Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > RSF NO BRASIL

Jornalista assassinado na fronteira paraguaia

Por Repórteres sem Fronteiras em 27/04/2004 na edição 274

Repórteres sem Fronteiras expressou sua viva indignação após o assassínio do apresentador de rádio Samuel Roman, em 20 de abril, em Coronel Sapucaia (MS), cidade brasileira situada na fronteira com o Paraguai.

‘Como os indícios de um assassinato ligado às revelações do jornalista parecem pista séria, pedimos que façam todo o possível para esclarecer os móbeis do crime e identificar o seus comanditários. A detenção de três suspeitos é esperançosa’, declarou Repórteres sem Fronteiras em carta endereçada a José Orcírio Miranda dos Santos, governador do estado de Mato Grosso do Sul. ‘A zona fronteiriça entre o Brasil e o Paraguai infelizmente é conhecida por ser cenário de numerosos tráficos e contrabandos, o que torna perigosas as denúncias dos jornalistas’, lembrou a organização.

No dia 20 de abril de 2004, por volta das 18h40, Samuel Roman foi morto por dois homens em frente a seu domicílio, situado na avenida que separa as cidades gêmeas de Coronel Sapucaia (Mato Grosso do Sul, Brasil) e Capitán Bado (Paraguai). Segundo a polícia brasileira, encarregada de proceder ao inquérito, quatro pessoas estariam implicadas nesse assassinato.

Dois homens de moto atiraram várias vezes em Samuel Roman, enquanto dois cúmplices, também de moto, os esperavam do outro lado da rua, do lado paraguaio. Em seguida, os quatro indivíduos fugiram para o Paraguai. O jornalista teria tentado escapar dos agressores. Atingido por 11 balas nas costas, morreu antes de chegar ao centro de assistência médica local.

Citado no site (www.douradosagora.com), o delegado Antenor Batista da Silva Júnior afirmou que o crime deveria ser rapidamente elucidado. Em 22 abril da manhã, a polícia paraguaia prendeu três dos supostos assassinos, imediatamente entregues à polícia brasileira. Segundo (www.campogrande.com), os três homens são brasileiros e se chamam Ricardo Antônio Machado, Fabiano Lucena dos Santos e Luciano Gregório de Lucena. Eram também procurados pela polícia paraguaia por outro assassínio acontecido em 5 de abril em Capitán Bado. Um deles estaria ligado ao carioca Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, ‘que ainda mantém forte controle sobre os plantadores de maconha da região’, segundo (www.campogrande.com).

Com 36 anos de idade, Samuel Roman, de nacionalidade brasileira, trabalhava há 20 anos em rádios locais. Era personalidade muito conhecida em Capitán Bado. Segundo o site brasileiro (www.campogrande.com), era dono da estação Conquista. Era também animador de um programa intitulado A Voz do Povo, no qual convidava os ouvintes a comentar a vida política de Coronel Sapucaia. De acordo com a imprensa local, denunciava também o tráfico de drogas e a alta criminalidade na região.

No começo de abril, Samuel Roman tinha sido interrogado pela polícia, em inquérito sobre jogatina na cidade. O jornalista também era suplente de um vereador de Sapucaia, do PDT (Partido Democrático Trabalhista).

******

Organização de defesa do direito à informação e do livre exercício da profissão de jornalista (www.rsf.org)

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem