Domingo, 26 de Abril de 2015
ISSN 1519-7670 - Ano 18 - nº 847

CADERNO DA CIDADANIA > REPORTÉRES SEM FRONTEIRAS

Diretor de site internet é preso

28/10/2005 na edição 352

Repórteres sem Fronteiras protesta contra a prisão abusiva, em 26 de outubro de 2005, em Teresina (capital do Estado do Piauí, Nordeste), de José de Arimatéia Azevedo, diretor e editorialista do site internet Portal AZ, cujo fechamento foi ordenado pela Justiça. A organização pede a revogação da lei de 1967 relativa a delitos de imprensa, que tornou possível essa prisão.


‘José de Arimatéia Azevedo teve prisão preventiva quando, de acordo com os advogados, não tinha nenhuma intenção de fugir nem se de ausentar em caso de convocação para comparecimento perante a Justiça. E, o que é mais importante, esse processo foi aberto em nome da Lei de 1967, relativa a delitos de imprensa. A legislação brasileira se tornaria mais honrável se revogasse essa herança da ditadura militar (1964-1985), que continua a dar ao juiz o direito de mandar prender jornalistas por declarações orais ou escritas’, afirmou Repórteres sem Fronteiras.


No dia 26 de outubro, às 11h45, integrantes da Polícia do Estado do Piauí fizeram uma batida no prédio do site internet Portal AZ, em Teresina, e interrogaram o chefe de redação e editorialista José de Arimatéia Azevedo. Um mandado de prisão preventiva, de que Repórteres sem Fronteiras recebeu cópia, foi emitido no próprio dia pelo juiz José Bonifácio Júnior que, além disso, deu ordem para fechamento do Portal AZ. Ao mandar prender José de Arimatéia Azevedo, o juiz respondeu à petição da advogada Audrey Magalhães, alvo de um editorial do jornalista.


Jornalista polêmico, editorialista e, durante muito tempo, jornalista especializado em inquéritos sobre o crime organizado, José de Arimatéia Azevedo, que usava o pseudônimo de Xico Pitomba, havia publicado online um artigo que punha em causa Antônio Rivanildo Feitosa da Silva, do canal regional de televisão Meio Norte, para o qual trabalhara até algum tempo antes. Este último deu queixa contra o jornalista por ‘calúnia e difamação’.


‘Atentado contra a democracia’


No dia 6 de outubro, numa tribuna, o diretor do Portal AZ partiu para o contra-ataque, acusando Audrey Magalhães, advogada do Meio Norte, e seu cliente. Foi então que Audrey Magalhães pediu ao juiz que José de Arimatéia Azevedo fosse preso por ‘calúnia e difamação’ e ‘coação no curso do processo’. No mandado de prisão, o juiz considerou como obscenos e machistas os dizeres do diretor do Portal AZ e fundamentou a ordem de prisão na lei de 1967, relativa aos delitos de imprensa.


Com problemas cardíacos, José de Arimatéia Azevedo está preso no prédio da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí, em Teresina. Seus advogados pediram habeas corpus. Interrogado pelo diário on line O Dia, o jornalista lembra que, no processo por difamação aberto no caso que o opunha ao colega do Meio Norte, a audiência de conciliação deveria acontecer em 8 de novembro e por isso mesmo compreende mal a própria prisão. O caso deverá ser julgado pelas autoridades judiciárias locais no início da semana.


No dia 27 de outubro, o Secretário de Estado Roberto Ríos Magalhães qualificou de ‘ilegal’ a ordem de fechamento do Portal AZ. O site continua a poder ser acessado. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), com sede em Brasília, qualificou essa prisão preventiva de ‘atentado contra a liberdade de imprensa, a Constituição brasileira e a democracia’. [28 de outubro de 2005]

Todos os comentários

CADERNO DA CIDADANIA > REPORTÉRES SEM FRONTEIRAS

Diretor de site internet é preso

28/10/2005 na edição 352

Repórteres sem Fronteiras protesta contra a prisão abusiva, em 26 de outubro de 2005, em Teresina (capital do Estado do Piauí, Nordeste), de José de Arimatéia Azevedo, diretor e editorialista do site internet Portal AZ, cujo fechamento foi ordenado pela Justiça. A organização pede a revogação da lei de 1967 relativa a delitos de imprensa, que tornou possível essa prisão.


‘José de Arimatéia Azevedo teve prisão preventiva quando, de acordo com os advogados, não tinha nenhuma intenção de fugir nem se de ausentar em caso de convocação para comparecimento perante a Justiça. E, o que é mais importante, esse processo foi aberto em nome da Lei de 1967, relativa a delitos de imprensa. A legislação brasileira se tornaria mais honrável se revogasse essa herança da ditadura militar (1964-1985), que continua a dar ao juiz o direito de mandar prender jornalistas por declarações orais ou escritas’, afirmou Repórteres sem Fronteiras.


No dia 26 de outubro, às 11h45, integrantes da Polícia do Estado do Piauí fizeram uma batida no prédio do site internet Portal AZ, em Teresina, e interrogaram o chefe de redação e editorialista José de Arimatéia Azevedo. Um mandado de prisão preventiva, de que Repórteres sem Fronteiras recebeu cópia, foi emitido no próprio dia pelo juiz José Bonifácio Júnior que, além disso, deu ordem para fechamento do Portal AZ. Ao mandar prender José de Arimatéia Azevedo, o juiz respondeu à petição da advogada Audrey Magalhães, alvo de um editorial do jornalista.


Jornalista polêmico, editorialista e, durante muito tempo, jornalista especializado em inquéritos sobre o crime organizado, José de Arimatéia Azevedo, que usava o pseudônimo de Xico Pitomba, havia publicado online um artigo que punha em causa Antônio Rivanildo Feitosa da Silva, do canal regional de televisão Meio Norte, para o qual trabalhara até algum tempo antes. Este último deu queixa contra o jornalista por ‘calúnia e difamação’.


‘Atentado contra a democracia’


No dia 6 de outubro, numa tribuna, o diretor do Portal AZ partiu para o contra-ataque, acusando Audrey Magalhães, advogada do Meio Norte, e seu cliente. Foi então que Audrey Magalhães pediu ao juiz que José de Arimatéia Azevedo fosse preso por ‘calúnia e difamação’ e ‘coação no curso do processo’. No mandado de prisão, o juiz considerou como obscenos e machistas os dizeres do diretor do Portal AZ e fundamentou a ordem de prisão na lei de 1967, relativa aos delitos de imprensa.


Com problemas cardíacos, José de Arimatéia Azevedo está preso no prédio da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí, em Teresina. Seus advogados pediram habeas corpus. Interrogado pelo diário on line O Dia, o jornalista lembra que, no processo por difamação aberto no caso que o opunha ao colega do Meio Norte, a audiência de conciliação deveria acontecer em 8 de novembro e por isso mesmo compreende mal a própria prisão. O caso deverá ser julgado pelas autoridades judiciárias locais no início da semana.


No dia 27 de outubro, o Secretário de Estado Roberto Ríos Magalhães qualificou de ‘ilegal’ a ordem de fechamento do Portal AZ. O site continua a poder ser acessado. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), com sede em Brasília, qualificou essa prisão preventiva de ‘atentado contra a liberdade de imprensa, a Constituição brasileira e a democracia’. [28 de outubro de 2005]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem