Domingo, 17 de Dezembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº970

CADERNO DA CIDADANIA > ARGENTINA

Jornalista ameaçada após denúncia sobre prostituição

18/07/2007 na edição 442

A jornalista Claudia Acuña passou a ser perseguida pela polícia e a justiça argentinas, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras [17/7/07], depois de denunciar a existência de uma rede de prostituição em Buenos Aires controlada por autoridades locais.


Fundadora da agência de notícias La Vaca e do jornal MU, Claudia está sendo processada por conta de suas alegações e foi multada em três mil pesos, resultado de seu ativismo em prol das prostitutas. Desde a semana passada, ela notou que policiais passaram a checar a identidade de pessoas que tentavam visitar sua casa.


Livro


As apurações de Claudia sobre prostituição na capital argentina levaram à publicação do livro Ninguna mujer nace para puta (Nenhuma mulher nasce para ser prostituta, tradução livre), em que a jornalista denuncia a exploração sexual de mulheres e o assédio que sofrem de autoridades policiais, judiciais e políticas.


‘É curioso que, quando um caso deste tipo [da rede de prostituição] é exposto, as autoridades miram no jornalista em vez de investigar as alegações’, afirmou a RSF. ‘As revelações de Claudia irritaram tanto assim? Aparentemente sim, a julgar o tratamento ultrajante que ela recebeu da polícia e de autoridades judiciais’.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem