Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº1054
Menu

CADERNO DA CIDADANIA >

Jornalista é alvo de investigação chavista

Por Fabiano Maisonnave, de Caracas em 07/04/2009 na edição 532

O ex-candidato presidencial Teodoro Petkoff é o mais novo líder opositor sob investigação, por suspeita de não ter declarado bens herdados de sua mãe, morta há 35 anos. A lista da antichavistas com problemas na Justiça inclui o prefeito de Maracaibo, Manuel Rosales, que ontem pediu licença do cargo por 90 dias, e o general dissidente Raúl Baduel, transferido a um presídio militar, entre outros adversários do presidente Hugo Chávez.

Anteontem [quinta, 2/4], a Comissão de Finanças da Assembleia Nacional, controlada pelo chavismo, aprovou um pedido da deputada Iris Varela para investigar o imposto de renda de Petkoff, atualmente diretor do jornal oposicionista Tal Cual, um tabloide que imprime 25 mil exemplares diários e cuja capa é quase sempre ocupada por editoriais contra Chávez.

Varela acusa Petkoff e um irmão dele de não terem declarado os bens herdados de sua mãe, morta no ano de 1974.

‘Por meio de seu diário, [Petkoff] faz juízos e desqualifica muitas pessoas, principalmente o seu alvo favorito: o presidente Chávez. Mas aqui há provas da qualidade moral e ética desse senhor’, disse Varela, conhecida na Venezuela por ter invadido um estúdio para agredir a tapas e ao vivo um apresentador de TV.

‘Essa denúncia já foi feita há uns quatro, cinco anos e não deu em nada, não estou preocupado’, disse Petkoff à Folha. Ele atribui a investigação parlamentar à ‘ofensiva geral’ de Chávez contra a oposição.

Ontem, o ex-ministro da Defesa Raúl Baduel, preso na véspera, compareceu a um tribunal militar, que determinou sua transferência ao presídio Ramo Verde, na região metropolitana de Caracas.

À rádio Unión, Baduel disse que sua prisão foi uma ‘ordem’ de Chávez, que ‘utiliza como mercenários tanto a Justiça quanto os diferentes Poderes para amedrontar’.

Um antigo aliado de Chávez, Baduel é acusado de desviar até R$ 11,4 milhões quando era ministro da Defesa, cargo que deixou em meados de 2007 -pouco depois, rompeu politicamente com o presidente.

Outro que virou alvo de investigação fiscal é o governador oposicionista de Miranda (região metropolitana de Caracas), Henrique Capriles, que recebeu uma carta da Receita notificando que sua declaração do ano passado será ‘revisada’.

A lista tem ainda o governador de Táchira, César Pérez Vivas. O Tribunal Superior de Justiça (TSJ) recebeu recentemente um pedido de investigação do chavismo por suposta fraude cometida nas eleições de novembro.

Além dos processos judiciais, a oposição, que hoje governa os centros mais importantes do país, vem sofrendo com uma onda de transferência de instalações e instituições ao governo nacional, como escolas, hospitais e, mais recentemente três importantes portos.

Na quinta-feira (2/4), a Assembleia aprovou em primeira votação um projeto de lei que cria um governador para Caracas nomeado por Chávez, a quem caberá a administrar os recursos federais para a capital do país. A medida deve retirar a maior parte das atribuições do governo distrital, liderada pelo oposicionista Antonio Ledezma.

Pedido de afastamento

Já o prefeito da segunda cidade do país, Manuel Rosales, completou ontem o seu quarto dia ‘escondido’, alegando perseguição política. Uma audiência judicial marcada para o próximo dia 20 decidirá sobre um pedido do Ministério Público para que seja preso, também num processo de corrupção.

No final da tarde, o presidente da Câmara Municipal de Maracaibo anunciou ter aprovado um pedido de Rosales para se licenciar do cargo por 90 dias.

‘Chávez está usando a mais pura tática hitleriana’, disse Petkoff, tido como um dos críticos mais moderados do governo. ‘Primeiro, prende o inimigo político para depois inventar um crime para puni-lo. É assim com Rosales e com Baduel.’

******

Repórter da Folha de S.Paulo

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem