Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº966

CADERNO DA CIDADANIA > BERLUSCONI E A IMPRENSA

Itália para contra a ‘lei da mordaça’

Por Vaguinaldo Marinheiro, de Londres em 13/07/2010 na edição 598

Os principais jornais italianos decidiram não circular ontem [sexta, 9/7] nem atualizar seus sites na internet. A maioria dos canais não exibiu telejornais, e foram poucas as notícias nas rádios. Também houve greve de transportes em cidades como Roma e Milão.

Foi um protesto contra a ‘lei da mordaça’, como é conhecido o projeto que o premiê Silvio Berlusconi tenta aprovar no Congresso.

O projeto já passou no Senado e deve ir à votação na Câmara no dia 29. Se virar lei, irá restringir o uso de grampos telefônicos em investigações e punir com multa os meios de comunicação que publicarem as transcrições.

Aos jornalistas, estão previstas penas de prisão de até dois meses.

A paralisação foi convocada pelo sindicato dos jornalistas, mas teve o apoio dos donos dos meios de comunicação. Um dos poucos jornais a circular foi o Il Giornale, da família Berlusconi.

Há também grande descontentamento entre juízes. A associação dos magistrados afirmou em nota que a nova lei irá tornar muito mais difícil o trabalho investigativo de policiais e juízes.

A relação entre o premiê, dono de canais de TV, e a imprensa nunca foi amistosa. Berlusconi diz que a lei servirá para preservar a privacidade dos italianos e que há abuso nas autorizações de grampos e na publicação deles.

Mas os críticos afirmam que ele tenta se proteger, evitando investigações sobre sua vida e sobre membros do governo. Em 2009, o vazamento de partes de investigações sobre corrupção atingiram o premiê.

Foram divulgados pelos meios de comunicação fotos e detalhes de festas que o premiê dava em sua casa, para as quais eram contratadas garotas de programa.

Há dois meses, Berlusconi foi obrigado a aceitar a renúncia de Claudio Scajola, seu então ministro da Indústria, após a mídia divulgar operações fraudulentas na compra de um apartamento.

À época, Berlusconi disse que a mídia ‘tinha muita liberdade’ na Itália.

Racha e cortes

Berlusconi tem maioria na Câmara, mas, mesmo entre seus aliados, há quem acredite que as restrições são excessivas e uma ameaça à liberdade de imprensa e à democracia. Além disso, a base de apoio do premiê está rachada devido ao pacote de cortes que o governo pretende implementar para reduzir o deficit público.

O premiê pediu um voto de confiança ao Congresso e afirmou que, se o pacote de cortes não for aprovado, é hora de ir para casa. Oposicionistas viram na fala uma possível chance de renúncia.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem