Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1005
Menu

CADERNO DA CIDADANIA > MÍDIA & ÉTICA

Exemplos lamentáveis de jornalismo

Por Ivo Lucchesi em 04/03/2008 na edição 475

É lamentável, mas não menos necessário, que a presente escrita tenha de retornar a um tema cujo foco crítico possa parecer ao leitor falta de imaginação inventiva da parte do articulista. Contudo, não posso eximir-me de manifestar intenso repúdio a quatro fatos que, em menos de um mês, supostos renomados jornais doaram ao público um teor abaixo do deplorável. Em ordem cronológica, refiro-me às seguintes edições: Valor Econômico (19/2), O Globo (25/2), Jornal do Brasil (27/2) e Folha de S. Paulo (28/2).

A perda da medida

Desde a dramaturgia de Ésquilo e Sófocles, na antiga Grécia, e, adiante, com as precisas observações de Aristóteles em sua Poética, sabemos que o ‘herói trágico’ incorre na ‘desmedida’, na incontida ânsia de perseguir a verdade ou a defesa radical do que considera justo. Em razão do excesso do que julga ser uma virtude, o ‘herói’ ultrapassa a barreira e cai na ‘desmedida’, do que decorre sua dimensão trágica.

Dando um salto de milênios, da tragédia grega à mídia contemporânea, logo perceberemos a inadaptabilidade dos fundamentos de uma época para a outra. Uma vez relatados os quatro fatos, o leitor compreenderá que o conceito de ‘desmedida’ inerente ao perfil do ‘herói trágico’ em nada tem a ver com a insensatez com a qual o jornalismo brasileiro parece estar em parceria. Vamos, pois, aos fatos.

Fato 1

No seleto jornal Valor Econômico (19/2/2008), constava a seguinte matéria: ‘Carteiras que estavam pouco concentradas se destacaram’. Eis que, na terceira linha do segundo parágrafo, lê-se a seguinte frase: ‘Acontece que o índice despirocou por conta da forte alta de dois papéis /…/’. Como? Sim, exatamente essa é a redação. Quem o escreveu não se sabe, pois a matéria não está assinada. Todavia, o aval do editor foi dado, seja por haver lido, seja por haver ignorado. Nas duas opções, não há como saber qual delas mais depõe contra o editor. A questão é: por que optar pelo grosseiro vocábulo (‘despirocou’), em lugar de ‘desequilibrou’, ‘enlouqueceu’, ‘ensandeceu’? E mais: esse jargão em texto de análise econômica, num jornal destinado a um público-receptor mais exigente? É de estarrecer.

Fato 2

Na primeira página de O Globo (25/2/2008), o foco visual conduzia o leitor a uma frase na qual era realçada a ‘dança do créu na vitória do Flamengo’ e, abaixo, a foto dos jogadores, com a coreografia da dança. Lembro que, na manchete de O Globo, ‘créu’ não continha aspas, negrito ou itálico. Frise-se, ainda, que, na coluna, à esquerda do leitor, constavam duas notícias de densidade dramática: uma, referente a denúncias de tortura na polícia; outra, relativa a mais uma vítima assassinada, na Barra da Tijuca, por haver parado em sinal.

A justaposição de tais fatos só revela a total perda de respeito à dimensão humana e ao sentido do que querem dizer cultura, notícia e ética. Tento, por minutos, imaginar-me um familiar da vítima assassinada, vendo e lendo, ao lado, a ‘dança do créu’. Sinto muito: isto é inaceitável; é repugnante e deveria ser repelido por todo e qualquer jornalista que sabe quanto é belo e digno o ofício diário dessa profissão. Um jornalista, Sr. Editor de O Globo, é, acima de tudo, um ‘vigilante dos acontecimentos’, em favor dos cidadãos. Um jornalista, por isso, não se pode converter em ‘insensível promotor de eventos’, modelo no qual se banaliza a tragédia humana e entroniza-se a vulgaridade.

Fato 3

O Jornal do Brasil (27/2/2008) elegeu a seguinte manchete: ‘Lula: `Porrada não educa!´’. Supostamente, a frase teria sido pronunciada pelo presidente da República, num discurso, durante uma visita às obras da ThyssenKrupp CSA, um complexo siderúrgico em Santa Cruz, no Rio de Janeiro.

O caso em questão está revestido do mais alto grau de deformação. Vale lembrar ao leitor que a manchete destacava, entre aspas, a frase ‘porrada não educa’ como tendo sido aquela pronunciada pelo presidente. Indo à matéria, a frase é: ‘Se porrada educasse, bandido saía da cadeia santo’. Tudo bem: o presidente poderia ter evitado o uso do termo ‘porrada’? Sim, poderia. Mais grave, porém, é o jornalista que transforma, em manchete, uma frase entre aspas, impronunciada. E mais: a frase que, efetivamente, foi dita contém nível de argumentação diferente da ‘secura grosseira’ transformada em manchete.

Houve, portanto, intenção em expor negativamente a figura do presidente? Tudo indica que sim. No mesmo evento, o presidente também declarou: ‘Não posso errar porque, quando encerrar o mandato, não vou a Paris ou Londres’ – frase à qual o JB deu relevância na página A3, embora, na mesma página a manchete fosse, outra vez, ‘Para Lula, porrada não educa’. Que é isto? Será jornalismo? O leitor avalie.

Fato 4

Diferentemente do tom das três situações anteriores, esta, publicada na página C4 do caderno ‘Cotidiano’ (Folha de S.Paulo, 28/2/2008), é da ordem do grotesco. Em matéria assinada por Vinícius Queiroz Galvão, o leitor era convidado pelo seguinte título: ‘Justiça suspende demissão por excesso de flatulência’.

No tocante ao presente fato, diferentes considerações se mostram necessárias. Dentre elas, situam-se: 1) o perfil insólito do fato em si; 2) a decisão do processo; 3) a cobertura jornalística. Em relação ao primeiro, cabe a indagação: o fato mereceria registro num jornal que se pretende de primeira linhagem na imprensa nacional? Para melhor situar o leitor, reproduzo a matéria, respeitando a paragrafação original:

‘A demissão por justa causa de uma funcionária que, segundo a empresa, excedia-se em flatulência no ambiente de trabalho foi pelos ares.

Juízes da 4ª. Turma do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo decidiram pela readmissão da funcionária e pelo pagamento de R$ 10 mil por danos morais.

Para basear o voto, o relator do processo, juiz Ricardo Artur Costa e Trigueiros, recorreu a um artigo em que o médico Drauzio Varella afirmava que a emissão de gases intestinais não é doença.

`O organismo tem que expandir os flatos, comum a todos. Nem sempre pode haver controle´, diz a decisão.

O juiz cita ainda uma passagem do livro Jô Soares `O Xangô de Baker Street´, em que o imperador Pedro II soltava gases na corte.’

O fato em si, a decisão judicial, a fonte na qual o relator fundamentou a sentença e a matéria jornalística são recortes primorosos para compreendermos a reinante mediocridade brasileira. Ela tem a propriedade de revelar ao leitor a rede de sutilezas com a qual se monta uma ‘peça de horrores humorísticos’.

Por partes, tentemos seguir o roteiro: 1) o ridículo do litígio entre empresa e funcionária, por conta da ‘flatulência’. De um lado, a inabilidade da empresa e contornar o fato grotesco; de outro, a insensibilidade da portadora do problema, em não buscar soluções medicinais; 2) a atuação da justiça que, convocada a pronunciar-se, fundamentou sua decisão num artigo do ‘médico-midiático global’ que, por sua vez, com tantos argumentos científicos, recorre a uma fonte ‘literária’ (?), igualmente global (o ‘escritor’ Jô Soares), a fim de justificar o direito de a funcionária expelir gases impunemente, já que o imperador também o fazia. Será que todos os ‘atores’ desse risível roteiro (empresa, funcionária, juiz e médico) enlouqueceram?

Por fim, acresça-se ao elenco o jornalista, relator da matéria. Já imaginaram se os quase 7 bilhões de habitantes do planeta liberassem, livremente, seus ‘gases intestinais’, em função de errados hábitos de alimentação e de educação? O ar e a convivência seriam insuportáveis. E mais: se os quase 7 bilhões de habitantes do planeta aprenderem a lição de que, liberando seus gases, será recompensado pelo ganho da quantia equivalente, em moeda nacional, a R$ 10 mil. Conclusão: flatulência também é investimento. Como arremate, a figura do jornalista (e do jornal), em, sem nenhum tom humorístico ou irônico, narrar o ‘acontecimento’ com a mesma postura de quem oferece ao leitor uma matéria de política, economia, ou seja lá do que for.

Quatro faces do horror

O painel, em quatro faces, aqui exposto indica o cenário de horrores em que nos encontramos. A questão é sabermos se ainda tudo pode ficar pior. Só o tempo revelará. Uma vez mais, reitero que as raízes da deformação do caráter brasileiro não têm a ver nem com presidentes eleitos nem índices econômicos (inflação, crise, ou crescimento e desenvolvimento). O problema não é político e, menos ainda, econômico. O fator que, no pano de fundo, desfigura e fragiliza o vigor da nação diz respeito ao modo como cada cidadão se relaciona com a cultura e o conhecimento. Nesse interstício, tem responsabilidade o modelo vigente do sistema midiático (impresso e eletrônico), considerando que, há décadas, é sobejamente sabido o apego da majoritária população ao recorte oferecido pela mídia.

Que tal, num esforço em prol do soerguimento da inteligência nacional, a mídia realinhar o sentido de responsabilidade social, redefinindo o arco de suas importância e prioridade? A barbárie evolui bem mais rapidamente do que se supõe. Se chegarmos ao estado da irreversibilidade, nem a mídia sobreviverá. [Texto concluído em 2/3/2008]

******

Ensaísta, articulista, doutor em Teoria Literária pela UFRJ, professor titular de Linguagem Impressa e Audiovisual da Facha (Rio de Janeiro)

Todos os comentários

  1. Comentou em 06/03/2008 Ricardo Camargo

    Às vezes, caro sr. Sebastião, os clássicos utilizam expressões que, em regra, seriam consideradas vulgares, mas no contexto dos respectivos textos vêm a propósito, o que não é o caso de reportagens, que só mostram vulgaridade, quando as empregam. O Poema em linha reta é de Fernando Pessoa sob a veste de Álvaro de Campos, o mais ‘histérico’ (o adjetivo é do próprio Pessoa) dos heterônimos, que não titubeia, inclusive, em dizer em um verso ‘M…! Sou lúcido’ (no original, está por extenso).

  2. Comentou em 05/03/2008 Fabio Cunha

    O interessante nessa relação de exemplos é que cada caso possui um tipo de ‘deslize’ na publicação, seja de estética ou má utilização de um vocábulo. Porém, o que realmente deve-se ressaltar é a ‘necessidade’ de publicação de cada matéria. O caso da reportagem da flatulência, por exemplo, não acrescenta nenhuma informação que possa alterar a rotina de uma população, é apenas um fato ‘estranho’, no máximo. A questão é: onde estão os’critérios de noticibialidade’? Será que nesse dia não existia outras notícias consideradas ‘mais importantes’? Ainda existiria um caminho mais fácil: a reorganização estrutural e revisão geral, que certamente não existiu.

  3. Comentou em 05/03/2008 Arlindo Papal

    Caro articulista.
    Concordo com a indignação da qualidade dos textos jornalísticos publicados diariamente. Um horror. Porém a de se levar em conta a qualidade do publico a que se destina a mensagem. Considero os conceitos de Bakhtin quanto ao dialogismo e a heteroglossia praticadas cotidianamente pela nossa imprensa, onde o simulacro é mais importante do que o real. O respeitável publico nesse caso é representado pela figuara do Homer Simpson, notado pela sua qualidade intectual limitrofe.

  4. Comentou em 05/03/2008 PEDRO ROSA

    Faz tempo que não dou tantas e boas gargalhadas. O que o articulista pinçou são exemplos diários de textos deturpados, mal-escritos, dúbios, e principalmente mal-colocados, fora do seu contexto. São várias gradações aqui colocadas: grave (JB, deturpando e ainda colocando entre aspas frase não dita); popularesca e comercial (O Globo, com o tal do créu sem aspas em manchete), pernóstica (Valor, com a chamada surreal e a frase despirocada, tirada certamente do ambiente idem de uma Bolsa de Valores), humorística (a Folha e seus flatos), que deveria constar da seção de tablóides, oferecendo um leque histriônico da cultura humana.

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem