Sexta-feira, 19 de Julho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1046
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Implicitude e incoerência no jornalismo televisivo

Por Robson Silva em 30/06/2009 na edição 544

Sustentar argumentos que a imprensa televisionada constrói uma realidade pertinente ao seu desejo é a questão norteadora do nosso artigo. Pois nos intriga como não há uma verdade capaz de explicitar a totalidade de um fato ou de uma situação. E o que nos é perceptível é que a imprensa inventa, cria, recria, constrói e reconstrói, uma ou várias realidades a partir de suas narrativas. São discursos produzidos por pessoas que não observam a realidade de fora, como sujeitos privilegiados, mas antes se inserem nela com todas as subjetividades que os compõem. As narrativas são sempre híbridas no sentido de que se articulam em uma estrutura de outras narrativas que tomam posições no discurso de quem as configura. Portanto, nos interrogamos se o discurso da imprensa chega à sociedade sob a crista da verdade, imparcialidade e da objetividade?


Principalmente no que diz respeito ao cenário político, questionamos por que é que a imprensa trata esse assunto de forma tão restrita, uma vez que deveria abrir espaço para mostrar o que realmente acontece nesse universo. O que nos intriga é não entender por que a televisão de canal aberto não faz uma matéria relatando todas as versões de um fato, para que assim possamos ter autoridade sobre o assunto discutido.


Para os teóricos do Jornalismo, quatro fatores são mais imprescindíveis em uma notícia: novidade, proximidade, tamanho e importância. Talvez ao segundo, mais que aos outros, se deva o tratamento diferenciado da parte inicial da cobertura. Os demais pontos se tornaram subalternos à proximidade. Não a física, área, local, mas a social, aquela que é determinada por sua inserção de classe. A imprensa acredita que sabe e pode identificar o que é notícia e faz isso baseada nos ditos valores-notícia e na possibilidade de tentar entender as duas versões como proposta para garantir a isenção necessária ao bom cumprimento do dever. Porém, a imprensa, que supostamente detém uma informação que lhe permite identificar o que é notícia, produz narrativas sobre os acontecimentos de modo que elas pareçam neutras e objetivas.


Novas construções ou rompimentos


Nesse caso, temos a verdade dentro de certa perspectiva e a escolha do lead pode ser considerado o ponto central da objetividade. Desse modo, nos intriga a questão ‘imparcialidade’. Essa imparcialidade achamos ser impossível, pois ao apresentar determinados fenômenos da realidade, sob a forma de notícias, a imprensa constrói novas realidades e novas situações contextuais a que a notícia remete. A compreensão de verdade, é inerente ao pensamento de uma realidade que está pronta em algum lugar e que pode ser assegurada empregando características da imparcialidade e da objetividade. Acontece que, ao buscar informações na imprensa, o sujeito nem sempre percebe de que as informações que recebe foram lidas, editadas, recortadas e selecionadas. No tocante da notícia como construção e reconstrução da realidade, é impossível essa separação, uma vez que sua produção, são elementos que ajudam na composição dessa realidade.


Reforçamos assim que a imprensa inventa, cria, recria, constrói e reconstrói uma ou várias realidades a partir de suas narrativas, pois a construção é a falta de neutralidade. Nesse processo que se faz na imprensa, a verdade surge por um ângulo específico que traz imbricada em sua narrativa uma série de outras verdades subjetivas do sujeito que narra. Acho no mínimo estranho acreditar e defender que a imprensa se desnuda de tudo que acredita e defende para se atirar em uma observação neutra da realidade. Assim, pensamos que a imprensa televisionada não observa de modo neutro ou passivo, mas, na verdade, é composta por sujeitos ativos na construção dessa realidade. Logo, entendemos que a imprensa é mobilização de forças, físicas, intelectuais ou morais para atingir algum fim, orientando convicções, atitudes ou ações de grande número de pessoas para certo objetivo, criando no público uma imagem positiva ou negativa de certo fenômeno (ideia, fato, movimento ou pessoa). Assim, entendemos que as notícias são passíveis de novas construções ou de novos rompimentos.

******

Robson Silva, universitário, Campo-Alegre (AL)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem