Sábado, 23 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > CASO JULIAN ASSANGE

O esgotamento do WikiLeaks

Por Fernando Rodrigues em 21/08/2012 na edição 708
Reproduzido da Folha de S.Paulo, 15/8/2012; intertítulo do OI

O governo do Equador está reticente. Deve decidir nesta semana se concede ou não asilo político ao ciberativista Julian Assange, o criador do site WikiLeaks.

O caso ainda vai se arrastar. Se obtiver o asilo, Assange dependerá de um salvo-conduto do Reino Unido para ir até o aeroporto, pois está refugiado na embaixada equatoriana em Londres. É um desfecho melancólico para o voluntarismo quase épico mostrado pelo grupo liderado pelo australiano.

Nada impede que amanhã os seguidores de Assange apareçam com um novo lote de documentos secretos e abalem vários países. Mas a probabilidade é pequena.

O WikiLeaks foi uma ideia certa e no lugar exato. Neste início de século 21, muita gente trabalha para governos ou grandes corporações e tem acesso facilitado a informações secretas. No passado, era arriscado vazar tais dados. Seriam milhares de fotocópias. Agora, milhões de páginas cabem em um pen drive.

Fonte seca

A melhor fonte de Assange teria sido o recruta norte-americano Bradley Manning. Aos 22 anos e baseado em Bagdá, ele teria copiado 250 mil telegramas da diplomacia dos EUA. Tudo foi parar no WikiLeaks.

A partir daí, Assange assistiu aos EUA sufocarem as finanças do WikiLeaks. Para piorar, o australiano se envolveu em um caso obscuro de abuso sexual de duas mulheres na Suécia. Está preso no Reino Unido. Já Manning possivelmente passará o resto de seus dias detido em algum presídio militar.

As fontes do WikiLeaks secaram. Os meios de comunicação tradicionais aprenderam o caminho. Vários já usam sistemas on-line, recebem dados e preservam as fontes. A vida segue. Diferentemente do que alguns disseram, o WikiLeaks não mudou para sempre a forma de fazer jornalismo. Assange ajudou a iluminar mais um caminho. OK. Mas é possível andar nessa estrada sem precisar de asilo no Equador.

***

[Fernando Rodrigues é colunista da Folha de S.Paulo]

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem