Domingo, 24 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > BRASIL

Jornalista que cobria esportes é morto a tiros

Por Comitê para a Proteção dos Jor em 17/07/2012 na edição 703
Intertítulo do OI

As autoridades brasileiras devem investigar o assassinato do radialista Valério Luiz de Oliveira e prender os autores, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas. Luiz foi morto a tiros na tarde de quinta-feira (5/7) em Goiânia, no centro-oeste do país, de acordo com as informações da imprensa. Um pistoleiro não identificado em uma motocicleta atirou ao menos quatro vezes em Luiz, de 49 anos, em frente à Rádio Jornal 820 AM, onde era cronista esportivo, informou a imprensa. Luiz era conhecido por seus comentários críticos, especialmente em relação à gestão do time de futebol Atlético Goianiense, segundo matérias veiculadas. Recentemente, ele havia sido proibido de entrar nas instalações do clube, segundo reportagens.

“Nós condenamos o assassinato de Valério Luiz de Oliveira e pedimos às autoridades brasileiras que levem os responsáveis à justiça”, disse Carlos Lauría, coordenador sênior do programa do CPJ para as Américas. “A violência letal contra a imprensa vem aumentado no Brasil nos últimos dois anos, e está minando a habilidade dos jornalistas de informar criticamente sobre qualquer questão importante para o público.”

Manoel de Oliveira, pai do jornalista e conhecido comentarista esportivo, disse acreditar que a morte do filho está relacionada aos comentários que fazia e afirmou: “Perdi meu filho para o futebol”, informou a TV Globo. A esposa de Luiz, Lorena Nascimento de Oliveira, disse que ele havia contado a ela estar preocupado com problemas que teve com pessoas envolvidas com o esporte, noticiou a Globo. Ela não forneceu mais detalhes. Adriana Ribeiro Barros, delegada titular da Delegacia de Investigação de Homicídios, observou que o jornalista tinha opiniões controversas e que investigariam a possibilidade do motivo estar relacionado ao trabalho, de acordo com as informações da imprensa.

Nove jornalistas mortos em 2 anos

A diretoria do Atlético Goianiense emitiu uma nota de repúdio ao assassinato e pediu uma profunda investigação do crime. “Valério Luiz se caracterizava por seus comentários, que em alguns momentos desagradaram alguns setores do clube, porém, por outro lado, a opinião forte do cronista já serviu até para a tomada de decisões que colaboraram desta forma com o crescimento do Atlético”, diz a declaração.

Pelo menos nove jornalistas foram mortos no Brasil em 2011 e 2012, ao menos quatro deles em relação direta com a profissão, segundo a pesquisa do CPJ. O Brasil apareceu pelo segundo ano consecutivo no Índice de Impunidade 2012 do CPJ, que destaca os países onde jornalistas são assassinados com frequência e os responsáveis ficam livres.

Para mais informações e análises sobre o Brasil, visite a página do CPJ sobre o país aqui.

[O CPJ é uma organização independente sem fins lucrativos, sediada em Nova York, e dedica-se a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem