sindicato afirmavam estar em greve para reclamar um aumento salarial. Os funcionários do Noticias entrevistados pelo CPJ afirmaram que os manifestantes não tinham vínculo com o diário, que o plantel do Noticias se opunha à ‘greve’ e que o bloqueio foi uma tentativa de suprimir a publicação do matutino.

Octavio Vélez, jornalista do Noticias, disse que a eletricidade e as linhas telefônicas do edifício foram cortadas em 19 de junho, e a energia não foi restaurada até o dia seguinte. O jornalista sustentou que a multidão que rodeava o edifício não permitia a distribuição de alimentos. Os empregados comeram o que havia na lanchonete do jornal e, como resultado, alguns tiveram problemas gastrintestinais.

Intimidação

O Noticias tem sido muito crítico com as autoridades estaduais de Oaxaca, e existe uma perseguição contra o diário por essa razão, segundo Pedro Matías, correspondente da revista Processo, com sede na Cidade do México.

No sábado, 16 de julho, o presidente mexicano Vicente Foz expressou preocupação com a situação e prometeu que visitaria Oaxaca para reunir-se com as partes em conflito.

Em 30 de junho, o CPJ enviou carta ao governador Ulises Ruiz Ortiz e expressou preocupação com a integridade física dos funcionários do Noticias, e instou as autoridades a pôr fim ao bloqueio.

‘Acreditamos que este último episódio de violência dirigiu-se a intimidar o Noticias e calar a cobertura crítica sobre o governo de Oaxaca’, afirmou a diretora-executiva do CPJ, Ann Cooper. ‘Instamos o imediato fim da perseguição contra o diário para que nossos colegas possam retomar seu trabalho normalmente.’ [Nova York, 19/7/2005]

******

O CPJ é uma organização independente sem fins lucrativos radicada em Nova York, e se dedica a defender a liberdade de imprensa em todas as partes do mundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem