Quinta-feira, 23 de Novembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº967

CADERNO DA CIDADANIA > COLÔMBIA

Justiça censura El Heraldo

Por Comitê de Proteção dos Jornalistas em 06/02/2007 na edição 419

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) está preocupado com a ordem judicial que impede o diário colombiano El Heraldo, após a divulgação de uma matéria onde alega que uma empresa de Barranquilla tem vínculos com as forças paramilitares, de publicar novos artigos sobre o tema.

Em 21 de janeiro, o jornal publicou uma matéria investigativa – em conjunto com a organização não governamental Protranparencia – alegando que havia vínculos entre a empresa privada Métodos y Sistemas e os paramilitares. A empresa, que havia sido contratada pelo governo de Barranquilla para arrecadar impostos, interpôs imediatamente uma ação judicial argumentando que a matéria havia prejudicado sua reputação e o seu direito constitucional à informação ‘imparcial e verdadeira’ segundo El Tiempo, diário sediado em Bogotá.

Não há lugar para censura

Na quinta-feira, 26 de janeiro, o juiz do Segundo Circuito Criminal de Barranquilla, Hernando Estrada Peña, ordenou ao El Heraldo que não publicasse informações adicionais sobre o caso como ‘medida provisória’ até que ele determinasse a sentença.

‘Condenamos a decisão do tribunal de censurar El Heraldo e de impedir que publique informações adicionais que podem ser cruciais para a compreensão da influência que as forças ilegais paramilitares têm sobre a vida na Colômbia’, afirmou o diretor-executivo do CPJ, Joel Simon. ‘Esperamos que a Corte revogue esta ordem, pois não há lugar para a censura em um país democrático’.

Ao comentar a ordem do juiz Estrada, o presidente Álvaro Uribe Vélez disse à RCN Radio que nada deveria perturbar a liberdade de imprensa. ‘Eu acho que qualquer atentado contra a liberdade de imprensa é muito grave’, assinalou Uribe. ‘Com todo o respeito ao juiz da República, sem conhecer a razão e a base de sua sentença, eu acho que nada deve perturbar a liberdade de imprensa.’

Crime contra a democracia

As forças paramilitares de extrema-direita são supostamente responsáveis por alguns dos piores massacres do conflito civil colombiano, segundo a Associated Press. Também teve um papel importante na transformação do narcotráfico em um dos maiores setores exportadores da Colômbia. Desde que o governo Uribe começou a negociar com eles, em 2002, os paramilitares desmobilizaram mais de 30 mil combatentes, segundo a AP. Ao mesmo tempo, entretanto, expandiram e aprofundaram as atividades ilegais, que vão desde a extorsão até o tráfico de drogas e de combustível.

Durante os últimos meses, o governo Uribe se viu cercado por escândalos enquanto os meios de comunicação, os grupos de direitos humanos e os críticos do governo documentaram extensos vínculos entre as forças armadas e os paramilitares, que colaboraram em uma guerra suja contra as guerrilhas de esquerda. O escândalo, amplamente documentado pela imprensa colombiana, vincula diretamente dezenas de políticos e altos funcionários do governo com estes grupos ilegais.

Uribe se reuniu com uma delegação do CPJ em 15 de março de 2006 e expressou seu apoio aos jornalistas das regiões do interior. O presidente também anunciou seu apoio aos jornalistas que informam sobre corrupção, ao enfatizar que qualquer funcionário que interfira com o trabalho da imprensa ‘está cometendo um crime contra a democracia, e isso é gravíssimo’ (leia aqui, em português). [Nova York, 30 de janeiro de 2007]

******

O CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, e se dedica a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo.

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem