Domingo, 19 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > PROFISSÃO PERIGO

Fotógrafo independente morto a balas no Rio

Por Repórteres sem Fronteiras em 13/02/2007 na edição 420

Foi com imenso pesar que Repórteres sem Fronteiras soube do assassinato do fotógrafo independente Robson Barbosa Bezerra, em 8 de fevereiro de 2007, no Rio de Janeiro. A Organização apresenta sinceras condolências à família e pede às autoridades que não descartem a pista profissional.

‘Se as razões profissionais forem confirmadas, Robson Barbosa Bezerra será o oitavo jornalista morto no Brasil no exercício de suas funções desde 2002. O país continua a apresentar perigo para os jornalistas independentes e regionais. Sem deixar de considerar os antecedentes judiciários e os contenciosos pessoais da vítima, pedimos às autoridades encarregadas do inquérito que não descartem a pista profissional. Robson Barbosa Bezerra sentia-se ameaçado e seu assassinato apresenta as características de um contrato’, afirmou Repórteres sem Fronteiras.

Na noite de 8 de fevereiro de 2007, por volta das 20 horas, Robson Barbosa Bezerra, 41 anos, voltava de carro para seu domicílio no bairro da Abolição, no norte do Rio de Janeiro. No instante em que estacionava, indivíduos armados dispararam oito tiros em sua direção. O fotógrafo teve morte instantânea por tiro na cabeça. Com o cadáver, os investigadores encontraram 1.600 reais (cerca de 600 euros) em dinheiro, um anel banhado a ouro, relógio, cartão de crédito e documentos – dentre os quais a carteira da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) –, o que exclui a alegação de roubo.

Apuração do crime

Alguns dias antes do crime, Robson Barbosa Bezerra tinha dado queixa por ameaças e uma agressão. Logo, a razão profissional não está descartada, mas os investigadores assinalaram que a vítima também tinha antecedentes judiciários. Em dezembro passado, Robson Barbosa Bezerra tinha sido preso em flagrante por violências contra a ex-mulher, Renata Mathias. Já culpado por violências conjugais, também tinha sido objeto de queixa após recente briga com um colega.

Segundo o diário O Globo, o delegado Carlos Gomes já interrogou a mãe e a irmã do jornalista, o porteiro do prédio em que ficava o seu escritório, e uma quarta pessoa, cuja identidade não foi revelada.

******

RSF

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem