Terça-feira, 25 de Junho de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1043
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Jornalista de rádio é assassinado a tiros

05/05/2009 na edição 536

Nova York, 27 de abril de 2009 – O veterano jornalista de rádio colombiano José Everardo Aguilar, conhecido por suas fortes críticas à corrupção local, foi baleado na noite de sexta-feira (24/4) em sua casa, no departamento [estado] de Cauca, sudoeste do país. Hoje, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) instou as autoridades colombianas a conduzirem uma aprofundada investigação sobre o assassinato de Aguilar e a levarem os responsáveis à justiça.

Por volta das 19h15 de sexta-feira, um indivíduo não identificado que se fez passar por mensageiro, entrou na casa de Aguilar com o pretexto de entregar um pacote com fotos, segundo Ovidio Hoyos, diretor da rádio Super, em Popayán, onde a vítima trabalhava. Uma vez dentro da casa, o agressor disparou três tiros contra Aguilar antes de fugir. O jornalista morreu na hora, disse Hoyos ao CPJ.

‘O descarado assassinato de José Everardo Aguilar coloca fim a um momento de calma na violência contra a imprensa colombiana’, disse Joel Simon, diretor-executivo do CPJ. ‘As autoridades devem conduzir uma investigação agressiva e transparente para enviar a mensagem de que não ficarão apenas observando enquanto os jornalistas são atacados.’

Autocensura generalizada

Aguilar, de 72 anos, era correspondente da rádio Súper no município de Patía, no sul do departamento. Também apresentava um programa de notícias na estação de rádio comunitária Bolívar Estéreo, detalhou Hoyos. Aguilar havia trabalhado para a rádio Súper por 10 anos e era conhecido por suas fortes críticas à corrupção e aos vínculos entre políticos locais e para-militares de direita, segundo entrevistas realizadas pelo CPJ e informes da imprensa local. Jornalista veterano, com 30 anos de experiência, Aguilar havia trabalhado também para as emissoras nacionais Caracol Radio e RCN, segundo informações da imprensa colombiana.

Hoyos revelou ao CPJ que a família de Aguilar declarou que o jornalista havia recebido ameaças por seu trabalho jornalístico. E explicou que Aguilar não havia mencionado as ameaças.

O coronel Luis Joaquín Camacho, comandante da polícia de Cauca, informou ao CPJ que as autoridades locais e nacionais estão investigando o assassinato. Os investigadores estão estudando o trabalho de Aguilar como um dos possíveis motivos, acrescentou Camacho. Segundo a imprensa colombiana, no sábado o presidente Alvaro Uribe Vélez anunciou que o governo daria uma recompensa a qualquer pessoa que fornecesse informações sobre o assassinato de Aguilar.

Em um informe recente, ‘Crimes sem Castigo 2009‘, o CPJ notou que o índice de mortes havia diminuído ligeiramente na Colômbia, historicamente um dos países onde mais jornalistas foram mortos por seu trabalho. Ainda que o governo considere esta queda fruto da política de segurança, as pesquisas do CPJ demonstram que a existência de uma autocensura generalizada converteu a imprensa em um alvo menos visado.

******

O CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, e se dedica a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem