Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017
ISSN 1519-7670 - Ano 19 - nº958

CADERNO DA CIDADANIA > DEPOIS DO HORROR

‘Charlie Hebdo’, uma charge, muitas perguntas

Por Luciano Martins Costa em 08/01/2015 na edição 832

Comentário para o programa radiofônico do Observatório, 8/1/2014

Como não podia deixar de ser, os jornais de quinta-feira (8/1) abrem grandes manchetes para noticiar o atentado contra o semanário francês Charlie Hebdo. As edições dos diários brasileiros não podiam ser mais homogêneas e previsíveis, como se os editores tivessem planejado cada uma delas em uma mesma reunião de pauta. Mas, embora sobrem muitas questões a serem abordadas, o essencial está dito: a democracia precisa inventar uma maneira de se defender sem abrir mão daquilo que a caracteriza e justifica.

O ataque ao jornal satírico produz a ironia extremada, que é enfrentada por alguns cartunistas em publicações ao redor do mundo, com centenas de charges que reafirmam o direito à liberdade de expressão e desafiam o poder da violência contra o humor.

Mas, como manter a graça diante da barbárie desmedida? A resposta mais adequada talvez esteja aqui ao lado, no texto de Claire San Filippo (ver aqui), representante nas Américas da organização Repórteres Sem Fronteiras: que todos os meios de comunicação republiquem desenhos do Charlie.

Ideia semelhante é defendida pelo colunista Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo. Ele sugere que os jornais de todo o mundo marquem uma data para republicar, ao mesmo tempo, a charge que há oito anos detonou a ira dos fanáticos que se dizem muçulmanos. Seria uma forma de reafirmar os valores que, afinal, justificam moralmente a existência da imprensa – a oferta de um espaço para a diversidade de crenças e opiniões que define a modernidade.

Mas há muito mais do que indignação e espanto a se registrar no noticiário sobre o atentado. O relato homogêneo da imprensa brasileira faz a descrição dos fatos, alinha opiniões de especialistas, projeta reações das forças políticas que disputam o poder na Europa e questiona a capacidade do Ocidente de se prevenir contra o assédio de pregadores extremistas sobre os jovens de origem árabe e muçulmana que sofrem os efeitos mais perversos do desemprego e da falta de perspectivas na periferia de suas cidades.

Rir de quê?

Há, por trás do atentado ao Charlie Hebdo, uma questão que a imprensa tem dificuldade para encarar: o sistema econômico predominante no mundo e o modelo de organização do Estado democrático ainda oferecem uma estrutura adequada para abrigar a grande diversidade de valores que a globalização traz à superfície comum? Nesse contexto, o próprio sistema da imprensa ainda pode retratar com fidelidade e equilíbrio essa complexidade?

Se ações extremas como a dos terroristas precisam ser evitadas, para que não imponham o caos à sociedade, quais seriam, nos limites do tolerável, os recursos do Estado em defesa do processo civilizatório? Essa questão não está contemplada nas reportagens, assim como também não se encontra com facilidade um texto que estranhe a liberdade com que os autores do atentado planejaram e executaram o ataque.

Para não cometer uma injustiça, convém observar que o colunista Gilles Lapouge, no Estado de S. Paulo, levanta suspeitas sobre a facilidade com que os assassinos adquiriram armas pesadas, coletes a prova de balas e outros equipamentos para efetivar o atentado. No entanto, essa deveria ser uma questão central nas reportagens: a evidente incapacidade dos serviços de segurança franceses de manter sob monitoramento um par de suspeitos ligados ao veio mais radical da guerra religiosa islâmica, um dos quais previamente condenado por seu protagonismo na cooptação de militantes.

Como se explica que tenham planejado a ação com tantos detalhes de informações sobre a rotina e a identidade de suas vítimas, obtido o acesso à bazuca e metralhadoras, sem que a polícia especializada lhes tenha barrado o caminho? Seriam apenas três os autores do crime?

O massacre da Rua Nicolas Appert, em Paris, a cinco quadras da Bastilha, oferece uma plenitude de significados e uma fartura de metáforas, matéria na qual os jornalistas adoram ancorar suas narrativas. Confrontam-se aqui o direito de pensar ironicamente sobre qualquer coisa e o direito à crença na sacralidade de certos ícones, e o problema aparece quando a fé se expõe ao ambiente mundano.

Para os religiosos de todas as crenças, a chalaça, a pilhéria, a gozação, são a expressão da mesma falta de respeito inadmissível. Para os valores da modernidade, ninguém, humano ou divindade, deve estar acima do direito ao estado de espírito galhofeiro.

Mas quando a vítima é o humor, rir de quê? 

Todos os comentários

x

Indique a um amigo

Este é um espaço para você indicar conteúdo do site aos seus amigos.

O Campos com * são obrigatórios.

Seus dados

Dados do amigo (1)

Dados do amigo (2)

Mensagem